Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Papa Bento XVI celebra missa inaugural para milhares de fiéis


Do Diário OnLine
Com AFP

24/04/2005 | 14:57


Milhares de pessoas assistiram neste domingo, na Praça de São Pedro, a cerimônia que marcou a estréia de Bento XVI, 78 anos, como novo papa. Os cerca de 500 mil peregrinos, que se reuniram em frente à Basílica, presenciaram uma festiva missa, na qual Bento XVI pediu a ajuda dos católicos e recebeu o carinho dos fiéis em seu primeiro passeio no 'papamóvel'.

"Meu verdadeiro programa de governo não é fazer minha vontade, não é seguir minhas próprias idéias, mas colocar-me, assim como toda a Igreja, na escuta da palavra e da vontade do Senhor", declarou o cardeal alemão eleito papa na terça-feira, depois de um conclave de 24 horas. Entre os aplausos, Joseph Ratzinger, agora o novo papa, foi coroado com dois importantes símbolos de seu pontificado: o pálio, uma estola branca bordada com cruzes vermelhas, e o anel do pescador, que representa São Pedro lançando a rede.

Ao contrário da imagem severa e fria que demonstrava quando era cardeal, Bento XVI mostrou-se emocionado diante da multidão. "Queridos amigos, neste momento só posso dizer: rogai por mim para que aprenda a amar cada vez mais o Senhor, rogai por mim para que aprenda a amar cada vez mais o seu rebanho, para que não fuja de medo diante dos lobos", pediu o 265º pontífice da história.

Na homilia, interrompida mais de 30 vezes por aplausos, o novo papa também pediu pela unidade da Igreja. "Façamos tudo o possível para trilhar o caminho da unidade. Sejamos um só pastor e um só rebanho", destacou. Seguindo o exemplo de seu antecessor, Bento XVI elogiou a juventude, seiva nova da comunidade católica. "A Igreja está viva porque Cristo está vivo. E a Igreja é ovem. Ela leva em si mesma o futuro do mundo", garantiu.

Durante a cerimônia, foram muitas as palavras de carinho e admiração de Bento XVI ao seu antecessor, morto em 2 de abril aos 84 anos, após uma longa agonia. Apesar da enorme afluência de fiéis, esta missa não bateu o recorde registrado durante o funeral de João Paulo II, em 8 de abril, quando cerca de um milhão de pessoas estiveram no Vaticano.

O novo papa, que vestia o traje dourado e a cruz do falecido João Paulo II, retomou o discurso pronunciado por ele em 1978, em sua missa de entronização: "Ainda e continuamente ressoam em meus ouvidos suas palavras de então: Não tenha medo! Não tenha medo de Cristo! Ele não tira nada e tudo dá. Quem se entrega a ele, recebe cem por um", relembrou.

Antes da missa, que durou quase três horas, Bento XVI prosseguiu com o rito estipulado no Concílio Vaticano II e rezou em frente ao túmulo de São Pedro, o primeiro papa da Igreja, localizada dentro das grutas vaticanas. A missa foi co-celebrada por 150 cardeais, as leituras foram feitas em inglês e espanhol e a comunhão foi distribuída por 320 sacerdotes. Dois jovens peruanos, María Ospino e Elías Nolasco, entregaram oferendas. No total, 140 delegações governamentais, 37 chefes de Estado e de governo e representantes de todas as religiões assistiram à cerimônia.

Entre o público havia bandeiras colombianas, argentinas, americanas, espanholas e polonesas, porém a que mais se destacou foi a alemã, sendo que pelo menos 100 mil fiéis do pequeno país do novo papa assistiram à cerimônia. Para garantir a segurança, as autoridades romanas mobilizaram sete mil agentes das forças de segurança e dois mil voluntários.

Representantes - Entre elas se destacavam os representantes da Alemanha, começando pelo presidente, Horst Koehler, o chanceler Gerhard Schroeder, o governador da Baviera, Edmund Stoiber e o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias do Brasil. Além destes, o irmão do papa, Georg Ratzinger, 81, também assistiu à cerimônia, emocionado. Do lado esquerdo do altar estavam os reis da Espanha, Juan Carlos, em uniforme de gala, e Sofía, trajando uma roupa com véu branco, uma prerrogativa dos reis católicos.

Os presidentes colombiano Alvaro Uribe, argentino, Néstor Kirchner, paraguaio, Nicanor Duarte, e salvadorenho, Elías Antonio Saca, além de Jeb Bush, governador da Flórida e irmão do presidente americano, George W. Bush, também estavam presentes. Todos eles foram recebidos posteriormente pelo papa no interior da basílica.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Papa Bento XVI celebra missa inaugural para milhares de fiéis

Do Diário OnLine
Com AFP

24/04/2005 | 14:57


Milhares de pessoas assistiram neste domingo, na Praça de São Pedro, a cerimônia que marcou a estréia de Bento XVI, 78 anos, como novo papa. Os cerca de 500 mil peregrinos, que se reuniram em frente à Basílica, presenciaram uma festiva missa, na qual Bento XVI pediu a ajuda dos católicos e recebeu o carinho dos fiéis em seu primeiro passeio no 'papamóvel'.

"Meu verdadeiro programa de governo não é fazer minha vontade, não é seguir minhas próprias idéias, mas colocar-me, assim como toda a Igreja, na escuta da palavra e da vontade do Senhor", declarou o cardeal alemão eleito papa na terça-feira, depois de um conclave de 24 horas. Entre os aplausos, Joseph Ratzinger, agora o novo papa, foi coroado com dois importantes símbolos de seu pontificado: o pálio, uma estola branca bordada com cruzes vermelhas, e o anel do pescador, que representa São Pedro lançando a rede.

Ao contrário da imagem severa e fria que demonstrava quando era cardeal, Bento XVI mostrou-se emocionado diante da multidão. "Queridos amigos, neste momento só posso dizer: rogai por mim para que aprenda a amar cada vez mais o Senhor, rogai por mim para que aprenda a amar cada vez mais o seu rebanho, para que não fuja de medo diante dos lobos", pediu o 265º pontífice da história.

Na homilia, interrompida mais de 30 vezes por aplausos, o novo papa também pediu pela unidade da Igreja. "Façamos tudo o possível para trilhar o caminho da unidade. Sejamos um só pastor e um só rebanho", destacou. Seguindo o exemplo de seu antecessor, Bento XVI elogiou a juventude, seiva nova da comunidade católica. "A Igreja está viva porque Cristo está vivo. E a Igreja é ovem. Ela leva em si mesma o futuro do mundo", garantiu.

Durante a cerimônia, foram muitas as palavras de carinho e admiração de Bento XVI ao seu antecessor, morto em 2 de abril aos 84 anos, após uma longa agonia. Apesar da enorme afluência de fiéis, esta missa não bateu o recorde registrado durante o funeral de João Paulo II, em 8 de abril, quando cerca de um milhão de pessoas estiveram no Vaticano.

O novo papa, que vestia o traje dourado e a cruz do falecido João Paulo II, retomou o discurso pronunciado por ele em 1978, em sua missa de entronização: "Ainda e continuamente ressoam em meus ouvidos suas palavras de então: Não tenha medo! Não tenha medo de Cristo! Ele não tira nada e tudo dá. Quem se entrega a ele, recebe cem por um", relembrou.

Antes da missa, que durou quase três horas, Bento XVI prosseguiu com o rito estipulado no Concílio Vaticano II e rezou em frente ao túmulo de São Pedro, o primeiro papa da Igreja, localizada dentro das grutas vaticanas. A missa foi co-celebrada por 150 cardeais, as leituras foram feitas em inglês e espanhol e a comunhão foi distribuída por 320 sacerdotes. Dois jovens peruanos, María Ospino e Elías Nolasco, entregaram oferendas. No total, 140 delegações governamentais, 37 chefes de Estado e de governo e representantes de todas as religiões assistiram à cerimônia.

Entre o público havia bandeiras colombianas, argentinas, americanas, espanholas e polonesas, porém a que mais se destacou foi a alemã, sendo que pelo menos 100 mil fiéis do pequeno país do novo papa assistiram à cerimônia. Para garantir a segurança, as autoridades romanas mobilizaram sete mil agentes das forças de segurança e dois mil voluntários.

Representantes - Entre elas se destacavam os representantes da Alemanha, começando pelo presidente, Horst Koehler, o chanceler Gerhard Schroeder, o governador da Baviera, Edmund Stoiber e o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias do Brasil. Além destes, o irmão do papa, Georg Ratzinger, 81, também assistiu à cerimônia, emocionado. Do lado esquerdo do altar estavam os reis da Espanha, Juan Carlos, em uniforme de gala, e Sofía, trajando uma roupa com véu branco, uma prerrogativa dos reis católicos.

Os presidentes colombiano Alvaro Uribe, argentino, Néstor Kirchner, paraguaio, Nicanor Duarte, e salvadorenho, Elías Antonio Saca, além de Jeb Bush, governador da Flórida e irmão do presidente americano, George W. Bush, também estavam presentes. Todos eles foram recebidos posteriormente pelo papa no interior da basílica.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;