Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Rubão leva tapa no rosto durante sessão

Vinicios Barreto/DiárioRP Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


Felipe Siqueira
Especial para o Diário

17/03/2017 | 07:00


Candidato a vereador pelo PRTB em 2016, Leandro Majerele agrediu fisicamente o presidente da Câmara de Ribeirão Pires, Rubão Fernandes (PSD), com um tapa no rosto, ontem, em sessão. Ele acusou o irmão do chefe do Legislativo de desferir um soco horas depois do ocorrido.

A principal pauta da sessão era o polêmico projeto de Professor Amaury Dias (PV), apoiado por Humberto D’Orto, o Amigão (PTC), que pretendia reduzir o subsídio dos parlamentares de R$ 10.071,17 para o piso nacional dos professores, R$ 2.298. A Casa estava cheia, com pessoas, inclusive, em pé por falta de assentos.

Os ânimos se exaltaram quando a mesa diretora indicou parecer de inconstitucionalidade da proposta de Amaury. Para defender o projeto, Amigão foi à tribuna. Enquanto falava, alguns munícipes protestavam sobre o parecer dado ao documento. Majerele estava entre os manifestantes. Rubão retrucou as indagações de Majerele, dizendo que o munícipe agredia mulheres.

O ex-candidato então cruzou todo o plenário, invadiu a área destinada aos parlamentares e agrediu o presidente, com um tapa no rosto. Tudo foi registrado em vídeo. Rubão tentou revidar, pulando a mesa da presidência, indo em direção do agressor, mas foi impedido por colegas da Casa. A sessão foi interrompida na sequência.

“A briga começou por meio do Leandro Majerele. Ele me ataca em rede social, não sei por que, nunca escrevi nada. Vem me atacando faz um mês”, declarou Rubão. Majerele afirmou que foi defender a honra. “Na leitura do projeto (de Amaury), me manifestei, dizendo que é uma baixaria dos vereadores, que são incompetentes. Nós já temos um problema pessoal e político, e ele levou (a situação) para o lado pessoal. Não bato em mulher, não tenho (condenação pela Lei) Maria da Penha. Tenho BO (Boletim de Ocorrência) em relação a questões políticas, isso é normal”, falou.

O caso foi parar na Delegacia de Polícia da cidade. O agressor registrou BO contra Rubão e contra Renato Brenand Melaci. Segundo Majerele, Melaci é irmão de Rubão.

VOTAÇÃO
Depois de irem à Delegacia de Ribeirão, os vereadores decidiram voltar com a sessão para votar o projeto da redução de salários. O texto foi rejeitado, por 15 votos a dois – apenas Amaury e Amigão avalizaram a medida.

Agora, de acordo com o presidente da Casa, todo episódio é assunto encerrado. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Rubão leva tapa no rosto durante sessão

Felipe Siqueira
Especial para o Diário

17/03/2017 | 07:00


Candidato a vereador pelo PRTB em 2016, Leandro Majerele agrediu fisicamente o presidente da Câmara de Ribeirão Pires, Rubão Fernandes (PSD), com um tapa no rosto, ontem, em sessão. Ele acusou o irmão do chefe do Legislativo de desferir um soco horas depois do ocorrido.

A principal pauta da sessão era o polêmico projeto de Professor Amaury Dias (PV), apoiado por Humberto D’Orto, o Amigão (PTC), que pretendia reduzir o subsídio dos parlamentares de R$ 10.071,17 para o piso nacional dos professores, R$ 2.298. A Casa estava cheia, com pessoas, inclusive, em pé por falta de assentos.

Os ânimos se exaltaram quando a mesa diretora indicou parecer de inconstitucionalidade da proposta de Amaury. Para defender o projeto, Amigão foi à tribuna. Enquanto falava, alguns munícipes protestavam sobre o parecer dado ao documento. Majerele estava entre os manifestantes. Rubão retrucou as indagações de Majerele, dizendo que o munícipe agredia mulheres.

O ex-candidato então cruzou todo o plenário, invadiu a área destinada aos parlamentares e agrediu o presidente, com um tapa no rosto. Tudo foi registrado em vídeo. Rubão tentou revidar, pulando a mesa da presidência, indo em direção do agressor, mas foi impedido por colegas da Casa. A sessão foi interrompida na sequência.

“A briga começou por meio do Leandro Majerele. Ele me ataca em rede social, não sei por que, nunca escrevi nada. Vem me atacando faz um mês”, declarou Rubão. Majerele afirmou que foi defender a honra. “Na leitura do projeto (de Amaury), me manifestei, dizendo que é uma baixaria dos vereadores, que são incompetentes. Nós já temos um problema pessoal e político, e ele levou (a situação) para o lado pessoal. Não bato em mulher, não tenho (condenação pela Lei) Maria da Penha. Tenho BO (Boletim de Ocorrência) em relação a questões políticas, isso é normal”, falou.

O caso foi parar na Delegacia de Polícia da cidade. O agressor registrou BO contra Rubão e contra Renato Brenand Melaci. Segundo Majerele, Melaci é irmão de Rubão.

VOTAÇÃO
Depois de irem à Delegacia de Ribeirão, os vereadores decidiram voltar com a sessão para votar o projeto da redução de salários. O texto foi rejeitado, por 15 votos a dois – apenas Amaury e Amigão avalizaram a medida.

Agora, de acordo com o presidente da Casa, todo episódio é assunto encerrado. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;