Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 12 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Diniz elabora projeto ‘bomba’ de aumento dos servidores


Renan Cacioli
Do Diário do Grande ABC

04/04/2006 | 08:09


O presidente da Câmara de Mauá, Diniz Lopes (PL), pretende entregar no colo do prefeito Leonel Damo (PV) uma bomba na sessão de terça-feira: um projeto autorizando o Poder Executivo a reajustar vencimentos, proventos e salários dos servidores públicos ativos, inativos e titulares, em até 20%, sendo, no mínimo, 10% retroativo a 1º de março. A proposta demonstra a nítida tentativa de Lopes em pôr fogo na Prefeitura. Ou seja, se Damo rejeitar o projeto – o que não é difícil, tendo em vista a dificuldade em reajustar o orçamento para custear tal aumento –, poderá ganhar de presente o protesto do funcionalismo público da cidade.

“O projeto pretende chamar a atenção do Executivo quanto à valorização do funcionalismo público”, disse, no melhor tom político, o presidente do Legislativo. “Não posso obrigar. O que estamos fazendo é autorizar o prefeito a fazer algo pelo funcionalismo”, emendou Lopes.

Quando questionado sobre o porquê de ele, enquanto prefeito interino do município durante quase o ano todo de 2005, não ter promovido o aumento, Diniz despistou. “Eu dei abono. Queríamos estudar a possibilidade de dar benefícios, como isentar o pagamento de convênio médico”, afirmou o Lopes. Ele garantiu que pensava em tratar do aumento nos salários dos servidores durante a discussão do dissídio.

A proposta a ser apresentada nesta terça-feira pretende também incorporar aos vencimentos, proventos e salários dos servidores 50% do valor do abono salarial – hoje no valor máximo de R$ 340 – a partir de 1º de janeiro de 2007. Também pede isenção de pagamento do convênio médico.

Estudos – Além de estar discutindo atualmente o dissídio salarial com o Sindicato dos Servidores Públicos de Mauá, a Prefeitura informou, por meio do secretário de Governo, André Avelino, que a administração está analisando a possibilidade de uma reforma administrativa. “Poderemos reformular os vencimentos, aumentando os salários de uns, e diminuindo os de outros.” Já o presidente do sindicato, Jesomar Alves Lobo, não foi encontrado pelo Diário até o fechamento desta edição para comentar o assunto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diniz elabora projeto ‘bomba’ de aumento dos servidores

Renan Cacioli
Do Diário do Grande ABC

04/04/2006 | 08:09


O presidente da Câmara de Mauá, Diniz Lopes (PL), pretende entregar no colo do prefeito Leonel Damo (PV) uma bomba na sessão de terça-feira: um projeto autorizando o Poder Executivo a reajustar vencimentos, proventos e salários dos servidores públicos ativos, inativos e titulares, em até 20%, sendo, no mínimo, 10% retroativo a 1º de março. A proposta demonstra a nítida tentativa de Lopes em pôr fogo na Prefeitura. Ou seja, se Damo rejeitar o projeto – o que não é difícil, tendo em vista a dificuldade em reajustar o orçamento para custear tal aumento –, poderá ganhar de presente o protesto do funcionalismo público da cidade.

“O projeto pretende chamar a atenção do Executivo quanto à valorização do funcionalismo público”, disse, no melhor tom político, o presidente do Legislativo. “Não posso obrigar. O que estamos fazendo é autorizar o prefeito a fazer algo pelo funcionalismo”, emendou Lopes.

Quando questionado sobre o porquê de ele, enquanto prefeito interino do município durante quase o ano todo de 2005, não ter promovido o aumento, Diniz despistou. “Eu dei abono. Queríamos estudar a possibilidade de dar benefícios, como isentar o pagamento de convênio médico”, afirmou o Lopes. Ele garantiu que pensava em tratar do aumento nos salários dos servidores durante a discussão do dissídio.

A proposta a ser apresentada nesta terça-feira pretende também incorporar aos vencimentos, proventos e salários dos servidores 50% do valor do abono salarial – hoje no valor máximo de R$ 340 – a partir de 1º de janeiro de 2007. Também pede isenção de pagamento do convênio médico.

Estudos – Além de estar discutindo atualmente o dissídio salarial com o Sindicato dos Servidores Públicos de Mauá, a Prefeitura informou, por meio do secretário de Governo, André Avelino, que a administração está analisando a possibilidade de uma reforma administrativa. “Poderemos reformular os vencimentos, aumentando os salários de uns, e diminuindo os de outros.” Já o presidente do sindicato, Jesomar Alves Lobo, não foi encontrado pelo Diário até o fechamento desta edição para comentar o assunto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;