Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

PUC-RS vai mapear violência em Porto Alegre


Da Agência Brasil

15/04/2006 | 14:30


A violência urbana em Porto Alegre, sua freqüência e a natureza dos crimes contra a pessoa e o patrimônio será mapeada a partir deste mês. A pesquisa "Vitimização nas 16 regiões do Orçamento Participativo", será desenvolvida pela PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Secretaria Nacional de Segurança Pública e Prefeitura Municipal da capital gaúcha.

"A idéia é criar um mapa com informações sobre os locais mais vulneráveis à violência na capital gaúcha, com tipos de crimes, quais não são denunciados, entre outras particularidades", explicou a professora Patrícia Grossi, coordenadora da pesquisa. Segundo ela, as taxas de homicídios, "embora consideradas como um dos melhores indicadores da violência, sendo utilizadas em todos os estudos sobre o tema, não permitem identificar a real dimensão da criminalidade".

Patrícia disse que um número significativo de crimes cometidos não são registrados na polícia. "Este é o caso principalmente da violência doméstica", afirmou. Ela explicou ainda, que dados coletados em Belo Horizonte, em 2001, por exemplo, "informam que em 70% dos furtos, 73% dos roubos e 86% das agressões sexuais ocorridas na cidade, as vítimas não efetivaram registros na polícia".

"A cifra oculta da violência, que é como chamamos este tipo de trabalho, apresentará à população qual a freqüência e a natureza dos crimes contra as pessoas e contra o patrimônio ocorridos em Porto Alegre, registrados pela polícia ou não", antecipou Patrícia. A pesquisa será iniciada neste mês e até o final de maio já deve contar com resultados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PUC-RS vai mapear violência em Porto Alegre

Da Agência Brasil

15/04/2006 | 14:30


A violência urbana em Porto Alegre, sua freqüência e a natureza dos crimes contra a pessoa e o patrimônio será mapeada a partir deste mês. A pesquisa "Vitimização nas 16 regiões do Orçamento Participativo", será desenvolvida pela PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Secretaria Nacional de Segurança Pública e Prefeitura Municipal da capital gaúcha.

"A idéia é criar um mapa com informações sobre os locais mais vulneráveis à violência na capital gaúcha, com tipos de crimes, quais não são denunciados, entre outras particularidades", explicou a professora Patrícia Grossi, coordenadora da pesquisa. Segundo ela, as taxas de homicídios, "embora consideradas como um dos melhores indicadores da violência, sendo utilizadas em todos os estudos sobre o tema, não permitem identificar a real dimensão da criminalidade".

Patrícia disse que um número significativo de crimes cometidos não são registrados na polícia. "Este é o caso principalmente da violência doméstica", afirmou. Ela explicou ainda, que dados coletados em Belo Horizonte, em 2001, por exemplo, "informam que em 70% dos furtos, 73% dos roubos e 86% das agressões sexuais ocorridas na cidade, as vítimas não efetivaram registros na polícia".

"A cifra oculta da violência, que é como chamamos este tipo de trabalho, apresentará à população qual a freqüência e a natureza dos crimes contra as pessoas e contra o patrimônio ocorridos em Porto Alegre, registrados pela polícia ou não", antecipou Patrícia. A pesquisa será iniciada neste mês e até o final de maio já deve contar com resultados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;