Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 15 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

IPP de setembro tem maior alta desde outubro de 2015, diz IBGE

Divulgação/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/10/2017 | 10:50


Os reajustes nos preços das atividades de refino de petróleo e das indústrias extrativas puxaram o salto de 1,50% registrado pelo Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa foi a mais elevada desde outubro de 2015, quando o IPP tinha avançado 1,77%.

Entre as 24 atividades industriais pesquisadas no IPP, 19 apresentaram variações positivas em setembro. As quatro maiores altas foram registradas em indústrias extrativas (14,05%), refino de petróleo e produtos de álcool (4,47%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (2,64%) e outros produtos químicos (2,35%).

Na direção oposta, as quedas mais acentuadas foram as de equipamentos de informática (-0,96%) e máquinas e equipamentos (-0,91%). Os alimentos recuaram 0,19% no mês, a quarta queda consecutiva.

"Os alimentos vinham de uma queda de 1,64% em agosto. Alimentos ainda estão segurando o IPP, mas agora menos intensamente", ressaltou Alexandre Brandão gerente do IPP no IBGE.

Em 2017, os alimentos registraram apenas um avanço, em maio (0,40%). No IPP de setembro, os alimentos tiveram uma contribuição de -0,04 ponto porcentual para a taxa do IPP, ante um impacto de -0,33 ponto porcentual em agosto.

Em termos de influência, as maiores pressões para a formação total da taxa do IPP de setembro foram de refino de petróleo e produtos de álcool (0,47 ponto porcentual), indústrias extrativas (0,46 ponto porcentual), outros produtos químicos (0,22 ponto porcentual) e metalurgia (0,15 ponto porcentual).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IPP de setembro tem maior alta desde outubro de 2015, diz IBGE


26/10/2017 | 10:50


Os reajustes nos preços das atividades de refino de petróleo e das indústrias extrativas puxaram o salto de 1,50% registrado pelo Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa foi a mais elevada desde outubro de 2015, quando o IPP tinha avançado 1,77%.

Entre as 24 atividades industriais pesquisadas no IPP, 19 apresentaram variações positivas em setembro. As quatro maiores altas foram registradas em indústrias extrativas (14,05%), refino de petróleo e produtos de álcool (4,47%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (2,64%) e outros produtos químicos (2,35%).

Na direção oposta, as quedas mais acentuadas foram as de equipamentos de informática (-0,96%) e máquinas e equipamentos (-0,91%). Os alimentos recuaram 0,19% no mês, a quarta queda consecutiva.

"Os alimentos vinham de uma queda de 1,64% em agosto. Alimentos ainda estão segurando o IPP, mas agora menos intensamente", ressaltou Alexandre Brandão gerente do IPP no IBGE.

Em 2017, os alimentos registraram apenas um avanço, em maio (0,40%). No IPP de setembro, os alimentos tiveram uma contribuição de -0,04 ponto porcentual para a taxa do IPP, ante um impacto de -0,33 ponto porcentual em agosto.

Em termos de influência, as maiores pressões para a formação total da taxa do IPP de setembro foram de refino de petróleo e produtos de álcool (0,47 ponto porcentual), indústrias extrativas (0,46 ponto porcentual), outros produtos químicos (0,22 ponto porcentual) e metalurgia (0,15 ponto porcentual).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;