Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 3 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Corpo encontrado no Pará é da ativista do Greenpeace


Do Diário OnLine

15/12/2003 | 19:45


O Greenpeace confirmou na tarde desta segunda-feira que o corpo encontrado da Ilha do Capim, no Pará, é da ativista inglesa Emily Craddock, 27 anos. Ela estava a bordo do navio Arctic Sunrise, participando de uma expedição pela Amazônia, quando desapareceu, na última quinta-feira. Os outros tripulantes da embarcação acreditam que ela tenha se desequilibrado e caído na água.

Desde então, equipes de resgate realizavam buscas na região à procura da inglesa. O corpo de Emily foi encontrado na manhã desta segunda por moradores da Ilha do Capim e, à tarde, foi reconhecido por um ativista do Greenpeace enviado ao local.

A inglesa trabalhava como rádio-operadora do navio, denunciando crimes ambientais, em especial a extração ilegal de madeira. Ela trabalhava na expedição há pouco mais de quatro meses.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Corpo encontrado no Pará é da ativista do Greenpeace

Do Diário OnLine

15/12/2003 | 19:45


O Greenpeace confirmou na tarde desta segunda-feira que o corpo encontrado da Ilha do Capim, no Pará, é da ativista inglesa Emily Craddock, 27 anos. Ela estava a bordo do navio Arctic Sunrise, participando de uma expedição pela Amazônia, quando desapareceu, na última quinta-feira. Os outros tripulantes da embarcação acreditam que ela tenha se desequilibrado e caído na água.

Desde então, equipes de resgate realizavam buscas na região à procura da inglesa. O corpo de Emily foi encontrado na manhã desta segunda por moradores da Ilha do Capim e, à tarde, foi reconhecido por um ativista do Greenpeace enviado ao local.

A inglesa trabalhava como rádio-operadora do navio, denunciando crimes ambientais, em especial a extração ilegal de madeira. Ela trabalhava na expedição há pouco mais de quatro meses.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;