Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Para CNI, reforma tributária evita recessão



28/11/2008 | 07:00


O presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Armando Monteiro Neto, disse na quinta-feira que não há sinal melhor para evitar a recessão, neste momento de crise, do que aperfeiçoar o sistema tributário nacional.

Segundo ele, a reforma tributária reduz impostos e melhora o ambiente de operações das empresas. "O Brasil continua tendo condições de fazer a reforma tributária, porque vem crescendo. Agora, na perspectiva de uma desaceleração, o Brasil emitir sinais concretos de que nós estamos dispostos a melhorar o ambiente de operação das empresas", afirmou Monteiro Neto.

Na avaliação dele, a redução do IOF, por exemplo, significa reduzir custos. "O IOF está no custo das operações financeiras das empresas, e precisamos reduzir o juro na ponta (para o consumidor final)", afirmou. Ao sair de uma audiência com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o presidente da CNI foi questionado se, neste momento de crise, a redução dos juros não seria melhor do que a reforma tributária. Respondeu que uma coisa não exclui a outra. Disse que, apesar de só se falar em redução dos juros básicos, é preciso que se reduza o custo das operações financeiras na ponta.

Ele defendeu a redução dos spreads cobrados pelos bancos públicos como forma de se diminuir o juro cobrado na ponta. "Os bancos públicos precisam desempenhar um papel neste momento no sentido de reduzir spreads, porque não é possível que, em uma hora de crise, até os bancos públicos queiram aumentar juros na ponta. Isso reclama uma ação coordenada e firme do governo", afirmou Monteiro Neto. Segundo o presidente da CNI, a melhor forma de o Banco do Brasil recuperar sua participação no mercado é reduzir os juros. "Ao reduzir os juros, ele (BB) tem, em tese, maior apelo para seus clientes e induz uma maior participação dele no mercado".

O BB anunciou a redução, a partir de quinta-feira, das taxas de juros de algumas modalidades de crédito para pessoas físicas e jurídicas, como na Conta Garantida, desconto de títulos, operações de capital de giro, adiantamento de crédito ao lojista e cartões de crédito. E o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, informou ao Congresso que o presidente Lula orientou os bancos públicos a adotarem o papel de liderança na ampliação da oferta de crédito e redução do custo dos empréstimos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Para CNI, reforma tributária evita recessão


28/11/2008 | 07:00


O presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Armando Monteiro Neto, disse na quinta-feira que não há sinal melhor para evitar a recessão, neste momento de crise, do que aperfeiçoar o sistema tributário nacional.

Segundo ele, a reforma tributária reduz impostos e melhora o ambiente de operações das empresas. "O Brasil continua tendo condições de fazer a reforma tributária, porque vem crescendo. Agora, na perspectiva de uma desaceleração, o Brasil emitir sinais concretos de que nós estamos dispostos a melhorar o ambiente de operação das empresas", afirmou Monteiro Neto.

Na avaliação dele, a redução do IOF, por exemplo, significa reduzir custos. "O IOF está no custo das operações financeiras das empresas, e precisamos reduzir o juro na ponta (para o consumidor final)", afirmou. Ao sair de uma audiência com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o presidente da CNI foi questionado se, neste momento de crise, a redução dos juros não seria melhor do que a reforma tributária. Respondeu que uma coisa não exclui a outra. Disse que, apesar de só se falar em redução dos juros básicos, é preciso que se reduza o custo das operações financeiras na ponta.

Ele defendeu a redução dos spreads cobrados pelos bancos públicos como forma de se diminuir o juro cobrado na ponta. "Os bancos públicos precisam desempenhar um papel neste momento no sentido de reduzir spreads, porque não é possível que, em uma hora de crise, até os bancos públicos queiram aumentar juros na ponta. Isso reclama uma ação coordenada e firme do governo", afirmou Monteiro Neto. Segundo o presidente da CNI, a melhor forma de o Banco do Brasil recuperar sua participação no mercado é reduzir os juros. "Ao reduzir os juros, ele (BB) tem, em tese, maior apelo para seus clientes e induz uma maior participação dele no mercado".

O BB anunciou a redução, a partir de quinta-feira, das taxas de juros de algumas modalidades de crédito para pessoas físicas e jurídicas, como na Conta Garantida, desconto de títulos, operações de capital de giro, adiantamento de crédito ao lojista e cartões de crédito. E o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, informou ao Congresso que o presidente Lula orientou os bancos públicos a adotarem o papel de liderança na ampliação da oferta de crédito e redução do custo dos empréstimos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;