Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Canadá tem novo caso de vaca louca


Da AFP

11/01/2005 | 20:06


Um terceiro caso de vaca louca foi detectado no Canadá, mas pela primeira vez o animal contaminado tem menos de sete anos. O caso é raro porque, em 1997, foi proibida a alimentação do gado com ração de origem animal.

O anúncio foi feito nesta terça-feira pela Acia (Agência canadense de inspeção de alimentos). O governo dos Estados Unidos já deixou claro que estão dispostos a tornar completo, a partir de março, o embargo sobre a importação de gado canadense que haviam decretado em maio de 2003, quando foi detectado o primeiro caso.

Como nos dois casos anteriores, a vaca infectada pertence a um rebanho da província de Alberta, no oeste do país. Foi descoberta dentro do programa nacional de detecção que permitiu a avaliação, em 2004, de mais de 22 mil animais contaminados.

Segundo um comunicado da agência responsável, "o animal é uma vaca de pouco menos de sete anos de idade, com Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB)". "Nenhuma parte do animal entrou na cadeia alimentar humana ou animal. Segundo informações preliminares, a causa mais provável da infecção do animal seriam alimentos produzidos antes da proibição da ração para o gado, em 1997", destacou o documento.

A Acia afirmou que realiza uma investigação "para determinar com o quê o animal foi alimentado nos primeiros anos de vida”. “O governo do Canadá continua acreditando que a proibição em vigor desde 1997 limitou e continua limitando a propagação da EEB", insistiu a agência.

No dia 20 de maio de 2003, o Canadá anunciou o primeiro caso de vaca infectada no país, o que levou os Estados Unidos e outros 30 países a decretar um embargo à carne canadense. Sete meses mais tarde, quando a maioria dos países importadores tinha reaberto suas fronteiras, uma vaca doente importada do Canadá foi descoberta em uma fazenda no estado americano de Washington.

Em um ano e meio, as autoridades sanitárias multiplicaram os controles e os testes de detecção, para tranqüilizar o país vizinho. No último dia 2, foi confirmado um segundo caso de vaca louca, mas as autoridades canadenses minimizaram os riscos, alegando que o animal, uma vaca de oito anos, havia nascido antes da proibição da ração animal.

O embargo americano atingiu duramente o setor bovino canadense, já que, em 2002, 80% das exportações de carne bovina do Canadá - de um total de US$ 3,28 bilhões - foram destinadas aos Estados Unidos, segundo estatísticas oficiais.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Canadá tem novo caso de vaca louca

Da AFP

11/01/2005 | 20:06


Um terceiro caso de vaca louca foi detectado no Canadá, mas pela primeira vez o animal contaminado tem menos de sete anos. O caso é raro porque, em 1997, foi proibida a alimentação do gado com ração de origem animal.

O anúncio foi feito nesta terça-feira pela Acia (Agência canadense de inspeção de alimentos). O governo dos Estados Unidos já deixou claro que estão dispostos a tornar completo, a partir de março, o embargo sobre a importação de gado canadense que haviam decretado em maio de 2003, quando foi detectado o primeiro caso.

Como nos dois casos anteriores, a vaca infectada pertence a um rebanho da província de Alberta, no oeste do país. Foi descoberta dentro do programa nacional de detecção que permitiu a avaliação, em 2004, de mais de 22 mil animais contaminados.

Segundo um comunicado da agência responsável, "o animal é uma vaca de pouco menos de sete anos de idade, com Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB)". "Nenhuma parte do animal entrou na cadeia alimentar humana ou animal. Segundo informações preliminares, a causa mais provável da infecção do animal seriam alimentos produzidos antes da proibição da ração para o gado, em 1997", destacou o documento.

A Acia afirmou que realiza uma investigação "para determinar com o quê o animal foi alimentado nos primeiros anos de vida”. “O governo do Canadá continua acreditando que a proibição em vigor desde 1997 limitou e continua limitando a propagação da EEB", insistiu a agência.

No dia 20 de maio de 2003, o Canadá anunciou o primeiro caso de vaca infectada no país, o que levou os Estados Unidos e outros 30 países a decretar um embargo à carne canadense. Sete meses mais tarde, quando a maioria dos países importadores tinha reaberto suas fronteiras, uma vaca doente importada do Canadá foi descoberta em uma fazenda no estado americano de Washington.

Em um ano e meio, as autoridades sanitárias multiplicaram os controles e os testes de detecção, para tranqüilizar o país vizinho. No último dia 2, foi confirmado um segundo caso de vaca louca, mas as autoridades canadenses minimizaram os riscos, alegando que o animal, uma vaca de oito anos, havia nascido antes da proibição da ração animal.

O embargo americano atingiu duramente o setor bovino canadense, já que, em 2002, 80% das exportações de carne bovina do Canadá - de um total de US$ 3,28 bilhões - foram destinadas aos Estados Unidos, segundo estatísticas oficiais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;