Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bridgestone investe em pneus para carros de alta potência


Priscila Dal Poggetto
Do Diário do Grande ABC

03/11/2007 | 07:10


Para posicionar a marca Bridgestone nos segmentos de alta e altíssima performance, a fabricante de pneus coloca no mercado a partir deste mês a linha Potenza GIII, desenvolvido a partir de modelos da Fórmula 1.

Segundo o diretor de assuntos corporativos da Bridgestone, Raul Viana, a importância do segmento – que equipa carros como Civic e Golf – está no mercado de revenda, ainda não afetado pelos pneus importados da China.

“No mercado de alta performance há concorrência leal, pois o nível de consciencia do consumidor aumenta”, observa. Para atrair os consumidores, a marca oferece garantia complementar no produto de seis meses.

Revenda - Segundo Viana, o setor de pneus não acompanha a explosão das vendas de automóveis. “A maior rentabilidade vem do mercado de revenda, que foi invadido pelos pneus importados e remoldados”, observa. Por esse motivo, neste ano, a empresa espera repetir o faturamento de 2006, de R$ 1,6 bilhão.

A unidade de Santo André, focada em pneus para veículos pesados, produz 33 mil pneus por dia. Já a fábrica de Camaçari, na Bahia (onde é produzido o GIII, entre outros modelos para automóveis e comerciais leves), ainda não atingiu a capacidade máxima de 8 mil unidades diárias.

Segundo Viana, a participação no mercado dos pneus chineses supera 40%. Para entrar na briga contra importados e remoldados, a Bridgestone tem reduzido custos de produção. De 2000 até este ano, a fabricante investiu cerca de US$ 160 milhões para a modernização da planta de Santo André e US$ 300 milhões na construção da unidade de Camaçari.

Apesar das melhorias na produção, o custo Brasil e a falta de controle dos produtos que entram no País não são compensados. “O que a gente acredita é que, com o tempo, boa parte dos consumidores que compram pneus de oportunistas (que não têm rede de revendedores) vão buscar marcas que dêem garantias.”


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bridgestone investe em pneus para carros de alta potência

Priscila Dal Poggetto
Do Diário do Grande ABC

03/11/2007 | 07:10


Para posicionar a marca Bridgestone nos segmentos de alta e altíssima performance, a fabricante de pneus coloca no mercado a partir deste mês a linha Potenza GIII, desenvolvido a partir de modelos da Fórmula 1.

Segundo o diretor de assuntos corporativos da Bridgestone, Raul Viana, a importância do segmento – que equipa carros como Civic e Golf – está no mercado de revenda, ainda não afetado pelos pneus importados da China.

“No mercado de alta performance há concorrência leal, pois o nível de consciencia do consumidor aumenta”, observa. Para atrair os consumidores, a marca oferece garantia complementar no produto de seis meses.

Revenda - Segundo Viana, o setor de pneus não acompanha a explosão das vendas de automóveis. “A maior rentabilidade vem do mercado de revenda, que foi invadido pelos pneus importados e remoldados”, observa. Por esse motivo, neste ano, a empresa espera repetir o faturamento de 2006, de R$ 1,6 bilhão.

A unidade de Santo André, focada em pneus para veículos pesados, produz 33 mil pneus por dia. Já a fábrica de Camaçari, na Bahia (onde é produzido o GIII, entre outros modelos para automóveis e comerciais leves), ainda não atingiu a capacidade máxima de 8 mil unidades diárias.

Segundo Viana, a participação no mercado dos pneus chineses supera 40%. Para entrar na briga contra importados e remoldados, a Bridgestone tem reduzido custos de produção. De 2000 até este ano, a fabricante investiu cerca de US$ 160 milhões para a modernização da planta de Santo André e US$ 300 milhões na construção da unidade de Camaçari.

Apesar das melhorias na produção, o custo Brasil e a falta de controle dos produtos que entram no País não são compensados. “O que a gente acredita é que, com o tempo, boa parte dos consumidores que compram pneus de oportunistas (que não têm rede de revendedores) vão buscar marcas que dêem garantias.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;