Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Tribunal ordena retorno de Roger Abdelmassih para a prisão

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Desembargador entendeu que a pandemia é insuficiente para justificar a alteração do regime de prisão



29/08/2020 | 07:26


O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou nesta sexta-feira, 28, que o ex-médico Roger Abdelmassih retorne à prisão para cumprir a pena de 173 anos decorrentes de condenações por 49 crimes sexuais. Ele havia sido liberado para cumprir a pena em casa em abril diante da alegação de que integra o grupo de risco e estava suscetível à infecção pelo novo coronavírus.

Em julgamento da 6ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP, o desembargador José Raul Gavião de Almeida entendeu que a pandemia é insuficiente para justificar a alteração do regime de prisão. "Quanto à prisão domiciliar de natureza humanitária, que estaria autorizada pela pandemia do coronavírus, este fenômeno não acarreta o automático e imediato esvaziamento dos cárceres", escreveu na decisão, que foi seguida pela Câmara.

A defesa do ex-médico havia alegado que a idade (76 anos) e o quadro de doenças crônicas o colocavam em especial risco diante da pandemia. O pedido foi atendido pela Vara de Execuções Penais de Taubaté e ele deixou a penitenciária de Tremembé. O Ministério Público entrou com recurso contra a prisão domiciliar, que foi julgado nesta sexta-feira.

O desembargador lembrou a gravidade dos crimes cometidos por Abdelmassih, que ele já simulou um quadro de enfermidade anterior e que há inconsistência na informação de que ele ficaria melhor em casa do que no hospital penitenciário. "Diante desse quadro e da ausência de recomendação do médico oficial, no sentido de que o agravante não possa ser tratado no estabelecimento hospitalar penal, tem-se por indemonstrada a necessidade da prisão domiciliar", escreveu Almeida.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tribunal ordena retorno de Roger Abdelmassih para a prisão

Desembargador entendeu que a pandemia é insuficiente para justificar a alteração do regime de prisão


29/08/2020 | 07:26


O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou nesta sexta-feira, 28, que o ex-médico Roger Abdelmassih retorne à prisão para cumprir a pena de 173 anos decorrentes de condenações por 49 crimes sexuais. Ele havia sido liberado para cumprir a pena em casa em abril diante da alegação de que integra o grupo de risco e estava suscetível à infecção pelo novo coronavírus.

Em julgamento da 6ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP, o desembargador José Raul Gavião de Almeida entendeu que a pandemia é insuficiente para justificar a alteração do regime de prisão. "Quanto à prisão domiciliar de natureza humanitária, que estaria autorizada pela pandemia do coronavírus, este fenômeno não acarreta o automático e imediato esvaziamento dos cárceres", escreveu na decisão, que foi seguida pela Câmara.

A defesa do ex-médico havia alegado que a idade (76 anos) e o quadro de doenças crônicas o colocavam em especial risco diante da pandemia. O pedido foi atendido pela Vara de Execuções Penais de Taubaté e ele deixou a penitenciária de Tremembé. O Ministério Público entrou com recurso contra a prisão domiciliar, que foi julgado nesta sexta-feira.

O desembargador lembrou a gravidade dos crimes cometidos por Abdelmassih, que ele já simulou um quadro de enfermidade anterior e que há inconsistência na informação de que ele ficaria melhor em casa do que no hospital penitenciário. "Diante desse quadro e da ausência de recomendação do médico oficial, no sentido de que o agravante não possa ser tratado no estabelecimento hospitalar penal, tem-se por indemonstrada a necessidade da prisão domiciliar", escreveu Almeida.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;