Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Navio que explodiu no Paraná ainda contém produtos químicos


Do Diário OnLine
Com Agências

15/12/2004 | 10:17


Ainda não é possível precisar o volume exato de produtos químicos que vazaram do navio chileno Vicunã, que explodiu há um mês na baía de Paranaguá, no Paraná. Os técnicos da Secretaria e IAP (Instituto Ambiental do Paraná), que ainda trabalham no local do acidente, não têm acesso aos compartimentos internos do navio, que ainda possui material estancado.

O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná, Luiz Eduardo Cheida, criticou a falta de preparo das empresas que trabalham com produtos tóxicos para agir e prevenir um acidente deste porte.

O navio Vicuña estava carregado com 14 mil toneladas de metanol e explodiu após o descarregamento de 9 mil toneladas do produto. Além deste composto químico, o navio carregava 1.240 toneladas de óleo bruto, 150 toneladas de óleo diesel, 2,9 toneladas de óleo lubrificante e 2 toneladas de tintas e solventes.

De acordo com o secretário, não é possível dimensionar o impacto ambiental nas regiões atingidas pelo vazamento do óleo. "Sabe-se apenas quais foram os locais mais afetados pelo óleo, como é o caso das Ilhas de Piaçaguera, Cootinga, Ilha das Cobras, Ilha do Mel (ponta Oeste), Ilha das Peças e Cassueiro", com Agência Brasil.

A portaria assinada em conjunto com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) proibindo a pesca e uso da água nas baías de Paranaguá, Antonina e Guaraqueçaba continua valendo e é, na opinião do secretário, uma medida prudente para evitar que a população tenha contato com alimentos ou água contaminada. Em relação à fauna e à flora, foram criadas câmaras técnicas, envolvendo diversas instituições públicas que garantiram a captura de 136 animais, sendo apenas 11 com vida.

O presidente do IAP, Rasca Rodrigues, afirmou que foram recolhidas 3,6 toneladas de água contaminada por óleo, 26 caminhões de resíduos e que 40 embarcações ainda trabalham no local. Além disso, 18 pontos do litoral estão sendo monitorados semanalmente pelo Instituto para avaliar a presença de óleo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Navio que explodiu no Paraná ainda contém produtos químicos

Do Diário OnLine
Com Agências

15/12/2004 | 10:17


Ainda não é possível precisar o volume exato de produtos químicos que vazaram do navio chileno Vicunã, que explodiu há um mês na baía de Paranaguá, no Paraná. Os técnicos da Secretaria e IAP (Instituto Ambiental do Paraná), que ainda trabalham no local do acidente, não têm acesso aos compartimentos internos do navio, que ainda possui material estancado.

O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná, Luiz Eduardo Cheida, criticou a falta de preparo das empresas que trabalham com produtos tóxicos para agir e prevenir um acidente deste porte.

O navio Vicuña estava carregado com 14 mil toneladas de metanol e explodiu após o descarregamento de 9 mil toneladas do produto. Além deste composto químico, o navio carregava 1.240 toneladas de óleo bruto, 150 toneladas de óleo diesel, 2,9 toneladas de óleo lubrificante e 2 toneladas de tintas e solventes.

De acordo com o secretário, não é possível dimensionar o impacto ambiental nas regiões atingidas pelo vazamento do óleo. "Sabe-se apenas quais foram os locais mais afetados pelo óleo, como é o caso das Ilhas de Piaçaguera, Cootinga, Ilha das Cobras, Ilha do Mel (ponta Oeste), Ilha das Peças e Cassueiro", com Agência Brasil.

A portaria assinada em conjunto com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) proibindo a pesca e uso da água nas baías de Paranaguá, Antonina e Guaraqueçaba continua valendo e é, na opinião do secretário, uma medida prudente para evitar que a população tenha contato com alimentos ou água contaminada. Em relação à fauna e à flora, foram criadas câmaras técnicas, envolvendo diversas instituições públicas que garantiram a captura de 136 animais, sendo apenas 11 com vida.

O presidente do IAP, Rasca Rodrigues, afirmou que foram recolhidas 3,6 toneladas de água contaminada por óleo, 26 caminhões de resíduos e que 40 embarcações ainda trabalham no local. Além disso, 18 pontos do litoral estão sendo monitorados semanalmente pelo Instituto para avaliar a presença de óleo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;