Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Governo contesta declarações da Igreja contra a camisinha


Do Diário OnLine

15/10/2003 | 18:49


O Ministério da Saúde divulgou nota oficial nesta quarta-feira para repudiar as dúvidas levantadas pelo comando da Igreja Católica sobre a eficácia dos preservativos como barreira à transmissão do vírus HIV. O documento do Ministério expõe dados científicos para rebater a alegação de que a camisinha não conseguiria conter o vírus da Aids – como afirma o Vaticano. "Não existe barreira mais segura ", sentencia a nota.

Confira a íntegra do documento

O Ministério da Saúde, através do Programa Nacional de DST e Aids, vem a público repudiar a atitude irresponsável do Vaticano e da ala conservadora da Igreja Católica, que mais uma vez, e sem nenhum respaldo científico, lançam dúvidas sobre a eficácia do preservativo como barreira à transmissão do HIV.

Na mesma semana em que a Unaids – órgão da ONU para as políticas de controle da Aids no mundo – divulga dados alarmantes sobre o crescimento da epidemia entre os jovens, informando que a cada 14 segundos um adolescente contrai o HIV, a Igreja presta um “desserviço” ao mundo afirmando que os poros do preservativo são maiores do que o vírus da Aids. MO< Essa argumentação da Igreja, em defesa da abstinência sexual como forma mais eficaz de se evitar a Aids, foi derrubada pela primeira vez em 1992, pelo National Institute of Health dos Estados Unidos. O instituto fez testes específicos para examinar a porosidade do látex usado na fabricação do preservativo, que foi ampliado duas mil vezes e observado com um microscópio eletrônico. Nenhum poro foi encontrado.

Outro estudo examinou as 40 marcas de preservativos comercializadas em todo o mundo, ampliando-as 30 mil vezes, mesma proporção que possibilita a visão do HIV. E nenhum poro foi encontrado. Portanto, o risco de o HIV passar por poros do preservativo é praticamente zero. Não existe barreira mais segura.

Estudo mais recente feito pela Universidade de Wiscosin (EUA) demonstra que o uso correto e sistemático do preservativo em todas as relações sexuais apresenta uma efetividade acima de 95% na prevenção à transmissão do vírus. O estudo concluiu que, mesmo usado de forma inconstante, o preservativo oferece 10 mil vezes mais proteção contra o vírus da Aids do que a não utilização do mesmo.

O estudo mais convincente sobre a efetividade do preservativo na prevenção da Aids foi feito pela cientista Isabelle de Vincenzi, do Centro de Estudos Europeu de Transmissão Heterossexual, em sete países europeus. O trabalho foi realizado com 124 casais em que um dos parceiros estava infectado pelo HIV e o outro não. Em 15 mil relações sexuais, tanto vaginais quanto anais, não houve nenhum caso de transmissão do HIV do homem para a mulher.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o uso do preservativo como “a única prática efetiva na defesa contra a Aids sexualmente transmitida”. Esse posicionamento foi ratificado em um documento oficial publicado na Internet em junho de 2000, onde a OMS reafirmou que o preservativo masculino é o único método que, comprovadamente, reduz o risco de todas as infecções sexualmente transmissíveis , inclusive o HIV.

Deixar de usar o preservativo porque ele supostamente não oferece uma segurança total seria o mesmo que defender a extinção de vacinas, porque elas também não imunizam 100% contra determinadas doenças. No entanto, sem elas a humanidade inteira já teria sido extinta. E é o que vai acontecer com a África, por exemplo, se políticas de prevenção e de tratamento não forem postas em prática imediatamente, para conter a transmissão do vírus da Aids, que já atinge, em alguns países, mais de 50% da população.

O papel da Igreja é agir no campo moral e religioso, mas não no científico. Ela não pode pôr em risco os avanços obtidos na luta contra a Aids, que não é uma tragédia ainda maior pelo estímulo ao uso consistente do preservativo nos países que executam políticas de saúde pública voltadas para a prevenção, e não somente para o tratamento. É o caso do Brasil, que vem conseguindo grandes sucessos no controle da epidemia e cujo modelo adotado é exemplo para o mundo.

Temos de lembrar que a vacina contra a Aids ainda está longe de ser descoberta. Não dá para propor abstinência sexual ao mundo enquanto isso não acontece. É preciso encarar sem nenhum preconceito ou juízo de valor a realidade do comportamento sexual das pessoas. Do contrário, qualquer instituição que fale contra o uso do preservativo como forma eficaz de prevenção deve assumir a responsabilidade de estar pondo em risco a sobrevivência da humanidade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Governo contesta declarações da Igreja contra a camisinha

Do Diário OnLine

15/10/2003 | 18:49


O Ministério da Saúde divulgou nota oficial nesta quarta-feira para repudiar as dúvidas levantadas pelo comando da Igreja Católica sobre a eficácia dos preservativos como barreira à transmissão do vírus HIV. O documento do Ministério expõe dados científicos para rebater a alegação de que a camisinha não conseguiria conter o vírus da Aids – como afirma o Vaticano. "Não existe barreira mais segura ", sentencia a nota.

Confira a íntegra do documento

O Ministério da Saúde, através do Programa Nacional de DST e Aids, vem a público repudiar a atitude irresponsável do Vaticano e da ala conservadora da Igreja Católica, que mais uma vez, e sem nenhum respaldo científico, lançam dúvidas sobre a eficácia do preservativo como barreira à transmissão do HIV.

Na mesma semana em que a Unaids – órgão da ONU para as políticas de controle da Aids no mundo – divulga dados alarmantes sobre o crescimento da epidemia entre os jovens, informando que a cada 14 segundos um adolescente contrai o HIV, a Igreja presta um “desserviço” ao mundo afirmando que os poros do preservativo são maiores do que o vírus da Aids. MO< Essa argumentação da Igreja, em defesa da abstinência sexual como forma mais eficaz de se evitar a Aids, foi derrubada pela primeira vez em 1992, pelo National Institute of Health dos Estados Unidos. O instituto fez testes específicos para examinar a porosidade do látex usado na fabricação do preservativo, que foi ampliado duas mil vezes e observado com um microscópio eletrônico. Nenhum poro foi encontrado.

Outro estudo examinou as 40 marcas de preservativos comercializadas em todo o mundo, ampliando-as 30 mil vezes, mesma proporção que possibilita a visão do HIV. E nenhum poro foi encontrado. Portanto, o risco de o HIV passar por poros do preservativo é praticamente zero. Não existe barreira mais segura.

Estudo mais recente feito pela Universidade de Wiscosin (EUA) demonstra que o uso correto e sistemático do preservativo em todas as relações sexuais apresenta uma efetividade acima de 95% na prevenção à transmissão do vírus. O estudo concluiu que, mesmo usado de forma inconstante, o preservativo oferece 10 mil vezes mais proteção contra o vírus da Aids do que a não utilização do mesmo.

O estudo mais convincente sobre a efetividade do preservativo na prevenção da Aids foi feito pela cientista Isabelle de Vincenzi, do Centro de Estudos Europeu de Transmissão Heterossexual, em sete países europeus. O trabalho foi realizado com 124 casais em que um dos parceiros estava infectado pelo HIV e o outro não. Em 15 mil relações sexuais, tanto vaginais quanto anais, não houve nenhum caso de transmissão do HIV do homem para a mulher.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o uso do preservativo como “a única prática efetiva na defesa contra a Aids sexualmente transmitida”. Esse posicionamento foi ratificado em um documento oficial publicado na Internet em junho de 2000, onde a OMS reafirmou que o preservativo masculino é o único método que, comprovadamente, reduz o risco de todas as infecções sexualmente transmissíveis , inclusive o HIV.

Deixar de usar o preservativo porque ele supostamente não oferece uma segurança total seria o mesmo que defender a extinção de vacinas, porque elas também não imunizam 100% contra determinadas doenças. No entanto, sem elas a humanidade inteira já teria sido extinta. E é o que vai acontecer com a África, por exemplo, se políticas de prevenção e de tratamento não forem postas em prática imediatamente, para conter a transmissão do vírus da Aids, que já atinge, em alguns países, mais de 50% da população.

O papel da Igreja é agir no campo moral e religioso, mas não no científico. Ela não pode pôr em risco os avanços obtidos na luta contra a Aids, que não é uma tragédia ainda maior pelo estímulo ao uso consistente do preservativo nos países que executam políticas de saúde pública voltadas para a prevenção, e não somente para o tratamento. É o caso do Brasil, que vem conseguindo grandes sucessos no controle da epidemia e cujo modelo adotado é exemplo para o mundo.

Temos de lembrar que a vacina contra a Aids ainda está longe de ser descoberta. Não dá para propor abstinência sexual ao mundo enquanto isso não acontece. É preciso encarar sem nenhum preconceito ou juízo de valor a realidade do comportamento sexual das pessoas. Do contrário, qualquer instituição que fale contra o uso do preservativo como forma eficaz de prevenção deve assumir a responsabilidade de estar pondo em risco a sobrevivência da humanidade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;