Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

IABR: EUA pressionam indústria brasileira de aço para mudança no sistema de cotas

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


27/07/2020 | 17:37


O presidente executivo do Instituto Aço Brasil (IABr), Marco Polo de Mello Lopes, disse que o Brasil está sendo fortemente pressionado pelos Estados Unidos para mudar o atual sistema de cotas das exportações brasileiras de aço. Em entrevista para divulgar os dados do primeiro semestre deste ano, Lopes afirmou que as discussões estão ocorrendo com a USTR, organismo responsável pelo comércio americano.

"Estamos recebendo uma pressão bastante grande por parte dos EUA para alterar as regras da seção 232. Há uma ameaça de mudança no sistema de cotas para as exportações brasileiras de aço. Se não houver flexibilização por parte das nossas exportações para os Estados Unidos, provavelmente eles virão com uma redução de cota ou uma imposição de tarifas", disse.

A briga comercial entre Brasil e Estados Unidos começou no ano passado quando o presidente Donald Trump disse que iria impor tarifas ao aço e ao alumínio brasileiros para tentar proteger os produtores locais.

Altos-fornos

Na coletiva, o Instituto Aço Brasil (IABR) informou que do total de 32 altos-fornos existentes no Brasil, 10 continuam paralisados e que a ociosidade do setor continua extremamente elevada. Lopes explicou que o setor começou o ano com 62% da capacidade, atingiu 42% em abril e hoje está com apenas 48,5%.

"O problema é que a ociosidade elevada implica em desemprego. Segundo o Caged, de março a maio de 2020, o segmento da indústria de transformação teve 315.940 demissões. Por isso, precisamos exportar e precisamos de medidas para melhorar a competitividade", afirmou.

Segundo ele, China e Coreia detêm mais da metade do excesso da capacidade do mundo e são os dois países que têm o maior número de processos de defesa comercial movidos contra eles.

"O mundo está de cabeça para baixo e cada país procura preservar o seu mercado", comentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IABR: EUA pressionam indústria brasileira de aço para mudança no sistema de cotas


27/07/2020 | 17:37


O presidente executivo do Instituto Aço Brasil (IABr), Marco Polo de Mello Lopes, disse que o Brasil está sendo fortemente pressionado pelos Estados Unidos para mudar o atual sistema de cotas das exportações brasileiras de aço. Em entrevista para divulgar os dados do primeiro semestre deste ano, Lopes afirmou que as discussões estão ocorrendo com a USTR, organismo responsável pelo comércio americano.

"Estamos recebendo uma pressão bastante grande por parte dos EUA para alterar as regras da seção 232. Há uma ameaça de mudança no sistema de cotas para as exportações brasileiras de aço. Se não houver flexibilização por parte das nossas exportações para os Estados Unidos, provavelmente eles virão com uma redução de cota ou uma imposição de tarifas", disse.

A briga comercial entre Brasil e Estados Unidos começou no ano passado quando o presidente Donald Trump disse que iria impor tarifas ao aço e ao alumínio brasileiros para tentar proteger os produtores locais.

Altos-fornos

Na coletiva, o Instituto Aço Brasil (IABR) informou que do total de 32 altos-fornos existentes no Brasil, 10 continuam paralisados e que a ociosidade do setor continua extremamente elevada. Lopes explicou que o setor começou o ano com 62% da capacidade, atingiu 42% em abril e hoje está com apenas 48,5%.

"O problema é que a ociosidade elevada implica em desemprego. Segundo o Caged, de março a maio de 2020, o segmento da indústria de transformação teve 315.940 demissões. Por isso, precisamos exportar e precisamos de medidas para melhorar a competitividade", afirmou.

Segundo ele, China e Coreia detêm mais da metade do excesso da capacidade do mundo e são os dois países que têm o maior número de processos de defesa comercial movidos contra eles.

"O mundo está de cabeça para baixo e cada país procura preservar o seu mercado", comentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;