Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ex-estagiária pega 30 anos de prisão


Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

30/08/2007 | 07:26


A ex-estagiária de Administração de Empresas Carolina de Paula Farias, de 24 anos, foi condenada quarta-feira a 30 anos e quatro meses de prisão por assassinato e duas tentativas de homicídio, em 2005.

Uma das mulheres que ela tentou matar foi a assistente de Planejamento Financeiro Renata Borelli, 26 anos, moradora da Vila Euclides, em São Bernardo.

Em novembro de 2005, Renata foi baleada no ombro na Anchieta, em São Bernardo. A Delegacia Seccional do município investigou o caso e o Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) realizou a prisão.

Carolina foi estagiária de Administração de Empresas da indústria Petrocoque, em Cubatão, e cometeu os crimes porque pretendia ser contratada pela empresa e ficar mais próxima do gerente.

Ele era marido de uma das vítimas, com quem Carolina teve um relacionamento amoroso. Os jurados consideram que os crimes foram cometidos por motivo torpe e isso agravou as penas.

Perseguição - A moradora de São Bernardo sofreu um ataque no Km 34 da Anchieta, em São Bernardo, quando voltava do trabalho para a Vila Euclides. Dirigindo um Celta, Carolina seguiu a ex-colega desde Cubatão e emparelhou os carros na rodovia. Dentro do Celta estavam dois comparsas de Carolina, que deram seis tiros. Eles ainda não foram julgados.

A maior pena foi de 16 anos e quatro meses, pelo assassinato de Mônica Tamer Cruz de Almeida, 42 anos. A vítima foi executada a tiros em um ponto de ônibus em Santos em dezembro de 2005.

Penas - Carolina pegou nove anos e quatro meses de prisão pela tentiva de homicídio a Renata. A pena mais branda foi dada pelo primeiro dos crimes, ocorrido em setembro de 2005, quando a ex-estagiária tentou matar Maria Aparecida de Campos, a mulher do seu ex-amante.

Durante as mais de 16 horas de julgamento, dez testemunhas depuseram. A platéia se revoltou e emocionou com testemunhos e debates entre defesa e acusação. Familiares e amigos de Mônica usavam camisetas brancas com uma foto da vítima com a filha no colo. Carolina negou todas as acusações. (Com AE)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-estagiária pega 30 anos de prisão

Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

30/08/2007 | 07:26


A ex-estagiária de Administração de Empresas Carolina de Paula Farias, de 24 anos, foi condenada quarta-feira a 30 anos e quatro meses de prisão por assassinato e duas tentativas de homicídio, em 2005.

Uma das mulheres que ela tentou matar foi a assistente de Planejamento Financeiro Renata Borelli, 26 anos, moradora da Vila Euclides, em São Bernardo.

Em novembro de 2005, Renata foi baleada no ombro na Anchieta, em São Bernardo. A Delegacia Seccional do município investigou o caso e o Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) realizou a prisão.

Carolina foi estagiária de Administração de Empresas da indústria Petrocoque, em Cubatão, e cometeu os crimes porque pretendia ser contratada pela empresa e ficar mais próxima do gerente.

Ele era marido de uma das vítimas, com quem Carolina teve um relacionamento amoroso. Os jurados consideram que os crimes foram cometidos por motivo torpe e isso agravou as penas.

Perseguição - A moradora de São Bernardo sofreu um ataque no Km 34 da Anchieta, em São Bernardo, quando voltava do trabalho para a Vila Euclides. Dirigindo um Celta, Carolina seguiu a ex-colega desde Cubatão e emparelhou os carros na rodovia. Dentro do Celta estavam dois comparsas de Carolina, que deram seis tiros. Eles ainda não foram julgados.

A maior pena foi de 16 anos e quatro meses, pelo assassinato de Mônica Tamer Cruz de Almeida, 42 anos. A vítima foi executada a tiros em um ponto de ônibus em Santos em dezembro de 2005.

Penas - Carolina pegou nove anos e quatro meses de prisão pela tentiva de homicídio a Renata. A pena mais branda foi dada pelo primeiro dos crimes, ocorrido em setembro de 2005, quando a ex-estagiária tentou matar Maria Aparecida de Campos, a mulher do seu ex-amante.

Durante as mais de 16 horas de julgamento, dez testemunhas depuseram. A platéia se revoltou e emocionou com testemunhos e debates entre defesa e acusação. Familiares e amigos de Mônica usavam camisetas brancas com uma foto da vítima com a filha no colo. Carolina negou todas as acusações. (Com AE)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;