Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 15 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Professores da Metodista mantêm estado de greve

Sindicato pede que a instituição de ensino volte a pagar integralmente salários mensais


Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

05/03/2021 | 07:00


Após uma semana parados, os professores da Universidade Metodista de São Paulo e do Colégio Metodista, ambos em São Bernardo, decidiram manter o estado de greve. Os docentes pleiteiam que a instituição pague os salários integralmente, uma vez que, desde o ano passado, passou a quitar entre 50% e 60% das remunerações ao mês.

Em assembleia realizada no fim da tarde de ontem, a presidente do Sinpro ABC (Sindicato dos Professores do ABC), Edilene Arjoni, informou que a Metodista não mandou nova proposta para possível acordo. “É profundo desrespeito (com a categoria). A instituição deixou os professores à própria sorte, profunda falta de educação.”

Na semana passada, segundo o Sinpro, havia cerca de 300 educadores em greve. Hoje, ainda de acordo com o sindicato, não há como estimar a quantidade. “Estamos falando de uma greve virtual, ou seja, não conseguimos ter certeza se estão parados efetivamente. Essa realidade é muito diferente da greve presencial, onde é possível ir à sala dos professores e manter conversas com o alunado”, explica Edilene. A categoria já conseguiu documento em apoio à greve com mais de 1.000 assinaturas.

A situação financeira crítica não é de agora, segundo a entidade sindical, e começou há cerca de cinco anos, quando a instituição passou a atrasar o depósito do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), 13º salário e 1/3 das férias.

Questionada, a Metodista informou, por meio de nota, que tem buscado manter diálogo constante com seus colaboradores e sindicato para resolver, de maneira justa e amistosa, questões institucionais. “Recebemos positivamente a notícia do fim da paralisação de uma pequena parte dos docentes nesta quinta-feira (ontem), após a assembleia com o sindicato e reafirmamos que a Metodista segue seu compromisso em manter a transparência com seus colaboradores. A instituição apresentará, em breve, o plano de retomada do crescimento, focando na expansão na região. Acreditamos na possibilidade de tornar a nossa marca ainda mais forte no (Grande) ABC, mesmo em um momento de pandemia.”

A instituição diz ainda que a diretoria que assumiu a gestão no fim de 2020 “continuará dialogando com a comunidade acadêmica, em busca de sugestões e compartilhando as estratégias”.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Professores da Metodista mantêm estado de greve

Sindicato pede que a instituição de ensino volte a pagar integralmente salários mensais

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

05/03/2021 | 07:00


Após uma semana parados, os professores da Universidade Metodista de São Paulo e do Colégio Metodista, ambos em São Bernardo, decidiram manter o estado de greve. Os docentes pleiteiam que a instituição pague os salários integralmente, uma vez que, desde o ano passado, passou a quitar entre 50% e 60% das remunerações ao mês.

Em assembleia realizada no fim da tarde de ontem, a presidente do Sinpro ABC (Sindicato dos Professores do ABC), Edilene Arjoni, informou que a Metodista não mandou nova proposta para possível acordo. “É profundo desrespeito (com a categoria). A instituição deixou os professores à própria sorte, profunda falta de educação.”

Na semana passada, segundo o Sinpro, havia cerca de 300 educadores em greve. Hoje, ainda de acordo com o sindicato, não há como estimar a quantidade. “Estamos falando de uma greve virtual, ou seja, não conseguimos ter certeza se estão parados efetivamente. Essa realidade é muito diferente da greve presencial, onde é possível ir à sala dos professores e manter conversas com o alunado”, explica Edilene. A categoria já conseguiu documento em apoio à greve com mais de 1.000 assinaturas.

A situação financeira crítica não é de agora, segundo a entidade sindical, e começou há cerca de cinco anos, quando a instituição passou a atrasar o depósito do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), 13º salário e 1/3 das férias.

Questionada, a Metodista informou, por meio de nota, que tem buscado manter diálogo constante com seus colaboradores e sindicato para resolver, de maneira justa e amistosa, questões institucionais. “Recebemos positivamente a notícia do fim da paralisação de uma pequena parte dos docentes nesta quinta-feira (ontem), após a assembleia com o sindicato e reafirmamos que a Metodista segue seu compromisso em manter a transparência com seus colaboradores. A instituição apresentará, em breve, o plano de retomada do crescimento, focando na expansão na região. Acreditamos na possibilidade de tornar a nossa marca ainda mais forte no (Grande) ABC, mesmo em um momento de pandemia.”

A instituição diz ainda que a diretoria que assumiu a gestão no fim de 2020 “continuará dialogando com a comunidade acadêmica, em busca de sugestões e compartilhando as estratégias”.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;