Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Editora da região
foca na música

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Editor e tradutor, Marcelo Viegas fala do processo
de trabalho e pesquisa para lançar livro sobre música


Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

30/06/2013 | 07:00


Quem é que nunca quis ler a respeito de um determinado assunto, se aprofundar mais, só que o livro – que já existia no Exterior – dificilmente ganharia versão em português? O pessoal da editora de São Bernardo Ideal Edições sim. E esse foi um dos motivos para que agora o público tenha acesso ao registro O Reino Sangrento do Slayer (368 págs, R$ 54,90 em média).

A empreitada, que chega às lojas em capa dura e trata de uma das bandas mais conhecidas e importantes do cenário thrash metal, é assinada pelo britânico Joel McIver, autor de mais de 22 livros. Mas a versão brasileira, lançada originalmente no ano passado, alcança agora a segunda edição e ganha capa dura e novo projeto gráfico, além de revisão na tradução. Trabalho esse assinado pelo editor e tradutor da região Marcelo Viegas.

Figura que já foi homem de frente da banda de stoner rock Asterdön e fanzineiro nos anos 1990, Viegas conta que o que acontece quando se pensa em trabalhar em um livro como esse “é a busca de um equilíbrio entre comercial e editorial. Queremos lançar livros que gostaríamos de ler, mas também precisamos ter um potencial de mercado. Então, esse é o desafio”, diz.

Ele conta ainda que tão importante quanto isso é a pesquisa que tem de ser feita para se ter conhecimento dos títulos que já foram editados no Brasil a respeito do mesmo assunto. “No caso do Slayer foi relativamente fácil: não havia nenhum título nacional sobre a banda. E, cá entre nós, o Slayer é uma instituição do metal e os fãs realmente mereciam ter acesso a esse livro em língua portuguesa”, afirma.

Independente, a editora tem como nicho o mercado musical. Além do Slayer, já disponibilizaram biografias do Dave Grohl, do Rage Against The Machine e do blink-182. Viegas conta que o mercado para livros de música nunca esteve tão aquecido no País. “O Brasil viveu muitos anos de vacas magras nesse setor, anos que acompanhei como leitor/consumidor, e sei bem como éramos carentes de bons títulos relacionados ao universo musical”, diz.

Trabalhar com isso exige muita dedicação e paciência. E sim, um vasto trabalho de confirmação de dados. Não é apenas verter de uma língua para outra. “Certas coisas precisaram ser contextualizadas através de notas de rodapé. Por exemplo, quando apareceu no texto algum costume norte-americano, ou então alguma referência a um programa de TV, ou estação de rádio”, diz.

Além disso, há aqueles momentos em que a tradução apenas não basta. “Na verdade, certas construções não fazem muito sentido no português, e aí o trabalho do tradutor é encontrar a adaptação mais adequada, para não descaracterizar o estilo do autor, e ao mesmo tempo garantir que aquele trecho seja inteligível na língua portuguesa”, revela.

O livro traz grandes curiosidades. Fala dos lançamentos dos discos, de brigas com outros grupos e dramas, como a morte da filha do cantor Tom Araya. “Aprendi muito, e todos que tiverem a oportunidade de ler o livro também descobrirão coisas interessantes”. Entre os próximos títulos a serem lançados estão Na Estrada com os Ramones, Dance Of Days – Duas Décadas de Punk na Capital dos EUA e também livro que conta a história do heavy metal.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Editora da região
foca na música

Editor e tradutor, Marcelo Viegas fala do processo
de trabalho e pesquisa para lançar livro sobre música

Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

30/06/2013 | 07:00


Quem é que nunca quis ler a respeito de um determinado assunto, se aprofundar mais, só que o livro – que já existia no Exterior – dificilmente ganharia versão em português? O pessoal da editora de São Bernardo Ideal Edições sim. E esse foi um dos motivos para que agora o público tenha acesso ao registro O Reino Sangrento do Slayer (368 págs, R$ 54,90 em média).

A empreitada, que chega às lojas em capa dura e trata de uma das bandas mais conhecidas e importantes do cenário thrash metal, é assinada pelo britânico Joel McIver, autor de mais de 22 livros. Mas a versão brasileira, lançada originalmente no ano passado, alcança agora a segunda edição e ganha capa dura e novo projeto gráfico, além de revisão na tradução. Trabalho esse assinado pelo editor e tradutor da região Marcelo Viegas.

Figura que já foi homem de frente da banda de stoner rock Asterdön e fanzineiro nos anos 1990, Viegas conta que o que acontece quando se pensa em trabalhar em um livro como esse “é a busca de um equilíbrio entre comercial e editorial. Queremos lançar livros que gostaríamos de ler, mas também precisamos ter um potencial de mercado. Então, esse é o desafio”, diz.

Ele conta ainda que tão importante quanto isso é a pesquisa que tem de ser feita para se ter conhecimento dos títulos que já foram editados no Brasil a respeito do mesmo assunto. “No caso do Slayer foi relativamente fácil: não havia nenhum título nacional sobre a banda. E, cá entre nós, o Slayer é uma instituição do metal e os fãs realmente mereciam ter acesso a esse livro em língua portuguesa”, afirma.

Independente, a editora tem como nicho o mercado musical. Além do Slayer, já disponibilizaram biografias do Dave Grohl, do Rage Against The Machine e do blink-182. Viegas conta que o mercado para livros de música nunca esteve tão aquecido no País. “O Brasil viveu muitos anos de vacas magras nesse setor, anos que acompanhei como leitor/consumidor, e sei bem como éramos carentes de bons títulos relacionados ao universo musical”, diz.

Trabalhar com isso exige muita dedicação e paciência. E sim, um vasto trabalho de confirmação de dados. Não é apenas verter de uma língua para outra. “Certas coisas precisaram ser contextualizadas através de notas de rodapé. Por exemplo, quando apareceu no texto algum costume norte-americano, ou então alguma referência a um programa de TV, ou estação de rádio”, diz.

Além disso, há aqueles momentos em que a tradução apenas não basta. “Na verdade, certas construções não fazem muito sentido no português, e aí o trabalho do tradutor é encontrar a adaptação mais adequada, para não descaracterizar o estilo do autor, e ao mesmo tempo garantir que aquele trecho seja inteligível na língua portuguesa”, revela.

O livro traz grandes curiosidades. Fala dos lançamentos dos discos, de brigas com outros grupos e dramas, como a morte da filha do cantor Tom Araya. “Aprendi muito, e todos que tiverem a oportunidade de ler o livro também descobrirão coisas interessantes”. Entre os próximos títulos a serem lançados estão Na Estrada com os Ramones, Dance Of Days – Duas Décadas de Punk na Capital dos EUA e também livro que conta a história do heavy metal.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;