Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Romeiros da região adaptam viagem até Aparecida

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Grupos foram divididos para manter o distanciamento físico e facilitar vagas em hotéis nos pontos de apoio


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

06/10/2020 | 00:01


Mesmo com toda insegurança diante da pandemia da Covid-19, os romeiros do Grande ABC não hesitam em realizar o tradicional percurso de 200 quilômetros que separam a região do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, no Vale do Paraíba. Seja a pé ou de bicicleta, os fiéis adaptaram todo trajeto seguindo os protocolos de segurança e encaram a partir de hoje novos desafios para homenagear a Padroeira do Brasil, cujo dia é celebrado na segunda-feira, 12 de outubro.

Entre as adaptações, os romeiros destacam a organização em grupos menores. No ano passado, por exemplo, as equipes eram montadas, em média, com 400 pessoas, enquanto neste ano foram organizadas turmas de 30 a 40 pessoas para que todos possam seguir o distanciamento físico. Os grupos menores também facilitaram na reserva de vagas em hotéis que os romeiros utilizam para descansar.
 
O comerciante e morador do bairro Jardim, em Santo André, Marcelo Diogenes Cabral, 40 anos, vai seguir com grupo de romeiros com 30 pessoas. Eles vão sair da Igreja de Nossa Senhora Aparecida, a Aparecidinha, no Parque Novo Oratório, hoje, a partir das 5h30. O objetivo é chegar ao santuário no sábado.
“Para não cancelarmos nossa ida, nos organizamos em grupos menores, assim como outras turmas também se formaram para a viagem. Conseguimos manter a reserva dos hotéis, que tínhamos feito o ano passado”, detalha Diogenes.

Durante a peregrinação, os fiéis contavam com auxílio de voluntários, que ao longo de todo percurso ofereciam desde água até alimentos, massagens e curativos, mas este ano eles não sabem se haverá este auxílio. “Acredito que para este ano não terão estes pontos de apoio ou, se tiver, serão em poucas pessoas. Pensando nisso, alugamos um veículo que vai carregar os itens mais pesados, como as comidas e nossas bagagens, além de ser nosso reforço durante a viagem”, detalha o comerciante, que vai parar para descansar em Arujá, Caçapava e Jacareí. “Seguiremos todos movidos pela fé, rezando e conversando, isso nos faz chegar até lá”, comenta.

Assim como Diogenes, o enfermeiro Elvio Barbosa Gabriel, 55, morador do Parque Jaçatuba, também em Santo André, não cogitou cancelar a viagem nem mesmo se o santuário – que reabriu no dia 28 de julho – ainda estivesse fechado. “Já faço a romaria há dez anos e ainda tenho muito o que agradecer. Em nenhum minuto imaginei não realizar a viagem neste ano”, destaca Elvio.

O enfermeiro comenta que, apesar de sentir falta de mais pessoas no percurso, o grupo seguirá com o mesmo propósito. “Este ano sairemos em torno de 40 pessoas. Chegaremos lá no sábado, com apoio também de um ônibus que vai fazer a viagem com nossas bagagens. Voltamos no mesmo dia para Santo André”, detalha Elvio. O grupo do enfermeiro vai fazer paradas em quatro cidades: Arujá, Jacareí, Caçapava e Pindamonhangaba, e também sairá hoje, a partir das 5h.

“Como trabalho na área da saúde, passei e revisei as orientações para todos os momentos do trajeto. Todo mundo precisa de segurança para que possamos viajar confortáveis”, finaliza Elvio.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Romeiros da região adaptam viagem até Aparecida

Grupos foram divididos para manter o distanciamento físico e facilitar vagas em hotéis nos pontos de apoio

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

06/10/2020 | 00:01


Mesmo com toda insegurança diante da pandemia da Covid-19, os romeiros do Grande ABC não hesitam em realizar o tradicional percurso de 200 quilômetros que separam a região do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, no Vale do Paraíba. Seja a pé ou de bicicleta, os fiéis adaptaram todo trajeto seguindo os protocolos de segurança e encaram a partir de hoje novos desafios para homenagear a Padroeira do Brasil, cujo dia é celebrado na segunda-feira, 12 de outubro.

Entre as adaptações, os romeiros destacam a organização em grupos menores. No ano passado, por exemplo, as equipes eram montadas, em média, com 400 pessoas, enquanto neste ano foram organizadas turmas de 30 a 40 pessoas para que todos possam seguir o distanciamento físico. Os grupos menores também facilitaram na reserva de vagas em hotéis que os romeiros utilizam para descansar.
 
O comerciante e morador do bairro Jardim, em Santo André, Marcelo Diogenes Cabral, 40 anos, vai seguir com grupo de romeiros com 30 pessoas. Eles vão sair da Igreja de Nossa Senhora Aparecida, a Aparecidinha, no Parque Novo Oratório, hoje, a partir das 5h30. O objetivo é chegar ao santuário no sábado.
“Para não cancelarmos nossa ida, nos organizamos em grupos menores, assim como outras turmas também se formaram para a viagem. Conseguimos manter a reserva dos hotéis, que tínhamos feito o ano passado”, detalha Diogenes.

Durante a peregrinação, os fiéis contavam com auxílio de voluntários, que ao longo de todo percurso ofereciam desde água até alimentos, massagens e curativos, mas este ano eles não sabem se haverá este auxílio. “Acredito que para este ano não terão estes pontos de apoio ou, se tiver, serão em poucas pessoas. Pensando nisso, alugamos um veículo que vai carregar os itens mais pesados, como as comidas e nossas bagagens, além de ser nosso reforço durante a viagem”, detalha o comerciante, que vai parar para descansar em Arujá, Caçapava e Jacareí. “Seguiremos todos movidos pela fé, rezando e conversando, isso nos faz chegar até lá”, comenta.

Assim como Diogenes, o enfermeiro Elvio Barbosa Gabriel, 55, morador do Parque Jaçatuba, também em Santo André, não cogitou cancelar a viagem nem mesmo se o santuário – que reabriu no dia 28 de julho – ainda estivesse fechado. “Já faço a romaria há dez anos e ainda tenho muito o que agradecer. Em nenhum minuto imaginei não realizar a viagem neste ano”, destaca Elvio.

O enfermeiro comenta que, apesar de sentir falta de mais pessoas no percurso, o grupo seguirá com o mesmo propósito. “Este ano sairemos em torno de 40 pessoas. Chegaremos lá no sábado, com apoio também de um ônibus que vai fazer a viagem com nossas bagagens. Voltamos no mesmo dia para Santo André”, detalha Elvio. O grupo do enfermeiro vai fazer paradas em quatro cidades: Arujá, Jacareí, Caçapava e Pindamonhangaba, e também sairá hoje, a partir das 5h.

“Como trabalho na área da saúde, passei e revisei as orientações para todos os momentos do trajeto. Todo mundo precisa de segurança para que possamos viajar confortáveis”, finaliza Elvio.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;