Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 17 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Morando obteve R$ 3,7 milhões de verba pública para campanha

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Volume é superior ao recurso total de receita dos demais prefeituráveis do Grande ABC


Fabio Martins
Do Diário do Grande ABC

20/12/2020 | 00:07


O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), obteve R$ 3,78 milhões de recursos públicos para abastecer a sua campanha de reeleição ao Paço. Esse montante refere-se à soma das transferências financeiras dos fundos partidário e eleitoral. O volume específico recebido pelo tucano na empreitada municipal é superior ao recurso total de receita atingida pelos demais candidatos majoritários do Grande ABC. A arrecadação integral do chefe do Executivo de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), alcançou, por exemplo, patamar de R$ 2,12 milhões.

Os repasses de dinheiro público representam 74% do valor angariado na campanha de Morando. Doação de pessoas físicas impactou fatia de R$ 1,15 milhão (22,6%). Os cerca de 4% restantes são oriundos de recursos próprios. A receita total do tucano na corrida pela renovação do mandato em São Bernardo alcançou margem de R$ 5,07 milhões (confira quadro ao lado). A direção nacional do PSDB, por exemplo, destinou R$ 1,6 milhão, por meio do fundo especial (financiado com verba pública), situação que aponta favorecimento da legenda ao são-bernardense. Isso porque Paulo Serra e José Auricchio Júnior, outros peessedebistas reeleitos em novembro na região, receberam – respectivamente – R$ 430 mil e R$ 100 mil do partido para as campanhas em Santo André e São Caetano. Aliás, curiosamente, o repasse tucano a Auricchio foi inferior ao de outros partidos da base, como PL (R$ 550 mil), Avante (R$ 500 mil), Podemos (R$ 400 mil) e Cidadania (R$ 300 mil).

Para outro efeito de comparação, o ex-prefeito Luiz Marinho (PT), principal concorrente no páreo, levantou R$ 1,22 milhão transferidos de fundo partidário e eleitoral, menos da metade do rival. No total, o petista, que ficou em segundo lugar, arrecadou R$ 1,28 milhão.

Em relação aos que tiveram mais votos no campo majoritário, Auricchio angariou R$ 1,92 milhão de fundos partidário e eleitoral, seguido por José de Filippi Júnior (PT, Diadema), com R$ 1,72 milhão, e Paulo Serra, R$ 1,6 milhão. Eleito em Mauá, Marcelo Oliveira (PT) registrou R$ 1,04 milhão. Clóvis Volpi (PL), em Ribeirão Pires, e Claudinho da Geladeira (Podemos), em Rio Grande da Serra, contabilizaram R$ 229,5 mil e R$ 60 mil, respectivamente.

A assessoria de Morando alegou que a distribuição do fundo de financiamento de campanhas eleitorais é realizada pelos diretórios nacionais das agremiações partidárias, não sendo o prefeito responsável sobre as estratégias adotadas. “Certamente, o valor recebido é compatível com a importância do município e a boa avaliação do governo”, pontuou, por nota, destacando ainda que o teto de gsto no município é “superior a R$ 5 milhões.”  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;