Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Stone Sour em
alto e bom som

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Banda norte-americana ganha espaço no cenário
roqueiro e lança 'House Of Gold & Bones Part 1'


Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

24/06/2013 | 07:00


E a história continua. A banda norte-americana de rock Stone Sour dá sequência à saga que começou no ano passado com o lançamento do álbum 'House Of Gold & Bones Part 1' e tira do forno agora o disco 'House of Gold & Bones Part 2' (Warner Music, R$ 36,90 em média).
Juntos, os discos formam trabalho conceito idealizado pelo cantor e compositor Corey Taylor, que também faz frente à banda Slipknot. Além de Taylor, o conjunto conta com James Root (guitarra) – também conhecido por seu trabalho com o Slipnknot –, Josh Rand (guitarra) e Roy Mayorga (bateria), além da participação especial do contrabaixista Rachel Bolan, do Skid Row.
De acordo com Josh Rand, a ideia de fazer esse discos surgiu há alguns anos por meio do cantor. Ele conta que esse é realmente um trabalho em grupo. “Nós quatro nos reunimos no estúdio por algumas semanas. Dois meses depois começamos a gravar. Registramos tudo muito rápido”, conta ele em entrevista ao Díario.
“Nós gravamos 24 faixas em três meses. Foi muito rápido. Ficamos muito focados. Nós queríamos fazer esses discos. É diferente, quando você grava por algumas horas e para de quando você realmente se propõe a fazer algo assim. Queríamos fazer os dois álbuns de uma vez”, afirma.
A obra, quinta da discografia, abre ao som do piano acompanhado pela bela voz de Taylor com a faixa 'Red City', que fala de personagem que não espera mais nada da vida.
'House of Gold & Bones Part 2' brilha, é rico em arranjos musicais. Ele tem sonoridade mais agressiva que seu antecessor, prova disso está no single 'Do Me a Favour'. Mas não é só de riffs de guitarra grandiosos e pesados, caso de 'Black John', que o disco é feito. Momentos como o de 'Sadist' dão brilho e trazem à obra mistura de calmaria e momentos de extrema agressividade. Tudo muito bem colocado e pensado.
“Nós temos nossos momentos pesados e também os mais lentos”, diz o guitarrista. Ele conta que “como todos na banda fazem as músicas de diferentes formas e com estilos diferentes, uma música nunca fica parecida com a outra”.

O mais interessante: Stone Sour tem ganhado, principalmente com esses discos, mais destaque no cenário do que as bandas principais de seus músicos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Stone Sour em
alto e bom som

Banda norte-americana ganha espaço no cenário
roqueiro e lança 'House Of Gold & Bones Part 1'

Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

24/06/2013 | 07:00


E a história continua. A banda norte-americana de rock Stone Sour dá sequência à saga que começou no ano passado com o lançamento do álbum 'House Of Gold & Bones Part 1' e tira do forno agora o disco 'House of Gold & Bones Part 2' (Warner Music, R$ 36,90 em média).
Juntos, os discos formam trabalho conceito idealizado pelo cantor e compositor Corey Taylor, que também faz frente à banda Slipknot. Além de Taylor, o conjunto conta com James Root (guitarra) – também conhecido por seu trabalho com o Slipnknot –, Josh Rand (guitarra) e Roy Mayorga (bateria), além da participação especial do contrabaixista Rachel Bolan, do Skid Row.
De acordo com Josh Rand, a ideia de fazer esse discos surgiu há alguns anos por meio do cantor. Ele conta que esse é realmente um trabalho em grupo. “Nós quatro nos reunimos no estúdio por algumas semanas. Dois meses depois começamos a gravar. Registramos tudo muito rápido”, conta ele em entrevista ao Díario.
“Nós gravamos 24 faixas em três meses. Foi muito rápido. Ficamos muito focados. Nós queríamos fazer esses discos. É diferente, quando você grava por algumas horas e para de quando você realmente se propõe a fazer algo assim. Queríamos fazer os dois álbuns de uma vez”, afirma.
A obra, quinta da discografia, abre ao som do piano acompanhado pela bela voz de Taylor com a faixa 'Red City', que fala de personagem que não espera mais nada da vida.
'House of Gold & Bones Part 2' brilha, é rico em arranjos musicais. Ele tem sonoridade mais agressiva que seu antecessor, prova disso está no single 'Do Me a Favour'. Mas não é só de riffs de guitarra grandiosos e pesados, caso de 'Black John', que o disco é feito. Momentos como o de 'Sadist' dão brilho e trazem à obra mistura de calmaria e momentos de extrema agressividade. Tudo muito bem colocado e pensado.
“Nós temos nossos momentos pesados e também os mais lentos”, diz o guitarrista. Ele conta que “como todos na banda fazem as músicas de diferentes formas e com estilos diferentes, uma música nunca fica parecida com a outra”.

O mais interessante: Stone Sour tem ganhado, principalmente com esses discos, mais destaque no cenário do que as bandas principais de seus músicos. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;