Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Poesia do Leitor: Iracema M. Régis


da Redação

01/04/2018 | 07:00


Retorno à poesia
Sinto falta do poema:
em linha reta, direta,
branca ou metrificada,
em qualquer esquina
feminina ou máscula,
que importa?
Se o verso é reverso,
certinho ou duvidoso,
antiquado ou idoso,
é bom que aconteça.
Não sou perfeita:
às vezes estou
no presente,
outras, no pretérito
imperfeito.
Salutar é ler, ouvir,
escrever;
bom é criar: sair do
redondo
e voltar ao quadrado,
nosso lugar.
Versemos! . . .

Aquém das persianas
Grossas gotas gotejam
nas vidraças embaçadas:
ignoram a atmosfera
caliente a espreitar
atrás das persianas.
E mais uma, duas, três. . .
gotítulas da chuva
(em algeroz)
despencam
ruidosamente
no cinza das janelas;
a face madura
rejuvenesce
(qual sol além das
tempestades)
e retoma as cores
do verão

Argamassa
De todos os naipes
sem carta marcada
Do pó, da argila
variados matizes
-argamassa uma-
Cavalgaram trilhos
águas navegaram
filhos da “Oropa,
França e Bahia”,
“Brás, Bixiga e
Barra Funda”
Abraçaram terras,
matas, nativos
no barro e na pedra
cunhou-se
o perfil
de quem vive em Mauá.

Tem alguma poesia que deseja mostrar? Mande para a gente no e-mail cultura@dgabc.com.br. Ela poderá ser publicada aqui.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Poesia do Leitor: Iracema M. Régis

da Redação

01/04/2018 | 07:00


Retorno à poesia
Sinto falta do poema:
em linha reta, direta,
branca ou metrificada,
em qualquer esquina
feminina ou máscula,
que importa?
Se o verso é reverso,
certinho ou duvidoso,
antiquado ou idoso,
é bom que aconteça.
Não sou perfeita:
às vezes estou
no presente,
outras, no pretérito
imperfeito.
Salutar é ler, ouvir,
escrever;
bom é criar: sair do
redondo
e voltar ao quadrado,
nosso lugar.
Versemos! . . .

Aquém das persianas
Grossas gotas gotejam
nas vidraças embaçadas:
ignoram a atmosfera
caliente a espreitar
atrás das persianas.
E mais uma, duas, três. . .
gotítulas da chuva
(em algeroz)
despencam
ruidosamente
no cinza das janelas;
a face madura
rejuvenesce
(qual sol além das
tempestades)
e retoma as cores
do verão

Argamassa
De todos os naipes
sem carta marcada
Do pó, da argila
variados matizes
-argamassa uma-
Cavalgaram trilhos
águas navegaram
filhos da “Oropa,
França e Bahia”,
“Brás, Bixiga e
Barra Funda”
Abraçaram terras,
matas, nativos
no barro e na pedra
cunhou-se
o perfil
de quem vive em Mauá.

Tem alguma poesia que deseja mostrar? Mande para a gente no e-mail cultura@dgabc.com.br. Ela poderá ser publicada aqui.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;