Fechar
Publicidade

Domingo, 12 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

China condena 14 pessoas por participarem de orgia


Do Diário OnLine
Com Agências

17/12/2003 | 11:34


A justiça chinesa condenou dois funcionários de um hotel chinês à prisão perpétua por terem organizado uma orgia sexual envolvendo centenas de turistas japoneses. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira por fontes oficiais.

Já os outros doze chineses pegaram penas que variam de dois a 15 anos de prisão. O julgamento foi iniciado na sexta-feira passada, dia 12, em um tribunal da cidade de Zhuhai.

Aparentemente, as autoridades chinesas também têm intenção de iniciar ações judiciais contra três cidadãos japoneses que poderiam estar envolvidos na orgia, que durou três dias com a participação de mais de 500 prostitutas.

A festa aconteceu entre 16 e 18 de setembro no Hotel Conference de Zhuhai, um dos mais luxuosos desta cidade próxima à ex-colônia portuguesa de Macau. Aparentemente, a viagem para Zhuhai foi organizada por uma companhia de construção japonesa estabelecida na cidade de Osaka, onde estavam empregados a maioria dos participantes na orgia.

O caso despertou uma onda de indignação na China devido à coincidência da orgia com o aniversário da invasão da China pelo Exército Imperial do Japão, em 18 de setembro de 1931.

O Governo chinês qualificou de "extremamente odioso" o comportamento dos turistas nipônicos e inclusive pediu às autoridades deste país que melhorassem "a educação de seus cidadãos".

Além da coincidência com uma das maiores tragédias da história chinesa contemporânea, as autoridades do país acusam os japoneses, sul-coreanos e cidadãos de Hong Kong de converter o sul da China em um centro de "turismo sexual". Por sua vez, os meios oficiais também criticaram que os turistas tenham encontrado 500 prostitutas numa cidade chinesa, onde a prostituição está teoricamente proibida.

Segundo os arquivos históricos chineses, soldados japoneses utilizaram nos anos 30 e 40 milhares de mulheres chinesas como escravas sexuais. Por outro lado, Tóquio não só negou ter cometido tais atrocidades - que incluem utilizar camponeses chineses como cobaias na experimentação de agentes químicos-, como sempre se opôs a indenizar as vítimas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

China condena 14 pessoas por participarem de orgia

Do Diário OnLine
Com Agências

17/12/2003 | 11:34


A justiça chinesa condenou dois funcionários de um hotel chinês à prisão perpétua por terem organizado uma orgia sexual envolvendo centenas de turistas japoneses. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira por fontes oficiais.

Já os outros doze chineses pegaram penas que variam de dois a 15 anos de prisão. O julgamento foi iniciado na sexta-feira passada, dia 12, em um tribunal da cidade de Zhuhai.

Aparentemente, as autoridades chinesas também têm intenção de iniciar ações judiciais contra três cidadãos japoneses que poderiam estar envolvidos na orgia, que durou três dias com a participação de mais de 500 prostitutas.

A festa aconteceu entre 16 e 18 de setembro no Hotel Conference de Zhuhai, um dos mais luxuosos desta cidade próxima à ex-colônia portuguesa de Macau. Aparentemente, a viagem para Zhuhai foi organizada por uma companhia de construção japonesa estabelecida na cidade de Osaka, onde estavam empregados a maioria dos participantes na orgia.

O caso despertou uma onda de indignação na China devido à coincidência da orgia com o aniversário da invasão da China pelo Exército Imperial do Japão, em 18 de setembro de 1931.

O Governo chinês qualificou de "extremamente odioso" o comportamento dos turistas nipônicos e inclusive pediu às autoridades deste país que melhorassem "a educação de seus cidadãos".

Além da coincidência com uma das maiores tragédias da história chinesa contemporânea, as autoridades do país acusam os japoneses, sul-coreanos e cidadãos de Hong Kong de converter o sul da China em um centro de "turismo sexual". Por sua vez, os meios oficiais também criticaram que os turistas tenham encontrado 500 prostitutas numa cidade chinesa, onde a prostituição está teoricamente proibida.

Segundo os arquivos históricos chineses, soldados japoneses utilizaram nos anos 30 e 40 milhares de mulheres chinesas como escravas sexuais. Por outro lado, Tóquio não só negou ter cometido tais atrocidades - que incluem utilizar camponeses chineses como cobaias na experimentação de agentes químicos-, como sempre se opôs a indenizar as vítimas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;