Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria plástica pega 'carona' nos ovos de chocolate


Luiz Federico
Do Diário do Grande ABC

09/04/2006 | 08:39


A indústria do PVC (material plástico) quer aproveitar a sazonalidade da Páscoa para aumentar em 2% as vendas de fôrmas para a fabricação de ovos de chocolate. Os produtores de PVC pretendem pegar carona na expectativa de crescimento de 10% a 15% na comercialização de chocolate no varejo, de acordo com a Abras (Associação Brasileira de Supermercados).
Com alta flexibilidade, brilho e transparência, o PVC é um dos materiais mais procurados para embalagens decorativas e fôrmas para ovos de chocolate, principalmente para profissionais que aproveitam a Páscoa para reforçar o orçamento doméstico.
  
"O PVC é um dos poucos materiais que oferecem, além do aspecto estético, higiene, inocuidade e segurança no processo de produção de alimentos. No caso do ovo, a pessoa consegue ver o que está acontecendo com o chocolate", explica o diretor-executivo do Instituto do PVC, Miguel Bahiense.
  
Produção - O Grande ABC é protagonista na cadeia de produção do PVC. A Solvay Indupa, de Mauá - localizada no Pólo Petroquímico de Capuava - é uma das principais fornecedoras de matéria-prima dessa indústria. Outra empresa que abastece o segmento é a Braskem, que produz resinas em sua unidade de Maceió (AL).

Os insumos fabricados pela Solvay e Braskem (pequenos pedaços de PVC) são enviados para as empresas transformadoras (chamadas de terceira geração), responsáveis por unir essas resinas.

Desse processo industrial, surge uma chapa uniforme - conhecida como blister -, posteriormente moldada por ação de altas temperaturas em fôrmas para a fabricação de ovos de chocolate.

Além do mercado de doces, em que está presente há mais de 20 anos, o PVC é muito utilizado nos segmentos de embalagens para brinquedos, alimentos em geral, cosméticos, eletroeletrônicos, medicamentos e, principalmente, no setor da construção civil.

Segundo estimativas do Instituto do PVC, a produção do material cresceu 2,43% em 2005 em relação ao ano anterior, totalizando 690 mil toneladas no ano passado.

Desse montante, entre 60% e 65% são absorvidos pelo setor da construção civil, que fabrica com o PVC, entre outros produtos, tubos, conexões, janelas, pisos e forros. "Para 2006, ano eleitoral, estamos muito otimista com os pacotes do governo que já beneficiam a construção civil", completa o diretor Bahiense.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Indústria plástica pega 'carona' nos ovos de chocolate

Luiz Federico
Do Diário do Grande ABC

09/04/2006 | 08:39


A indústria do PVC (material plástico) quer aproveitar a sazonalidade da Páscoa para aumentar em 2% as vendas de fôrmas para a fabricação de ovos de chocolate. Os produtores de PVC pretendem pegar carona na expectativa de crescimento de 10% a 15% na comercialização de chocolate no varejo, de acordo com a Abras (Associação Brasileira de Supermercados).
Com alta flexibilidade, brilho e transparência, o PVC é um dos materiais mais procurados para embalagens decorativas e fôrmas para ovos de chocolate, principalmente para profissionais que aproveitam a Páscoa para reforçar o orçamento doméstico.
  
"O PVC é um dos poucos materiais que oferecem, além do aspecto estético, higiene, inocuidade e segurança no processo de produção de alimentos. No caso do ovo, a pessoa consegue ver o que está acontecendo com o chocolate", explica o diretor-executivo do Instituto do PVC, Miguel Bahiense.
  
Produção - O Grande ABC é protagonista na cadeia de produção do PVC. A Solvay Indupa, de Mauá - localizada no Pólo Petroquímico de Capuava - é uma das principais fornecedoras de matéria-prima dessa indústria. Outra empresa que abastece o segmento é a Braskem, que produz resinas em sua unidade de Maceió (AL).

Os insumos fabricados pela Solvay e Braskem (pequenos pedaços de PVC) são enviados para as empresas transformadoras (chamadas de terceira geração), responsáveis por unir essas resinas.

Desse processo industrial, surge uma chapa uniforme - conhecida como blister -, posteriormente moldada por ação de altas temperaturas em fôrmas para a fabricação de ovos de chocolate.

Além do mercado de doces, em que está presente há mais de 20 anos, o PVC é muito utilizado nos segmentos de embalagens para brinquedos, alimentos em geral, cosméticos, eletroeletrônicos, medicamentos e, principalmente, no setor da construção civil.

Segundo estimativas do Instituto do PVC, a produção do material cresceu 2,43% em 2005 em relação ao ano anterior, totalizando 690 mil toneladas no ano passado.

Desse montante, entre 60% e 65% são absorvidos pelo setor da construção civil, que fabrica com o PVC, entre outros produtos, tubos, conexões, janelas, pisos e forros. "Para 2006, ano eleitoral, estamos muito otimista com os pacotes do governo que já beneficiam a construção civil", completa o diretor Bahiense.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;