Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Acreditar, ousar e agir

Há um carro para cada seis habitantes no Brasil


Cristina Baddini

15/04/2011 | 00:00


Há um carro para cada seis habitantes no Brasil, índice que vem diminuindo a cada ano. O fenômeno do crescimento econômico, do crédito farto e da ascensão da classe média levou a frota brasileira a registrar aumento de 61,3% em uma década, atingindo 32,4 milhões de veículos em 2010. No mesmo período, a população brasileira aumentou 12,3%, estando em 190,7 milhões de pessoas.

As cidades do século 20 foram projetadas para o automóvel e a grande quantidade de veículos em circulação mostra que essa é uma realidade que deve permanecer por muitos anos ainda. Por conta disso, na formulação de políticas públicas de mobilidade urbana, é preciso que se tenha em conta formas de tornar o automóvel menos agressivo. Uma tentativa ainda que tímida, mas que está sendo proposta nos projetos de moderação de tráfego, que propõem intervenções físicas no sistema viário de modo a modificar o comportamento do motorista, induzindo-o a reduzir a velocidade e agir com segurança ao volante.

Sedimentado culturalmente por anos e anos de intensos esforços de marketing das grandes montadoras, o carro individual já está arraigado culturalmente no indivíduo e representa, há muito tempo, o objeto de desejo e ao mesmo tempo instrumento real de reprodução econômica e social para vastos segmentos dos estratos médios da sociedade - uma enorme parcela da população que desaprendeu a viver sem ser sobre quatro rodas. Mesmo sabendo disso, é preciso restabelecer o controle do uso do veículo individual e a segurança na mobilidade urbana. 

Paz no trânsito
Para cada morte no trânsito, 11 pessoas ficam com sequelas, 38 são internadas e 380 precisam ser atendidas em pronto-socorros. O levantamento estatístico é da OMS (Organização Mundial da Saúde), que alerta igualmente para a causa da maioria das mortes no trânsito, motoristas alcoolizados ou drogados, seguida por ordem de importância pela falta do cinto de segurança e, em seguida, temos o excesso de velocidade, que aparece como terceira causa maior das mortes no trânsito.

É por isso que precisamos trabalhar intensamente com a prevenção, pois as mortes no trânsito podem ser evitáveis. Precisamos assumir a responsabilidade social e endossar a ambiciosa proposta de reduzir pela metade o número de acidentes com mortes até 2020, por meio de reforma da legislação e fiscalização dos investimentos públicos no setor.

No ano passado, a Polícia Rodoviária Federal computou 40 mil mortes no trânsito brasileiro. Somente este dado já é suficiente para que a sociedade se empenhe e exija o efetivo investimento dos R$ 500 milhões previstos no Orçamento federal em prol da redução dos acidentes de trânsito.

A verba, se aplicada integralmente, provocará uma redução dos gastos da União, que hoje despende 60 vezes mais, ou seja, R$ 30 bilhões no tratamento dos feridos no trânsito, segundo estimativas da ANTP (Associação Nacional dos Transportes Públicos) e do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

Década de Ação pela Segurança no Trânsito
A preocupação com a quantidade de mortes no trânsito é tanta que a OMS lançará em 11 de maio uma campanha para reduzir as mortes, que hoje atingem 1,26 milhão por ano, o que representa uma morte a cada 30 segundos no mundo.

O lema da campanha mundial é: ‘Acreditar, Ousar e Agir', numa adaptação feita para o português pelo gabinete do deputado federal Hugo Leal, que é o presidente da Frente Parlamentar pelo Trânsito Seguro. O slogan original criado pela OMS, em inglês, é Wear, Believe and Act que, em tradução livre, significa: use, acredite e faça.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Acreditar, ousar e agir

Há um carro para cada seis habitantes no Brasil

Cristina Baddini

15/04/2011 | 00:00


Há um carro para cada seis habitantes no Brasil, índice que vem diminuindo a cada ano. O fenômeno do crescimento econômico, do crédito farto e da ascensão da classe média levou a frota brasileira a registrar aumento de 61,3% em uma década, atingindo 32,4 milhões de veículos em 2010. No mesmo período, a população brasileira aumentou 12,3%, estando em 190,7 milhões de pessoas.

As cidades do século 20 foram projetadas para o automóvel e a grande quantidade de veículos em circulação mostra que essa é uma realidade que deve permanecer por muitos anos ainda. Por conta disso, na formulação de políticas públicas de mobilidade urbana, é preciso que se tenha em conta formas de tornar o automóvel menos agressivo. Uma tentativa ainda que tímida, mas que está sendo proposta nos projetos de moderação de tráfego, que propõem intervenções físicas no sistema viário de modo a modificar o comportamento do motorista, induzindo-o a reduzir a velocidade e agir com segurança ao volante.

Sedimentado culturalmente por anos e anos de intensos esforços de marketing das grandes montadoras, o carro individual já está arraigado culturalmente no indivíduo e representa, há muito tempo, o objeto de desejo e ao mesmo tempo instrumento real de reprodução econômica e social para vastos segmentos dos estratos médios da sociedade - uma enorme parcela da população que desaprendeu a viver sem ser sobre quatro rodas. Mesmo sabendo disso, é preciso restabelecer o controle do uso do veículo individual e a segurança na mobilidade urbana. 

Paz no trânsito
Para cada morte no trânsito, 11 pessoas ficam com sequelas, 38 são internadas e 380 precisam ser atendidas em pronto-socorros. O levantamento estatístico é da OMS (Organização Mundial da Saúde), que alerta igualmente para a causa da maioria das mortes no trânsito, motoristas alcoolizados ou drogados, seguida por ordem de importância pela falta do cinto de segurança e, em seguida, temos o excesso de velocidade, que aparece como terceira causa maior das mortes no trânsito.

É por isso que precisamos trabalhar intensamente com a prevenção, pois as mortes no trânsito podem ser evitáveis. Precisamos assumir a responsabilidade social e endossar a ambiciosa proposta de reduzir pela metade o número de acidentes com mortes até 2020, por meio de reforma da legislação e fiscalização dos investimentos públicos no setor.

No ano passado, a Polícia Rodoviária Federal computou 40 mil mortes no trânsito brasileiro. Somente este dado já é suficiente para que a sociedade se empenhe e exija o efetivo investimento dos R$ 500 milhões previstos no Orçamento federal em prol da redução dos acidentes de trânsito.

A verba, se aplicada integralmente, provocará uma redução dos gastos da União, que hoje despende 60 vezes mais, ou seja, R$ 30 bilhões no tratamento dos feridos no trânsito, segundo estimativas da ANTP (Associação Nacional dos Transportes Públicos) e do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

Década de Ação pela Segurança no Trânsito
A preocupação com a quantidade de mortes no trânsito é tanta que a OMS lançará em 11 de maio uma campanha para reduzir as mortes, que hoje atingem 1,26 milhão por ano, o que representa uma morte a cada 30 segundos no mundo.

O lema da campanha mundial é: ‘Acreditar, Ousar e Agir', numa adaptação feita para o português pelo gabinete do deputado federal Hugo Leal, que é o presidente da Frente Parlamentar pelo Trânsito Seguro. O slogan original criado pela OMS, em inglês, é Wear, Believe and Act que, em tradução livre, significa: use, acredite e faça.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;