Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alvaro Dias reitera defesa à Lava Jato em dia atípico

Suplente do senador do Podemos foi preso no âmbito da operação, junto com ex-governador tucano


Daniel Tossato
Caroline Manchini

12/09/2018 | 07:59


O presidenciável Alvaro Dias (Podemos) realizou agenda tripla ontem na região, iniciada em Diadema, passando por Ribeirão Pires e encerrando em Santo André. A caminhada em solo andreense ocorreu no calçadão da Rua Coronel Oliveira Lima, e o candidato reiterou defesa à Lava Jato, mesmo após a prisão de seu suplente no Senado, Joel Malucelli (eleito pelo PSD), no âmbito da operação.

Segundo o postulante ao Planalto, não se pode transferir responsabilidades e em questões de ética e comportamento cada um tem que responder por si próprio. “Que os acusados sejam investigados e julgados. Se condenados, devem pagar com o rigor da lei. Da nossa parte apoiamos fortemente a Lava Jato, pois ela é importante para o País.” Além de Malucelli, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público, também requereu a prisão do ex-governador do Paraná e candidato ao Senado Beto Richa (PSDB), a mulher do tucano Fernanda Richa, seu irmão Pepe Richa e seu ex-chefe de gabinete Deonilson Roldo. Todos foram detidos temporariamente, com autorização do juiz federal Sérgio Moro.

Alvaro citou que Malucelli foi indicado para a suplência pela coligação e que participou legalmente da campanha, quando os fatos que levaram à prisão do suplente não tinham sido revelados. “Ele terá que se defender e apresentar suas justificativas. Acredito que ele faça isso de forma positiva para poder ser absolvido”, pontuou. Desde o início de sua campanha, Alvaro tem afirmado intenção de, se eleito, nomear Moro para ministro da Justiça.

O postulante prometeu investir no combate ao crime organizado, corrupção e os privilégios concedidos às autoridades. “Para isso precisamos refundar a República”, reiterou.

FOGO
Na atividade em Ribeirão, o que, aparentemente, seria apenas mais um encontro do presidenciável com o eleitorado, transformou-se em confusão. Ao chegar no local, o candidato foi recepcionado com fogos de artifício, que, após a queima, causaram incêndio em espaço próximo à estação de trem, onde ele deu início à passeata.

Apesar de definido pelo Corpo de Bombeiros como incêndio de pequena proporção, as chamas, controladas rapidamente, se espalharam pela vegetação seca. A fumaça acabou provocando engarrafamento no Centro e alguns munícipes passaram mal. Depois de ser questionado sobre o imprevisto, ele declarou que “coisas assim acontecem”. Em seguida, o postulante enfatizou: “O que devemos combater é a irresponsabilidade e incompetência do governo atual (Michel Temer, MDB). Este pequeno incêndio a água apaga.”  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;