Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com cautela política e aversão a risco no exterior

Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/06/2020 | 09:58


O dólar opera em alta nesta quinta-feira e já subiu à máxima a R$ 5,3445 (+1,59%) no mercado à vista, após o Copom cortar a Selic de 3% para 2,25% ao ano e indicar possível nova redução residual em agosto, confirmando as apostas do mercado.

Com o corte de 0,75 ponto da Selic na quarta-feira, o juro real brasileiro já é negativo em -0,78%, de acordo com cálculos do site MoneYou e da Infinity Asset Management, e desestimula ingresso de capitais estrangeiros no Pais, segundo operadores. Cautela política e aversão a risco nos mercados internacionais pesam também no ajuste de alta, pela nona sessão seguida por enquanto.

O trader Luis Felipe Laudisio dos Santos, da Renascença DTVM, diz em comentário à imprensa que a prisão de Fabrício Queiroz provoca reflexos negativos nos ativos brasileiros. A operação da Polícia Civil e do Ministério Público que prendeu Queiroz nesta manhã também teve como alvo uma atual assessora do senador Flávio Bolsonaro. Trata-se de Alessandra Esteves Marins, que exerce um cargo de confiança no gabinete do parlamentar, com salário de R$ 8.996,28.

Em dezembro de 2018, o Estadão revelou que Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, foi citado em um relatório do antigo Conselho de Controle e Atividades Financeiras (Coaf) por movimentar R$ 1,2 milhão em sua conta de maneira "atípica", o que arrastou o gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro para o centro de uma investigação do Ministério Público Estadual.

Mais cedo, a queda de 9,73% do IBC-BR em abril ante março, com ajuste, foi menos intensa que a mediana negativa de 10,24% das projeções do mercado (intervalo de -16% a -8,4%) e agora fica em segundo plano.

No exterior, o dólar se fortaleceu ante divisas principais e emergentes mais cedo, após os Estados Unidos informarem que os pedidos de auxílio-desemprego no país caíram a 1,508 milhões, menos do que a previsão, que era de queda a 1,3 milhões.

Às 9h40, o dólar no mercado à vista subia 0,91%, a R$ 5,3060. O dólar futuro para julho avançava 1,55%, a R$ 5,3140, ante máxima a R$ 5,3480 (+2,22%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com cautela política e aversão a risco no exterior


18/06/2020 | 09:58


O dólar opera em alta nesta quinta-feira e já subiu à máxima a R$ 5,3445 (+1,59%) no mercado à vista, após o Copom cortar a Selic de 3% para 2,25% ao ano e indicar possível nova redução residual em agosto, confirmando as apostas do mercado.

Com o corte de 0,75 ponto da Selic na quarta-feira, o juro real brasileiro já é negativo em -0,78%, de acordo com cálculos do site MoneYou e da Infinity Asset Management, e desestimula ingresso de capitais estrangeiros no Pais, segundo operadores. Cautela política e aversão a risco nos mercados internacionais pesam também no ajuste de alta, pela nona sessão seguida por enquanto.

O trader Luis Felipe Laudisio dos Santos, da Renascença DTVM, diz em comentário à imprensa que a prisão de Fabrício Queiroz provoca reflexos negativos nos ativos brasileiros. A operação da Polícia Civil e do Ministério Público que prendeu Queiroz nesta manhã também teve como alvo uma atual assessora do senador Flávio Bolsonaro. Trata-se de Alessandra Esteves Marins, que exerce um cargo de confiança no gabinete do parlamentar, com salário de R$ 8.996,28.

Em dezembro de 2018, o Estadão revelou que Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, foi citado em um relatório do antigo Conselho de Controle e Atividades Financeiras (Coaf) por movimentar R$ 1,2 milhão em sua conta de maneira "atípica", o que arrastou o gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro para o centro de uma investigação do Ministério Público Estadual.

Mais cedo, a queda de 9,73% do IBC-BR em abril ante março, com ajuste, foi menos intensa que a mediana negativa de 10,24% das projeções do mercado (intervalo de -16% a -8,4%) e agora fica em segundo plano.

No exterior, o dólar se fortaleceu ante divisas principais e emergentes mais cedo, após os Estados Unidos informarem que os pedidos de auxílio-desemprego no país caíram a 1,508 milhões, menos do que a previsão, que era de queda a 1,3 milhões.

Às 9h40, o dólar no mercado à vista subia 0,91%, a R$ 5,3060. O dólar futuro para julho avançava 1,55%, a R$ 5,3140, ante máxima a R$ 5,3480 (+2,22%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;