Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Recursos humanos fazem diferença


Mohamad Akl

15/04/2011 | 07:10


O desempenho da economia brasileira em 2010 foi, além de muito bom para toda a sociedade brasileira, laboratório de testes para as empresas. O PIB (Produto Interno Bruto) cresceu mais de 7%, o que não acontecia desde a euforia do Plano Cruzado, em 1986. Aceleração tão forte da demanda exigiu demais da infraestrutura econômica de empresas programadas para até 4% de crescimento médio. Como ninguém joga oportunidades de negócio fora, corremos todos para ampliar a oferta de produtos e serviços, a fim de atender os novos clientes. O que, para algumas empresas, foi bastante traumático, variando de acordo com as estratégias de gestão de pessoas adotada.

Em nosso caso, como sempre valorizamos nossa equipe e a consideramos nosso grande diferencial de mercado, foi mais fácil obter comprometimento dos profissionais quando um contrato trazia milhares de vidas a mais para nossos planos de saúde. Não adianta simplesmente determinar que o cliente seja bem atendido. Empresa só funciona bem quando todos se sentem partícipes do sucesso dela. E essa é condição difícil de obter, mas fácil de perder. Empresas que não têm verdadeiro vínculo com seus colaboradores sofrem muito na recessão e crescimento. Sem profissionais supermotivados, falta aquela dedicação extra para disputar mercado escasso em novos contratos. /CS

E também não há a superação necessária para se adequar a uma demanda muito acelerada, pois não temos como ajustar imediatamente a equipe ao crescimento do trabalho. Processo de identificação, seleção e contratação de profissionais não é tão rápido assim. Neste ano, o PIB deve ser moderado pela necessidade de combater a inflação em alta, mas ainda assim espera-se incremento de 4%, ou algo em torno desse percentual. Significa que, em alguns segmentos empresariais, ainda será difícil contratar especialistas necessários ao andamento dos negócios. Portanto, seja em períodos de crise econômico-financeira, ou em momentos de crescimento, o que faz a diferença é a qualidade da equipe. O grau de confiança na empresa, o orgulho de pertencer àquele grupo, a satisfação com salários e benefícios, então, são fundamentais para a continuidade e aperfeiçoamento dos negócios.

Temos de pensar em tecnologia, infraestrutura, novos produtos e serviços. Mas, sem focalizar a atividade em gente feliz e capacitada, sem valorizar a área de recursos humanos, perderemos sempre, por falta ou excesso de negócios.

 

Mohamad Akl é presidente da Central Nacional Unimed



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Recursos humanos fazem diferença

Mohamad Akl

15/04/2011 | 07:10


O desempenho da economia brasileira em 2010 foi, além de muito bom para toda a sociedade brasileira, laboratório de testes para as empresas. O PIB (Produto Interno Bruto) cresceu mais de 7%, o que não acontecia desde a euforia do Plano Cruzado, em 1986. Aceleração tão forte da demanda exigiu demais da infraestrutura econômica de empresas programadas para até 4% de crescimento médio. Como ninguém joga oportunidades de negócio fora, corremos todos para ampliar a oferta de produtos e serviços, a fim de atender os novos clientes. O que, para algumas empresas, foi bastante traumático, variando de acordo com as estratégias de gestão de pessoas adotada.

Em nosso caso, como sempre valorizamos nossa equipe e a consideramos nosso grande diferencial de mercado, foi mais fácil obter comprometimento dos profissionais quando um contrato trazia milhares de vidas a mais para nossos planos de saúde. Não adianta simplesmente determinar que o cliente seja bem atendido. Empresa só funciona bem quando todos se sentem partícipes do sucesso dela. E essa é condição difícil de obter, mas fácil de perder. Empresas que não têm verdadeiro vínculo com seus colaboradores sofrem muito na recessão e crescimento. Sem profissionais supermotivados, falta aquela dedicação extra para disputar mercado escasso em novos contratos. /CS

E também não há a superação necessária para se adequar a uma demanda muito acelerada, pois não temos como ajustar imediatamente a equipe ao crescimento do trabalho. Processo de identificação, seleção e contratação de profissionais não é tão rápido assim. Neste ano, o PIB deve ser moderado pela necessidade de combater a inflação em alta, mas ainda assim espera-se incremento de 4%, ou algo em torno desse percentual. Significa que, em alguns segmentos empresariais, ainda será difícil contratar especialistas necessários ao andamento dos negócios. Portanto, seja em períodos de crise econômico-financeira, ou em momentos de crescimento, o que faz a diferença é a qualidade da equipe. O grau de confiança na empresa, o orgulho de pertencer àquele grupo, a satisfação com salários e benefícios, então, são fundamentais para a continuidade e aperfeiçoamento dos negócios.

Temos de pensar em tecnologia, infraestrutura, novos produtos e serviços. Mas, sem focalizar a atividade em gente feliz e capacitada, sem valorizar a área de recursos humanos, perderemos sempre, por falta ou excesso de negócios.

 

Mohamad Akl é presidente da Central Nacional Unimed

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;