Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Morre Fadua Toukan, 'a poetisa palestina'


Da Agência EFE

14/12/2003 | 15:22


A poetisa Fadua Toukan morreu aos 86 anos, depois de permanecer em coma nos últimos dias, na cidade de Nablus, Cisjordânia, onde será realizado neste domingo um funeral público.

A morte de Toukan, que nasceu em 1917 em uma família rica e conservadora de Nablus, aconteceu após uma internação que se prolongou por oito meses.

Seus poemas se caracterizaram por sua apaixonada defesa dos direitos da mulher na sociedade palestina e árabe em geral e por seus protestos solidários ao seu povo e seu sofrimento sob a ocupação militar israelense depois da guerra de 1967.

A luta pelos direitos da mulher foi a partir de sua própria experiência como uma dos dez filhos de uma família ultraconservadora. Fadua costumava contar aos seus seguidores e amigos que, quando nasceu, seu pai lamentou que fosse menina.

A poetisa, que nunca se casou, descreveu em seu ciclo de poemas intimistas os obstáculos que enfrentou em sua evolução intelectual, entre eles a proibição paterna de estudar na Universidade como um de seus irmãos, também poeta.

Toukan, cujas obras foram traduzidas para o inglês e o pársi, protagonizou pouco depois da conquista da Cisjordânia por Israel em 1967 um famoso incidente por descrever em um de seus poemas contestadores um palestino que "comia o fígado" do então ministro da Defesa israelense, general Moshé Dayan.

Um de seus grandes admiradores, o presidente palestino, Yasser Arafat, não irá ao enterro por se encontrar confinado em seus escritórios da sede do Governo de Ramala, a Mukata.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morre Fadua Toukan, 'a poetisa palestina'

Da Agência EFE

14/12/2003 | 15:22


A poetisa Fadua Toukan morreu aos 86 anos, depois de permanecer em coma nos últimos dias, na cidade de Nablus, Cisjordânia, onde será realizado neste domingo um funeral público.

A morte de Toukan, que nasceu em 1917 em uma família rica e conservadora de Nablus, aconteceu após uma internação que se prolongou por oito meses.

Seus poemas se caracterizaram por sua apaixonada defesa dos direitos da mulher na sociedade palestina e árabe em geral e por seus protestos solidários ao seu povo e seu sofrimento sob a ocupação militar israelense depois da guerra de 1967.

A luta pelos direitos da mulher foi a partir de sua própria experiência como uma dos dez filhos de uma família ultraconservadora. Fadua costumava contar aos seus seguidores e amigos que, quando nasceu, seu pai lamentou que fosse menina.

A poetisa, que nunca se casou, descreveu em seu ciclo de poemas intimistas os obstáculos que enfrentou em sua evolução intelectual, entre eles a proibição paterna de estudar na Universidade como um de seus irmãos, também poeta.

Toukan, cujas obras foram traduzidas para o inglês e o pársi, protagonizou pouco depois da conquista da Cisjordânia por Israel em 1967 um famoso incidente por descrever em um de seus poemas contestadores um palestino que "comia o fígado" do então ministro da Defesa israelense, general Moshé Dayan.

Um de seus grandes admiradores, o presidente palestino, Yasser Arafat, não irá ao enterro por se encontrar confinado em seus escritórios da sede do Governo de Ramala, a Mukata.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;