Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alckmin confirma prévias e distancia PSDB de elo com França ao Estado

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Em São Caetano, governador cita que escolha de nome tucano na corrida estadual sairá em março


Humberto Domiciano
Do Diário do Grande ABC

21/02/2018 | 07:00


O governador de São Paulo e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, confirmou ontem que o partido realizará prévias para escolha de candidato ao Palácio dos Bandeirantes. O processo será definido em reunião marcada para o dia 5 e, segundo a cúpula paulista da sigla, as datas de 18 e 25 de março foram reservadas para realização do pleito interno.

O aceno para a definição de um nome tucano deixa mais forte a tendência de que o governo possa ter duas candidaturas na eleição estadual deste ano – o vice-governador Márcio França (PSB) confirmou que disputará a reeleição após a saída de Alckmin, que precisará se desincompatibilizar do cargo para ser presidenciável.

Em evento realizado na sede da GM (General Motors), em São Caetano e ao lado do prefeito José Auricchio Júnior (PSDB), o chefe do Executivo paulista afirmou que o diretório estadual será responsável pelo processo. “Caberá ao diretório do PSDB do Estado de São Paulo definir o formato e a data da prévia.”

O secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, o empresário Luiz Felipe D’Ávila e o suplente de senador José Aníbal estão registrados como pré-candidatos.

Além disso, o prefeito de São Paulo, João Doria, deve entrar na disputa. Ontem, grupo formado pelos vereadores tucanos da Capital (Eduardo Tuma, Fabio Riva, Adriana Ramalho, Aurélio Nomura, Gilson Barreto e João Jorge) assinou carta pedindo para que Doria seja candidato ao governo paulista. O encontro dos parlamentares teve a presença do vice-prefeito Bruno Covas.

Nesta semana, o vice-governador Márcio França recebeu o apoio oficial do PSC à chapa. A sigla se junta ao PR, Solidariedade e Pros. A expectativa é que outras legendas, como PPS, PV, PHS e até o PCdoB possam fazer parte da coligação de França na disputa ao Palácio dos Bandeirantes. Outra especulação diz respeito à possibilidade do deputado federal Celso Russomanno ser o vice, o que traria o PRB para o arco de alianças.

Esse leque de aliados pró-França tem feito surgir grupos tucanos – inclusive prefeitos – entusiastas em apoio ao socialista na corrida estadual.

CAMPANHA A PRESIDENTE
Alckmin, deu mais detalhes sobre a missão que o economista Pérsio Arida terá em sua possível chapa presidencial. “O Pérsio Arida vai coordenar esse trabalho, que é um projeto na área econômica, teremos uma agenda voltada para a competitividade, para destravar economia e ter mais investimento”, comentou. O governador não confirmou a presença de José Roberto Mendonça de Barros, secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda no primeiro governo Fernando Henrique Cardoso, como integrante de sua equipe econômica. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alckmin confirma prévias e distancia PSDB de elo com França ao Estado

Em São Caetano, governador cita que escolha de nome tucano na corrida estadual sairá em março

Humberto Domiciano
Do Diário do Grande ABC

21/02/2018 | 07:00


O governador de São Paulo e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, confirmou ontem que o partido realizará prévias para escolha de candidato ao Palácio dos Bandeirantes. O processo será definido em reunião marcada para o dia 5 e, segundo a cúpula paulista da sigla, as datas de 18 e 25 de março foram reservadas para realização do pleito interno.

O aceno para a definição de um nome tucano deixa mais forte a tendência de que o governo possa ter duas candidaturas na eleição estadual deste ano – o vice-governador Márcio França (PSB) confirmou que disputará a reeleição após a saída de Alckmin, que precisará se desincompatibilizar do cargo para ser presidenciável.

Em evento realizado na sede da GM (General Motors), em São Caetano e ao lado do prefeito José Auricchio Júnior (PSDB), o chefe do Executivo paulista afirmou que o diretório estadual será responsável pelo processo. “Caberá ao diretório do PSDB do Estado de São Paulo definir o formato e a data da prévia.”

O secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, o empresário Luiz Felipe D’Ávila e o suplente de senador José Aníbal estão registrados como pré-candidatos.

Além disso, o prefeito de São Paulo, João Doria, deve entrar na disputa. Ontem, grupo formado pelos vereadores tucanos da Capital (Eduardo Tuma, Fabio Riva, Adriana Ramalho, Aurélio Nomura, Gilson Barreto e João Jorge) assinou carta pedindo para que Doria seja candidato ao governo paulista. O encontro dos parlamentares teve a presença do vice-prefeito Bruno Covas.

Nesta semana, o vice-governador Márcio França recebeu o apoio oficial do PSC à chapa. A sigla se junta ao PR, Solidariedade e Pros. A expectativa é que outras legendas, como PPS, PV, PHS e até o PCdoB possam fazer parte da coligação de França na disputa ao Palácio dos Bandeirantes. Outra especulação diz respeito à possibilidade do deputado federal Celso Russomanno ser o vice, o que traria o PRB para o arco de alianças.

Esse leque de aliados pró-França tem feito surgir grupos tucanos – inclusive prefeitos – entusiastas em apoio ao socialista na corrida estadual.

CAMPANHA A PRESIDENTE
Alckmin, deu mais detalhes sobre a missão que o economista Pérsio Arida terá em sua possível chapa presidencial. “O Pérsio Arida vai coordenar esse trabalho, que é um projeto na área econômica, teremos uma agenda voltada para a competitividade, para destravar economia e ter mais investimento”, comentou. O governador não confirmou a presença de José Roberto Mendonça de Barros, secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda no primeiro governo Fernando Henrique Cardoso, como integrante de sua equipe econômica. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;