Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Sétima arte em 200 páginas

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Obra de Celso Sabadin traça história do cinema mundial


Daniela Pegoraro

31/05/2018 | 07:00


“Dizem as enciclopédias que o cinema foi inventado pelos irmãos Lumière em 28 de dezembro de 1895, mas a rigor não é possível determinar um dia exato, nem mesmo uma única paternidade para essa invenção.” A frase mostra como o crítico cinematográfico Celso Sabadin desbrava a trajetória da sétima arte desde os seus primórdios em A História do Cinema Para Quem Tem Pressa (Editora Valentina), com versão física (R$ 34,90, em média) e em e-book (R$ 26,90, em média). A ideia partiu do próprio autor, que se deparou com a coleção Para Quem Tem Pressa em uma livraria do aeroporto e se interessou. “Como dou aula de história do cinema, propus o tema para a editora”, relembra Sabadin em entrevista ao Diário.

Mais do que apresentar filmes a quem se interessa pela arte, a obra tem como foco a questão da contextualização histórica e política. E apresentar cerca de 120 anos de cinema em apenas 200 páginas foi um desafio. “Me senti como se estivesse dando uma festa: queria convidar a todos, mas não dava. Procurei priorizar o processo pelo qual a sétima arte passou e o que foi essencial quando falamos do cinema mundial ”, conta o autor. No livro, fases importantes são trazidas ao leitor, como o expressionismo alemão e francês, o neorrealismo italiano, a história do cinema brasileiro, das animações e da contracultura.

Inclusive, como um dos marcos que não podiam ser deixados de lado, está a Companhia Cinematográfica Vera Cruz. Fundada em 1949, em São Bernardo, foi responsável pela produção de grandes filmes do cinema no Brasil, como O Cangaceiro (1953), que, dirigido por Lima Barreto, foi vencedor de melhor filme de aventura no Festival de Cannes.

“Vera Cruz foi a experiência certa, mas que veio no momento errado. Pela concorrência com a televisão na época, os grandes estúdios estavam fechando suas portas”, explica Sabadin. Como produtora, suas atividades se encerraram em 1954. Hoje, a empresa ainda atua como detentora e administradora de seu acervo cinematográfico.

O autor ainda acrescenta que o cinema, apesar de ser uma arte com história recente, tem muito assunto a ser abordado. “Todo dia a gente descobre coisas novas. Na pesquisa para o livro, por exemplo, aprendi sobre os mecanismos de produção da Nigéria e a distribuição do cinema na China”, revela. Além disso, Sabadin tem projetos que guarda para o futuro, como um livro finalizado sobre os filmes de Mazzaropi e a possibilidade de escrever mais a fundo sobre o cinema brasileiro.

Quanto à ‘pressa’ em que a sociedade vive hoje, o autor explica que existe impacto sobre a sétima arte. “Não é que as pessoas deixaram de ver filmes, mas estão optando por assisti-los em casa. É uma pena, porque ir ao cinema não é apenas sobre ver um longa em tela grande, mas sim um ato a ser feito comunitariamente”, conclui Sabadin.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;