Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Chávez é transferido para base naval sob protesto de partidários


Do Diário OnLine
Com Agências

13/04/2002 | 13:36


O ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi transferido neste sábado do Fuerte Tiuna, principal base militar de Caracas para uma base no centro do país. Vestido com trajes militares, Chávez teria sido levado para Turiamo, a cerca de 100 quilômetros a sudoeste de Caracas, na costa do mar Caribe, segundo membro da equipe do ex-presidente.

Chávez estava preso no Fuerte Tiuna desde a madrugada de sexta, quando foi deposto do poder por militares. O ex-membro do governo, que não quis se identificar, afirmou que teme pela morte de Chávez.

A filha do ex-presidente, María Gabriela, afirmou à TV cubana que seu pai “foi colocado em um helicóptero e levado a destino desconhecido”. Nesta sexta, ela havia dito que seu pai não renunciou ao cargo e foi forçado a entregar o poder aos militares. Ainda segundo ela, Chávez disse que foi instaurada na Venezuela “uma ditadura de extrema-direita”.

Protestos - Panelaços e protestos a favor do presidente Hugo Chávez vêm ocorrendo desde a noite de sexta em diversas áreas da capital venezuelana, especialmente na área do leste de Caracas perto do Fuerte Tiuna, onde Chávez estava detido.

Os panelaços ocorriam no bairro pobre de El Valle e no de classe média Santa Mónica, enquanto helicópteros sobrevoavam a área próxima ao forte militar. Segundo a agência France Press, houve tiroteios na região. Vizinhos gritavam "queremos referendo" e "os pobres não vão deixar o presidente cair".

A 200 metros do Forte Militar Tiuna, cerca de 200 partidários de Chávez protestavam com cartazes do presidente deposto e velas acesas.

No oeste da capital, o acesso da avenida Sucre ao palácio presidencial de Miraflores foi fechado e, por momentos, foram ouvidos tiros. Os 300 manifestantes que cercavam a embaixada cubana, em Chuao, no leste da cidade, destruíram os quatro veículos. Eles começaram a se retirar quando o delegado da Polícia Metropolitana, Henry Vivas, os ordenou que saíssem, alegando que esse protesto estava gerando queixas internacionais, segundo as testemunhas.

No bairro pobre de Nueva Tacagua, uma manifestação que reuniu cerca de 500 partidários de Chávez foi reprimida com violência pela Polícia Metropolitana na noite desta sexta-feira.

Na cidade de Guarenas, 30 km a leste de Caracas, houve vários focos de distúrbios durante o dia. Os manifestantes se concentraram na rua central da cidade, onde queimaram pneus para exigir a volta de Chávez.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Chávez é transferido para base naval sob protesto de partidários

Do Diário OnLine
Com Agências

13/04/2002 | 13:36


O ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi transferido neste sábado do Fuerte Tiuna, principal base militar de Caracas para uma base no centro do país. Vestido com trajes militares, Chávez teria sido levado para Turiamo, a cerca de 100 quilômetros a sudoeste de Caracas, na costa do mar Caribe, segundo membro da equipe do ex-presidente.

Chávez estava preso no Fuerte Tiuna desde a madrugada de sexta, quando foi deposto do poder por militares. O ex-membro do governo, que não quis se identificar, afirmou que teme pela morte de Chávez.

A filha do ex-presidente, María Gabriela, afirmou à TV cubana que seu pai “foi colocado em um helicóptero e levado a destino desconhecido”. Nesta sexta, ela havia dito que seu pai não renunciou ao cargo e foi forçado a entregar o poder aos militares. Ainda segundo ela, Chávez disse que foi instaurada na Venezuela “uma ditadura de extrema-direita”.

Protestos - Panelaços e protestos a favor do presidente Hugo Chávez vêm ocorrendo desde a noite de sexta em diversas áreas da capital venezuelana, especialmente na área do leste de Caracas perto do Fuerte Tiuna, onde Chávez estava detido.

Os panelaços ocorriam no bairro pobre de El Valle e no de classe média Santa Mónica, enquanto helicópteros sobrevoavam a área próxima ao forte militar. Segundo a agência France Press, houve tiroteios na região. Vizinhos gritavam "queremos referendo" e "os pobres não vão deixar o presidente cair".

A 200 metros do Forte Militar Tiuna, cerca de 200 partidários de Chávez protestavam com cartazes do presidente deposto e velas acesas.

No oeste da capital, o acesso da avenida Sucre ao palácio presidencial de Miraflores foi fechado e, por momentos, foram ouvidos tiros. Os 300 manifestantes que cercavam a embaixada cubana, em Chuao, no leste da cidade, destruíram os quatro veículos. Eles começaram a se retirar quando o delegado da Polícia Metropolitana, Henry Vivas, os ordenou que saíssem, alegando que esse protesto estava gerando queixas internacionais, segundo as testemunhas.

No bairro pobre de Nueva Tacagua, uma manifestação que reuniu cerca de 500 partidários de Chávez foi reprimida com violência pela Polícia Metropolitana na noite desta sexta-feira.

Na cidade de Guarenas, 30 km a leste de Caracas, houve vários focos de distúrbios durante o dia. Os manifestantes se concentraram na rua central da cidade, onde queimaram pneus para exigir a volta de Chávez.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;