Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cartoes de crédito desbancam o uso do cheque pré-datado


Do Diário do Grande ABC

28/07/1999 | 21:10


Os cartoes de créditos já estao desbancando o cheque pré-datado como instrumento de financiamento para compras. Pesquisa inédita da Credicard sobre o mercado brasileiro de cartoes, divulgada nesta quarta-feira, apontou que em 1998 os cartoes de créditos foram responsáveis por 35% dos financiamentos de compras, ultrapassando o desempenho de transaçoes de cheques pré-datados que representaram 26% das transaçoes de compras.

Em 1997 os cheques pré-datados lideraram os financiamentos com 27% das transaçoes. Os cartoes de crédito foram responsáveis por 22% dos financiamentos. ``O mercado brasileiro tem ainda um grande potencial de crescimento. Os números estao demonstrando que os cartoes de crédito estao virando um instrumento do dia-a-dia'', explicou Hector Nevarez, vice-presidente da Credicard.

De acordo com a pesquisa, o setor alcançou faturamento de R$ 17 bilhoes no 1º semestre deste ano, 13,1% superior ao desempenho de R$ 15 bilhoes no mesmo período do ano passado. ``Existe toda uma mudança no conceito do uso de cheques. Outros fatores como inflaçao em queda e incremento da renda também estao influenciado a demanda no uso de cartoes'', observou o vice-presidente da administradora.

Segundo ele, os cartoes de créditos estao recebendo impulso da mudança de comportamento do próprio comércio que antes rejeitava o instrumento. ``Hoje os cartoes de crédito sao vistos como uma garantia do pagamento da compra. E os cheques pré-datados representam risco, assim como as compras pelo crediário'', observou Nevarez.

O uso de cartao no país ainda é considerado baixo se comparado com mercados onde o instrumento já está consolidado como nos EUA, por exemplo, onde o consumo privado (participaçao do consumo no PIB) de cartoes é de 18%. No Brasil, o consumo privado está em 5%. ``O número praticamente dobrou desde o plano real, seguindo o mesmo comportamento do PIB. A exemplo do faturamento do setor que passou de R$ 24,3 bilhoes em 1996 para R$ 32,3 bilhoes em 1998'', explicou Carla Schmitzberger, vice-presidente de marketing da Credicard.

O levantamento da Credicard apontou o perfil do usuário de cartoes de crédito no país: a maioria é composta por homens com idade entre 25 e 45 anos, residentes na regiao sudeste, e com vencimentos entre R$ 500 e R$ 2 mil por mês. ``Mas desde a implantaçao do plano real, as mulheres aumentaram a sua participaçao de 40% para 46% no mercado'', apontou a vice-presidente de marketing.

A pesquisa também apontou que o preço médio de transaçao caiu 2,3%, passando de R$ 66, 19 em 1998 para R$ 64,66 neste ano. ``A medida que novos ramos do comércio passam a aceitar cartoes de crédito, ocorre uma reaçao de queda no valor da transaçao média'', explicou Schimitzberger.

Segundo a pesquisa, embora o maior contingente de usuários ainda se concentre na regiao Sudeste, responsável por 65% da utilizaçao, sao as regioes Norte e Nordeste que mais cresceram sua participaçao no mercado durante o plano real. A regiao Nordeste, cuja participaçao no mercado de cartoes de créditos era de 13% em 1994, passou para 6% em 1998. Já a regiao Norte que tinha 4% de participaçao passou a deter 6% em 1998.

O levantamento também demonstrou que no primeiro semestre de 1999 foram feitas 262 milhoes de transaçoes com cartoes de crédito contra 227 milhoes nos primeiros seis meses de 1998.

Visa - A Visa International anunciou nesta quarta-feira que superou a marca de de 500 mil caixas automáticos (ATM's) em 120 países. Em 1998, a Visa integrou à sua rede mais de 60 mil caixas automáticos, um aumento de 12% em relaçao ao ano anterior. ``A estratégia da empresa é continuar expandindo a rede de ATM's para facilitar o saque de dinheiro aos usuários a qualquer hora e em qualquer lugar'', explicou Juan Santella, vice-presidente de Produtos de Acesso a depósitos da Visa International para a regiao da América Latina.

Dados de mercado apontam que mais de 800 milhoes de cartoes Visa sao usados em todo o mundo, o correspondente a um volume de transaçoes superior a U$ 1,4 trilhao. Os cartoes Visa estao disseminados em mais de 17 milhoes de estabelecimentos em 120 países.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cartoes de crédito desbancam o uso do cheque pré-datado

Do Diário do Grande ABC

28/07/1999 | 21:10


Os cartoes de créditos já estao desbancando o cheque pré-datado como instrumento de financiamento para compras. Pesquisa inédita da Credicard sobre o mercado brasileiro de cartoes, divulgada nesta quarta-feira, apontou que em 1998 os cartoes de créditos foram responsáveis por 35% dos financiamentos de compras, ultrapassando o desempenho de transaçoes de cheques pré-datados que representaram 26% das transaçoes de compras.

Em 1997 os cheques pré-datados lideraram os financiamentos com 27% das transaçoes. Os cartoes de crédito foram responsáveis por 22% dos financiamentos. ``O mercado brasileiro tem ainda um grande potencial de crescimento. Os números estao demonstrando que os cartoes de crédito estao virando um instrumento do dia-a-dia'', explicou Hector Nevarez, vice-presidente da Credicard.

De acordo com a pesquisa, o setor alcançou faturamento de R$ 17 bilhoes no 1º semestre deste ano, 13,1% superior ao desempenho de R$ 15 bilhoes no mesmo período do ano passado. ``Existe toda uma mudança no conceito do uso de cheques. Outros fatores como inflaçao em queda e incremento da renda também estao influenciado a demanda no uso de cartoes'', observou o vice-presidente da administradora.

Segundo ele, os cartoes de créditos estao recebendo impulso da mudança de comportamento do próprio comércio que antes rejeitava o instrumento. ``Hoje os cartoes de crédito sao vistos como uma garantia do pagamento da compra. E os cheques pré-datados representam risco, assim como as compras pelo crediário'', observou Nevarez.

O uso de cartao no país ainda é considerado baixo se comparado com mercados onde o instrumento já está consolidado como nos EUA, por exemplo, onde o consumo privado (participaçao do consumo no PIB) de cartoes é de 18%. No Brasil, o consumo privado está em 5%. ``O número praticamente dobrou desde o plano real, seguindo o mesmo comportamento do PIB. A exemplo do faturamento do setor que passou de R$ 24,3 bilhoes em 1996 para R$ 32,3 bilhoes em 1998'', explicou Carla Schmitzberger, vice-presidente de marketing da Credicard.

O levantamento da Credicard apontou o perfil do usuário de cartoes de crédito no país: a maioria é composta por homens com idade entre 25 e 45 anos, residentes na regiao sudeste, e com vencimentos entre R$ 500 e R$ 2 mil por mês. ``Mas desde a implantaçao do plano real, as mulheres aumentaram a sua participaçao de 40% para 46% no mercado'', apontou a vice-presidente de marketing.

A pesquisa também apontou que o preço médio de transaçao caiu 2,3%, passando de R$ 66, 19 em 1998 para R$ 64,66 neste ano. ``A medida que novos ramos do comércio passam a aceitar cartoes de crédito, ocorre uma reaçao de queda no valor da transaçao média'', explicou Schimitzberger.

Segundo a pesquisa, embora o maior contingente de usuários ainda se concentre na regiao Sudeste, responsável por 65% da utilizaçao, sao as regioes Norte e Nordeste que mais cresceram sua participaçao no mercado durante o plano real. A regiao Nordeste, cuja participaçao no mercado de cartoes de créditos era de 13% em 1994, passou para 6% em 1998. Já a regiao Norte que tinha 4% de participaçao passou a deter 6% em 1998.

O levantamento também demonstrou que no primeiro semestre de 1999 foram feitas 262 milhoes de transaçoes com cartoes de crédito contra 227 milhoes nos primeiros seis meses de 1998.

Visa - A Visa International anunciou nesta quarta-feira que superou a marca de de 500 mil caixas automáticos (ATM's) em 120 países. Em 1998, a Visa integrou à sua rede mais de 60 mil caixas automáticos, um aumento de 12% em relaçao ao ano anterior. ``A estratégia da empresa é continuar expandindo a rede de ATM's para facilitar o saque de dinheiro aos usuários a qualquer hora e em qualquer lugar'', explicou Juan Santella, vice-presidente de Produtos de Acesso a depósitos da Visa International para a regiao da América Latina.

Dados de mercado apontam que mais de 800 milhoes de cartoes Visa sao usados em todo o mundo, o correspondente a um volume de transaçoes superior a U$ 1,4 trilhao. Os cartoes Visa estao disseminados em mais de 17 milhoes de estabelecimentos em 120 países.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;