Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Produçao de alimentos mantém alta há um ano


Do Diário do Grande ABC

28/06/2000 | 00:11


Há um ano a indústria alimentícia sustenta aquecimento na produçao. Só em maio a produçao do setor subiu 1,4% em relaçao a abril, registrando ligeira queda de 1,3% sobre idêntico mês do ano anterior. Os primeiros cinco meses do ano encerram com salto de 6,3% enquanto os últimos doze meses acumulam alta de 5,7%. "A acomodaçao já era esperada em maio, considerando-se os constantes aumentos expressivos", afirma Dênis Ribeiro, economista da Associaçao Brasileira da Indústrias Alimentícias (Abia).

Trata-se de uma acomodaçao, de fato, tendo em vista que o crescimento do setor vem se dando sobre bases altas. Desde junho de 1999 a indústria alimentícia vem numa curva ascendente superando a expectativa mês a mês. Para se ter uma idéia, janeiro abriu com acréscimo nunca antes visto: 8,1%. Pela primeira vez na história o segmento bateu recorde em fevereiro com taxa de 32% e encerrou março mantendo a casa dos dois dígitos: subiu mais 11,3%.

No mês seguinte, embora com resultados mais tímidos, manteve alta de 2% sobre abril de 1999 e caiu 12,5% sobre março, o que já era esperado diante de números tao exuberantes. "A tendência de alta persiste", afirma Ribeiro.

O bom andamento dos negócios, muito mais cedo que no ano passado, obrigou a Abia a refazer para cima os cálculos previstos para 2000. A princípio, a projeçao era crescer entre 3, 5% e 4,5% e o faturamento de US$ 74,6 bilhoes seguiria o mesmo patamar.

Favoráveis - Fatores favoráveis como estimativa de crescimento do PIB de 4%, explica Ribeiro, permitiu à entidade quase dobrar o índice estimado em janeiro. "O semestre deverá acumular aumento de até 10% e o ano tende encerrar na casa dos 7%", aposta.

Este é um ano atípico e os números têm comprovado. A produçao física, que em janeiro é historicamente baixa, contabilizou aumento sustentado de 8,1%. A indústria normalmente registra resultados negativos em fevereiro ou ligeiras altas que nao ultrapassam 1%. Neste ano, ao contrário, todas expectativas de mercado caíram por terra e o volume físico, bateu nos 32% sobre idêntico período de 1999. Desde a implantaçao do Plano Real, há seis anos, o setor desconhecia taxas desta grandeza.

Os bons frutos colhidos pela indústria nao pararam aí. O volume dos últimos doze meses deu mais um salto quando relacionado ao contabilizado no período imediatamente anterior: acréscimo de 5,7%.

Juros baixos e inflaçao sob controle, associados ao maior volume de crédito injetado na economia, na opiniao de Ribeiro, sao fatores preponderantes nos resultados da indústria.

A tendência de alta na produçao teve início em meados de junho de 1999, quando o setor registrou os primeiros sinais de reaçao. No começo do mês de janeiro do ano passado, a Abia trabalhava com a estimativa de crescer 0,1% ou cair 0,5% e acabou fechando o ano com alta de 4,5%.

Setores - A entidade ainda nao compilou os dados que apontam quais setores da indústria alimentícia que mais se destacaram no período. O último resultado - acumulado do quadrimestre - mostra que o segmento de proteína animal foi campeao, com incremento de 15,9%.

A Perdigao, 2ª no ranking de carnes, vê os negócios deslancharem. "A produçao do semestre deverá fechar com acréscimo de 10% sobre os primeiros seis meses do ano passado", afirma Antonio Zambelli, diretor de marketing.

A vice-liderança foi conquistada pela área de chocolates, cacau e balas: 14,4%. Laticínios vêm em terceiro lugar: cresceu 9,5%.

A Laticom com 10 unidades fabris nos Estados do Mato Grosso, Sao Paulo e Minas Gerais, dona das marcas Skandia, Polenghi, Quatá, é a 2ª no ranking nacional. De acordo com Sidney Zanasi, gerente de vendas, os negócios vêm crescendo a cada ano. "A produçao deverá ficar 48% acima do ano passado e o faturamento terá créscimo de 42%", estima.

Fábio Scarcelli, presidente da Associaçao Brasileira da Indústria de Queijos (Abiq), afirma que o setor produziu no ano passado 455 mil toneladas de queijo e gerou uma receita da ordem de R$ 2,1 bilhoes. "Para 2000 a projeçao é manter o crescimento de 3% na produçao e faturamento", prevê.

Desidratados e congelados cresceram 3,5% enquanto óleos e gorduras subiram 2,8% e massas 0,7%. Conservas e vegetais, ao contrário, tiveram a produçao encolhida registrando queda acentuada de 13%. A produçao de biscoitos, mostra a pesquisa da Abia, ficou negativa 1,6%.

Empregos - Nos primeiros cinco meses, ressalta Ribeiro, a indústria alimentícia gerou 2.250 novos postos de trabalho fechando a folha de pagamentos com 763.500 empregados, ante 750 mil em dezembro de 1999. A Abia congrega 250 indústrias.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Produçao de alimentos mantém alta há um ano

Do Diário do Grande ABC

28/06/2000 | 00:11


Há um ano a indústria alimentícia sustenta aquecimento na produçao. Só em maio a produçao do setor subiu 1,4% em relaçao a abril, registrando ligeira queda de 1,3% sobre idêntico mês do ano anterior. Os primeiros cinco meses do ano encerram com salto de 6,3% enquanto os últimos doze meses acumulam alta de 5,7%. "A acomodaçao já era esperada em maio, considerando-se os constantes aumentos expressivos", afirma Dênis Ribeiro, economista da Associaçao Brasileira da Indústrias Alimentícias (Abia).

Trata-se de uma acomodaçao, de fato, tendo em vista que o crescimento do setor vem se dando sobre bases altas. Desde junho de 1999 a indústria alimentícia vem numa curva ascendente superando a expectativa mês a mês. Para se ter uma idéia, janeiro abriu com acréscimo nunca antes visto: 8,1%. Pela primeira vez na história o segmento bateu recorde em fevereiro com taxa de 32% e encerrou março mantendo a casa dos dois dígitos: subiu mais 11,3%.

No mês seguinte, embora com resultados mais tímidos, manteve alta de 2% sobre abril de 1999 e caiu 12,5% sobre março, o que já era esperado diante de números tao exuberantes. "A tendência de alta persiste", afirma Ribeiro.

O bom andamento dos negócios, muito mais cedo que no ano passado, obrigou a Abia a refazer para cima os cálculos previstos para 2000. A princípio, a projeçao era crescer entre 3, 5% e 4,5% e o faturamento de US$ 74,6 bilhoes seguiria o mesmo patamar.

Favoráveis - Fatores favoráveis como estimativa de crescimento do PIB de 4%, explica Ribeiro, permitiu à entidade quase dobrar o índice estimado em janeiro. "O semestre deverá acumular aumento de até 10% e o ano tende encerrar na casa dos 7%", aposta.

Este é um ano atípico e os números têm comprovado. A produçao física, que em janeiro é historicamente baixa, contabilizou aumento sustentado de 8,1%. A indústria normalmente registra resultados negativos em fevereiro ou ligeiras altas que nao ultrapassam 1%. Neste ano, ao contrário, todas expectativas de mercado caíram por terra e o volume físico, bateu nos 32% sobre idêntico período de 1999. Desde a implantaçao do Plano Real, há seis anos, o setor desconhecia taxas desta grandeza.

Os bons frutos colhidos pela indústria nao pararam aí. O volume dos últimos doze meses deu mais um salto quando relacionado ao contabilizado no período imediatamente anterior: acréscimo de 5,7%.

Juros baixos e inflaçao sob controle, associados ao maior volume de crédito injetado na economia, na opiniao de Ribeiro, sao fatores preponderantes nos resultados da indústria.

A tendência de alta na produçao teve início em meados de junho de 1999, quando o setor registrou os primeiros sinais de reaçao. No começo do mês de janeiro do ano passado, a Abia trabalhava com a estimativa de crescer 0,1% ou cair 0,5% e acabou fechando o ano com alta de 4,5%.

Setores - A entidade ainda nao compilou os dados que apontam quais setores da indústria alimentícia que mais se destacaram no período. O último resultado - acumulado do quadrimestre - mostra que o segmento de proteína animal foi campeao, com incremento de 15,9%.

A Perdigao, 2ª no ranking de carnes, vê os negócios deslancharem. "A produçao do semestre deverá fechar com acréscimo de 10% sobre os primeiros seis meses do ano passado", afirma Antonio Zambelli, diretor de marketing.

A vice-liderança foi conquistada pela área de chocolates, cacau e balas: 14,4%. Laticínios vêm em terceiro lugar: cresceu 9,5%.

A Laticom com 10 unidades fabris nos Estados do Mato Grosso, Sao Paulo e Minas Gerais, dona das marcas Skandia, Polenghi, Quatá, é a 2ª no ranking nacional. De acordo com Sidney Zanasi, gerente de vendas, os negócios vêm crescendo a cada ano. "A produçao deverá ficar 48% acima do ano passado e o faturamento terá créscimo de 42%", estima.

Fábio Scarcelli, presidente da Associaçao Brasileira da Indústria de Queijos (Abiq), afirma que o setor produziu no ano passado 455 mil toneladas de queijo e gerou uma receita da ordem de R$ 2,1 bilhoes. "Para 2000 a projeçao é manter o crescimento de 3% na produçao e faturamento", prevê.

Desidratados e congelados cresceram 3,5% enquanto óleos e gorduras subiram 2,8% e massas 0,7%. Conservas e vegetais, ao contrário, tiveram a produçao encolhida registrando queda acentuada de 13%. A produçao de biscoitos, mostra a pesquisa da Abia, ficou negativa 1,6%.

Empregos - Nos primeiros cinco meses, ressalta Ribeiro, a indústria alimentícia gerou 2.250 novos postos de trabalho fechando a folha de pagamentos com 763.500 empregados, ante 750 mil em dezembro de 1999. A Abia congrega 250 indústrias.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;