Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Hoje tem marmelada?


Ana Carolina Rodrigues
Do Diário do Grande ABC

21/06/2007 | 07:03


O lúdico está por todos os lados. Desde a entrada repleta de aromas que remetem à infância – cheiro de pipoca, algodão doce e cachorro quente – até o espetáculo em si pontuado por esquetes de palhaços e performances de artistas circenses de variados estilos. Tudo isso é o circo Spacial e ele chegou a Santo André para uma temporada que se estende por pelo menos mais duas semanas com sessões às quintas e sextas-feiras, às 20h30, e sábados e domingos às 16h, 18h e 20h30.

Com cerca de duas horas de duração, o espetáculo promove uma viagem pela beleza da cultura popular do circo em uma estrutura que privilegia a habilidade humana conforme explica Marlene Olímpia Querubim, diretora do circo Spacial. Ela, inclusive, é a primeira mulher a administrar um circo no Brasil. “São 22 anos de circo Spacial. Já rodamos o Brasil inteiro e temos orgulho de dizer que daqui já saíram artistas para as mais importantes companhias circenses que existem. Os artistas brasileiros vivem uma fase muito boa e isso pode ser visto no picadeiro”, conta.

E numa época dominada pelos computadores ainda existe espaço e interesse pelo circo? “Isso é uma coisa que nunca vai acabar. É um espaço para o encontro com a magia, o encantamento, a ingenuidade. As pessoas se deparam com o elemento surpresa e com a adrenalina do espetáculo ao vivo”, explica Marlene.

Espetáculo - E quando as luzes se apagam e o palco é tomado pelos primeiros artistas, todo mundo na platéia se transforma. Impossível não sorrir com as brincadeiras do palhaço que, com apenas uma fita, transforma cinco convidados do público em um ringue de boxe.

Os trapezistas, que voam de um lado para o outro, fazem com que as cabeças de todos se movimentem numa espécie de dança ensaiada. Ao lado dos palhaços, o mágico também é um dos que mais chama a atenção. Ninguém, por mais atento que seja, é capaz de explicar como é que ele consegue se desamarrar e surgir na entrada do circo quando, diante dos olhos de todos, foi trancado com cadeado dentro de um baú.

Ou então como explicar as acrobacias aéreas com tecido? E a artista que se arrisca num aro de metal suspenso? Coisas que só quem gosta de circo pode entender.

Circo Spacial – espetáculo circense. Na av. dos Estados, altura do nº 4.700. Tel.: 4996-1507. Ingr.: R$ 15 (adulto); R$ 10 (criança); R$ 7 (estudantes e aposentados). Com o cupom publicado no Diário às quintas-feiras e aos domingos, R$ 7. Sessões quinta e sexta, às 20h30; sábado e domingo, às 16h, 18h e 20h30.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hoje tem marmelada?

Ana Carolina Rodrigues
Do Diário do Grande ABC

21/06/2007 | 07:03


O lúdico está por todos os lados. Desde a entrada repleta de aromas que remetem à infância – cheiro de pipoca, algodão doce e cachorro quente – até o espetáculo em si pontuado por esquetes de palhaços e performances de artistas circenses de variados estilos. Tudo isso é o circo Spacial e ele chegou a Santo André para uma temporada que se estende por pelo menos mais duas semanas com sessões às quintas e sextas-feiras, às 20h30, e sábados e domingos às 16h, 18h e 20h30.

Com cerca de duas horas de duração, o espetáculo promove uma viagem pela beleza da cultura popular do circo em uma estrutura que privilegia a habilidade humana conforme explica Marlene Olímpia Querubim, diretora do circo Spacial. Ela, inclusive, é a primeira mulher a administrar um circo no Brasil. “São 22 anos de circo Spacial. Já rodamos o Brasil inteiro e temos orgulho de dizer que daqui já saíram artistas para as mais importantes companhias circenses que existem. Os artistas brasileiros vivem uma fase muito boa e isso pode ser visto no picadeiro”, conta.

E numa época dominada pelos computadores ainda existe espaço e interesse pelo circo? “Isso é uma coisa que nunca vai acabar. É um espaço para o encontro com a magia, o encantamento, a ingenuidade. As pessoas se deparam com o elemento surpresa e com a adrenalina do espetáculo ao vivo”, explica Marlene.

Espetáculo - E quando as luzes se apagam e o palco é tomado pelos primeiros artistas, todo mundo na platéia se transforma. Impossível não sorrir com as brincadeiras do palhaço que, com apenas uma fita, transforma cinco convidados do público em um ringue de boxe.

Os trapezistas, que voam de um lado para o outro, fazem com que as cabeças de todos se movimentem numa espécie de dança ensaiada. Ao lado dos palhaços, o mágico também é um dos que mais chama a atenção. Ninguém, por mais atento que seja, é capaz de explicar como é que ele consegue se desamarrar e surgir na entrada do circo quando, diante dos olhos de todos, foi trancado com cadeado dentro de um baú.

Ou então como explicar as acrobacias aéreas com tecido? E a artista que se arrisca num aro de metal suspenso? Coisas que só quem gosta de circo pode entender.

Circo Spacial – espetáculo circense. Na av. dos Estados, altura do nº 4.700. Tel.: 4996-1507. Ingr.: R$ 15 (adulto); R$ 10 (criança); R$ 7 (estudantes e aposentados). Com o cupom publicado no Diário às quintas-feiras e aos domingos, R$ 7. Sessões quinta e sexta, às 20h30; sábado e domingo, às 16h, 18h e 20h30.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;