Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Falta de diploma gera protesto em S.Bernardo

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alunos e ex-alunos reclamam que não receberam certificados mesmo após conclusão dos cursos


Matheus Moreira
Especial para o Diário

03/07/2020 | 00:01


Alunos e ex-alunos se reuniram ontem na porta da Fainam (Faculdade Interação Americana) em São Bernardo para protestar sobre a não entrega de diplomas aos formandos – alguns concluíram os cursos em 2014. O posicionamento se deu após os estudantes terem esgotado todas as formas de contato com o centro educacional e não terem obtido nenhum tipo de resposta.

Uma das pessoas prejudicadas com a situação é Jennifer Demarchi, 25 anos, que mora em São Bernardo. “Sou formada desde 2016 e até o momento não tenho o diploma. Já entrei com reclamação no Procon e eles (faculdade) não respondem. Eu sou pós-graduada e não tenho também o outro diploma, pois preciso entregar o da graduação para ter o da pós”, explicou.

Além de acionarem o Procon, alguns alunos já entraram com processo na Justiça e nem assim foram atendidos. É o caso da andreense Hortência de Oliveira, 28, coordenadora operacional. “Entramos com ação judicial e já ganhamos, mas a faculdade não responde. Eles mudam de endereço, não comparecem às audiências, não atendem às notificações do Procon, é um total descaso. Além disso, a faculdade continua cobrando a mensalidade dos alunos normalmente, mesmo com as aulas paradas por causa da pandemia do coronavírus e nem estão dando aulas remotas”, cobrou.

Ontem, para tentar conter a manifestação, que contou com 15 pessoas e muitos cartazes, a faculdade ofereceu a possibilidade de os próprios alunos solicitarem o diploma junto ao MEC (Ministério da Educação), mediante o pagamento de taxa adicional no valor de R$ 151, mas não houve consenso. 

Desde terça-feira o Diário tenta contato com representantes da faculdade, mas até o fechamento desta edição não havia recebido resposta. Os telefones disponibilizados no site oficial do centro educacional não funcionam e as mensagens enviadas por e-mail não foram respondidas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Falta de diploma gera protesto em S.Bernardo

Alunos e ex-alunos reclamam que não receberam certificados mesmo após conclusão dos cursos

Matheus Moreira
Especial para o Diário

03/07/2020 | 00:01


Alunos e ex-alunos se reuniram ontem na porta da Fainam (Faculdade Interação Americana) em São Bernardo para protestar sobre a não entrega de diplomas aos formandos – alguns concluíram os cursos em 2014. O posicionamento se deu após os estudantes terem esgotado todas as formas de contato com o centro educacional e não terem obtido nenhum tipo de resposta.

Uma das pessoas prejudicadas com a situação é Jennifer Demarchi, 25 anos, que mora em São Bernardo. “Sou formada desde 2016 e até o momento não tenho o diploma. Já entrei com reclamação no Procon e eles (faculdade) não respondem. Eu sou pós-graduada e não tenho também o outro diploma, pois preciso entregar o da graduação para ter o da pós”, explicou.

Além de acionarem o Procon, alguns alunos já entraram com processo na Justiça e nem assim foram atendidos. É o caso da andreense Hortência de Oliveira, 28, coordenadora operacional. “Entramos com ação judicial e já ganhamos, mas a faculdade não responde. Eles mudam de endereço, não comparecem às audiências, não atendem às notificações do Procon, é um total descaso. Além disso, a faculdade continua cobrando a mensalidade dos alunos normalmente, mesmo com as aulas paradas por causa da pandemia do coronavírus e nem estão dando aulas remotas”, cobrou.

Ontem, para tentar conter a manifestação, que contou com 15 pessoas e muitos cartazes, a faculdade ofereceu a possibilidade de os próprios alunos solicitarem o diploma junto ao MEC (Ministério da Educação), mediante o pagamento de taxa adicional no valor de R$ 151, mas não houve consenso. 

Desde terça-feira o Diário tenta contato com representantes da faculdade, mas até o fechamento desta edição não havia recebido resposta. Os telefones disponibilizados no site oficial do centro educacional não funcionam e as mensagens enviadas por e-mail não foram respondidas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;