Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Moraes diz que é "preciso aguardar" para analisar mandados coletivos



23/02/2018 | 00:01


O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que é "preciso aguardar" e ver qual será o pedido feito pelas autoridades policiais e militares do Rio de Janeiro sobre os mandados coletivos de busca e apreensão. Só assim será possível analisar a constitucionalidade da ideia, entende o ministro. "Ainda está muita confusão sobre o que eles acham o que é coletivo ou não."

Autoridades do governo federal e do Estado do Rio de Janeiro discutem a possibilidade de mandados coletivos serem usados em regiões cariocas, enquanto o Estado passa por uma intervenção federal na área de segurança pública. "Nós temos que aguardar, primeiro, para ver como vai ser o pedido feito pelas autoridades policiais e militares para saber exatamente qual é o âmbito do mandado", disse Moraes.

Ex-ministro da Justiça do governo Temer e nomeado pelo presidente ao STF, Alexandre está envolvido com as discussões em torno da intervenção no Rio de Janeiro. Ontem, ele recebeu em audiência privada o interventor nomeado por Temer, general Braga Netto.

Na quarta-feira, em entrevista à rádio Jovem Pan, o ministro afirmou que apenas medidas emergenciais não vão resolver os problemas de segurança pública no Rio. Ele cobrou que haja investimentos em inteligência e força policial no médio e longo prazos para que a "melhora momentânea" não acabe assim que encerrar a intervenção no Estado.

Para o ministro, uma intervenção é situação "excepcional" e pode ser necessária em algum momento, "mas nós temos que trabalhar no médio e no longo prazo". Ele declarou ainda que o decreto do presidente Michel Temer, já aprovado pela Câmara e pelo Senado, não tem nenhum problema constitucional.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moraes diz que é "preciso aguardar" para analisar mandados coletivos


23/02/2018 | 00:01


O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que é "preciso aguardar" e ver qual será o pedido feito pelas autoridades policiais e militares do Rio de Janeiro sobre os mandados coletivos de busca e apreensão. Só assim será possível analisar a constitucionalidade da ideia, entende o ministro. "Ainda está muita confusão sobre o que eles acham o que é coletivo ou não."

Autoridades do governo federal e do Estado do Rio de Janeiro discutem a possibilidade de mandados coletivos serem usados em regiões cariocas, enquanto o Estado passa por uma intervenção federal na área de segurança pública. "Nós temos que aguardar, primeiro, para ver como vai ser o pedido feito pelas autoridades policiais e militares para saber exatamente qual é o âmbito do mandado", disse Moraes.

Ex-ministro da Justiça do governo Temer e nomeado pelo presidente ao STF, Alexandre está envolvido com as discussões em torno da intervenção no Rio de Janeiro. Ontem, ele recebeu em audiência privada o interventor nomeado por Temer, general Braga Netto.

Na quarta-feira, em entrevista à rádio Jovem Pan, o ministro afirmou que apenas medidas emergenciais não vão resolver os problemas de segurança pública no Rio. Ele cobrou que haja investimentos em inteligência e força policial no médio e longo prazos para que a "melhora momentânea" não acabe assim que encerrar a intervenção no Estado.

Para o ministro, uma intervenção é situação "excepcional" e pode ser necessária em algum momento, "mas nós temos que trabalhar no médio e no longo prazo". Ele declarou ainda que o decreto do presidente Michel Temer, já aprovado pela Câmara e pelo Senado, não tem nenhum problema constitucional.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;