Fechar
Publicidade

Domingo, 31 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Europa fecham em alta em meio à possível desaceleração do coronavírus



06/04/2020 | 14:37


As bolsas da Europa fecharam nesta segunda-feira, 6, com consideráveis ganhos, sustentadas pela percepção de que vários países do continente estão começando a registrar desaceleração no número de novos casos de coronavírus. O índice Stoxx 600 encerrou com alta de 3,75%, a 320,58 pontos.

O noticiário sobre a pandemia segue concentrando a atenção de investidores. Ontem, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em um hospital dez dias após ter sido diagnosticado com a covid-19, o que inicialmente pressionou a libra frente ao dólar. No entanto, o premiê britânico esclareceu que foi internado para realizar exames de rotina. Em Londres, o índice FTSE fechou com avanço de 3,08%, a 5.582,39 pontos.

No resto da região, a possível desaceleração do coronavírus deu o tom dos mercados. Na França, que ontem registrou o menor número de casos em uma semana, o índice CAC 40 saltou 4,61%, a 4.346,14 pontos.

No final de semana, o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, afirmou em pronunciamento televisivo que o país está próximo de "achatar a curva" da epidemia.

Em Madri, o Ibex 35 subiu 3,99%, a 6.844,30 pontos.

Ja na Itália, que teve a primeira redução de pacientes em UTI, o FTSE MIB teve alta de 4,00%, a 17.039,31 pontos.

Em Lisboa, o PSI 20 avançou 1,16%, a 4.018,62 pontos.

Na Alemanha, a informação de que as encomendas à indústria caíram 1,4% em fevereiro ante janeiro impulsionou as ações.Analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal previam queda de 3%. Além disso, o governo da chanceler Angela Merkel anunciou um programa de empréstimos a pequenas e médias empresas. Em Frankfurt, o índice DAX subiu 5,77%, a 10.0075,17 pontos.

Segundo o Morgan Stanley, os indicadores europeus indicam que a economia do continente ainda está sob forte pressão por conta do coronavírus. "Mas vemos agora alguns sinais iniciais de estabilização em um baixo nível, enquanto o número de novos casos permanece relativamente estável", diz, em relatório envio a clientes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas da Europa fecham em alta em meio à possível desaceleração do coronavírus


06/04/2020 | 14:37


As bolsas da Europa fecharam nesta segunda-feira, 6, com consideráveis ganhos, sustentadas pela percepção de que vários países do continente estão começando a registrar desaceleração no número de novos casos de coronavírus. O índice Stoxx 600 encerrou com alta de 3,75%, a 320,58 pontos.

O noticiário sobre a pandemia segue concentrando a atenção de investidores. Ontem, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em um hospital dez dias após ter sido diagnosticado com a covid-19, o que inicialmente pressionou a libra frente ao dólar. No entanto, o premiê britânico esclareceu que foi internado para realizar exames de rotina. Em Londres, o índice FTSE fechou com avanço de 3,08%, a 5.582,39 pontos.

No resto da região, a possível desaceleração do coronavírus deu o tom dos mercados. Na França, que ontem registrou o menor número de casos em uma semana, o índice CAC 40 saltou 4,61%, a 4.346,14 pontos.

No final de semana, o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, afirmou em pronunciamento televisivo que o país está próximo de "achatar a curva" da epidemia.

Em Madri, o Ibex 35 subiu 3,99%, a 6.844,30 pontos.

Ja na Itália, que teve a primeira redução de pacientes em UTI, o FTSE MIB teve alta de 4,00%, a 17.039,31 pontos.

Em Lisboa, o PSI 20 avançou 1,16%, a 4.018,62 pontos.

Na Alemanha, a informação de que as encomendas à indústria caíram 1,4% em fevereiro ante janeiro impulsionou as ações.Analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal previam queda de 3%. Além disso, o governo da chanceler Angela Merkel anunciou um programa de empréstimos a pequenas e médias empresas. Em Frankfurt, o índice DAX subiu 5,77%, a 10.0075,17 pontos.

Segundo o Morgan Stanley, os indicadores europeus indicam que a economia do continente ainda está sob forte pressão por conta do coronavírus. "Mas vemos agora alguns sinais iniciais de estabilização em um baixo nível, enquanto o número de novos casos permanece relativamente estável", diz, em relatório envio a clientes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;