Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Procura por tratamento para abandonar o fumo tem alta na região

Nario Barbosa  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Riscos do tabaco, cujo dia mundial de alerta é celebrado hoje, motivam rejeição ao vício


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

31/05/2018 | 07:00


A busca por tratamento contra o fumo na rede pública de Saúde registrou aumento em duas cidades da região – Santo André e São Bernardo – na comparação entre 2016 e 2017. De 1.583 atendimentos, passaram para 1.860 (elevação de 17,5%) no período.
Hoje, no Dia Mundial sem Tabaco, fica o alerta sobre os riscos do fumo, já que o uso da substância está relacionado a mais de 50 doenças.

A Prefeitura de Ribeirão Pires afirmou que não possui programa contra tabagismo, mas o processo de implantação está em fase de cadastro junto à Assistência Farmacêutica da Secretaria de Saúde do Estado. As demais cidades não informaram se contam com o serviço.

Na avaliação do professor responsável pela disciplina de Pneumologia da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC) Elie Fiss, a tendência é que a adesão de pessoas ao tratamentos contra o fumo continue aumentando. “Há cada vez mais conscientização dos malefícios do tabaco. Campanhas ocorrem todos os anos. Tem a lei que restringe a área de fumantes. Isso contribui bastante”, lista. “Outro fator importante é que a própria comunidade médica começou a olhar o tabagismo como doença a ser tratada, além do surgimento de medicamentos”, completa.

Em Santo André, o acréscimo na procura pela iniciativa, ofertada nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e no Caps AD (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas), foi de 34,2% no último ano. Na ação, é realizado acompanhamento semanal por quatro semanas; quinzenal e mensal, durante três meses. Após este período acontecem encontros a cada 30 dias por meio de grupos abertos. Atualmente, há 315 pessoas em acompanhamento e não há fila de espera.

Fumante desde os 18 anos, a agente de Saúde Kelly Cristina Costa, 46 anos, está em tratamento há um mês, na UBS Parque Miami. “Comecei a fumar porque achava bonito”, conta.

Além do suporte dado pela equipe que a acompanha, Kelly utiliza medicamentos para deixar o vício. Ela relata que logo na primeira semana sentiu mudanças. “A gente sente o cigarro ruim e sinto menos ansiedade para fumar. Eu fumava quase um maço por dia, agora só a metade. Quando parar, terei qualidade de vida. A dependência do cigarro é muito ruim.”

Em São Bernardo, onde o aumento pelo tratamento foi de 15,3% (de 1.402 atendimentos passou para 1.617), o serviço ocorre nas UBSs, de maneira semelhante à de Santo André. Se o paciente apresenta impossibilidade de participar das reuniões, o atendimento também pode ser realizado individualmente. A cidade possui 510 pessoas em tratamento. Segundo a Prefeitura, o tempo médio para participar do programa é de três meses, mas as UBSs que realizam dois grupos por trimestre não costumam ter fila de espera.


No Brasil, 12,6% das mortes anuais são causadas em razão do tabagismo

Estudo realizado com o apoio do Inca (Instituto Nacional de Câncer), em 2017, mostra que 428 pessoas morrem por dia no Brasil por causa do tabagismo (12,6% das mortes anuais no País) e R$ 56,9 bilhões são perdidos a cada ano em razão de despesas médicas e perda de produtividade. Naquele ano, 73,5 mil pessoas foram diagnosticadas com câncer provocado pelo tabagismo.
Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o tabaco mata, todos os anos, mais de 7 milhões de pessoas no mundo; destas, 890 mil são fumantes passivos (aqueles que convivem com quem fuma). Atualmente, o tabagismo é a principal causa de morte evitável.

O estudo aponta ainda que uma das medidas mais efetivas para controlar o consumo de cigarros seria aumentar o preço do produto em 50%. Se assim fosse, a análise pontua que, em uma década, seria possível evitar 136.482 mortes, 507.451 infartos agudos do miocárdio e eventos cardíacos, 100.365 AVCs (Acidentes Vasculares Cerebrais) e 64.383 novos cânceres.
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;