Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Em memorando, Trump exclui imigrantes ilegais da divisão de distritos eleitorais

Shealah Craighead  / Fotos Públicas  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Essa contagem, que determina as cotas de representação no Congresso, é feita durante o censo realizado este ano



21/07/2020 | 15:31


O presidente Donald Trump assinou um memorando nesta terça-feira, 21, que impede a contagem de imigrantes em situação irregular nos Estados Unidos quando os distritos eleitorais do Congresso americano forem redesenhados na próxima legislatura. Essa contagem, que determina as cotas de representação no Congresso, é feita durante o censo realizado este ano no país.

Profissionais e advogados especialistas em censo dos EUA dizem que há dúvidas sobre a legalidade da ação. Em teoria, ela beneficia o Partido Republicano, de Trump, ao eliminar uma grande parte da população imigrante não branca e em situação irregular da contagem, criando distritos de eleitores mais caucasianos, inclinados a votar no partido, segundo os analistas.

"Determinei, pelo respeito à lei e à proteção da integridade do processo democrático, a exclusão dos estrangeiros ilegais do sistema de divisão", disse o presidente em uma carta enviada ao secretário de Comércio, responsável pelo censo, realizado a cada dez anos.

"A inclusão desses imigrantes ilegais na contagem da população do Estado para a distribuição pode resultar na alocação de duas ou três cadeiras a mais", afirma o memorando. A resposta dos democratas e dos advogados de imigração foram rápidas e condenatórias.

Dale Ho, um advogado da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), disse que levará a decisão aos tribunais. "Nos vemos em corte (Trump), e vamos vencer", disse ele em um comunicado. Tom Perez, presidente do Comitê Nacional Democrata, considerou a medida uma "ordem inconstitucional que não tem outro propósito senão silenciar e destituir vozes latinas e de comunidades de cor". (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em memorando, Trump exclui imigrantes ilegais da divisão de distritos eleitorais

Essa contagem, que determina as cotas de representação no Congresso, é feita durante o censo realizado este ano


21/07/2020 | 15:31


O presidente Donald Trump assinou um memorando nesta terça-feira, 21, que impede a contagem de imigrantes em situação irregular nos Estados Unidos quando os distritos eleitorais do Congresso americano forem redesenhados na próxima legislatura. Essa contagem, que determina as cotas de representação no Congresso, é feita durante o censo realizado este ano no país.

Profissionais e advogados especialistas em censo dos EUA dizem que há dúvidas sobre a legalidade da ação. Em teoria, ela beneficia o Partido Republicano, de Trump, ao eliminar uma grande parte da população imigrante não branca e em situação irregular da contagem, criando distritos de eleitores mais caucasianos, inclinados a votar no partido, segundo os analistas.

"Determinei, pelo respeito à lei e à proteção da integridade do processo democrático, a exclusão dos estrangeiros ilegais do sistema de divisão", disse o presidente em uma carta enviada ao secretário de Comércio, responsável pelo censo, realizado a cada dez anos.

"A inclusão desses imigrantes ilegais na contagem da população do Estado para a distribuição pode resultar na alocação de duas ou três cadeiras a mais", afirma o memorando. A resposta dos democratas e dos advogados de imigração foram rápidas e condenatórias.

Dale Ho, um advogado da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), disse que levará a decisão aos tribunais. "Nos vemos em corte (Trump), e vamos vencer", disse ele em um comunicado. Tom Perez, presidente do Comitê Nacional Democrata, considerou a medida uma "ordem inconstitucional que não tem outro propósito senão silenciar e destituir vozes latinas e de comunidades de cor". (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;