Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Cruzamento no Zaíra representa perigo a pedestres e motoristas


Angela Martins
Especial para o Diário

11/02/2006 | 08:11


Por causa do grande número de acidentes que ocorrem no cruzamento da avenida Presidente Castelo Branco com a rua Bertolino Tomas, no Jardim Zaíra, em Mauá, mais de mil moradores organizaram um abaixo-assinado para pedir a instalação de um conjunto semafórico no local. "Tem acidente de carro toda semana. Também já houve casos de morte no cruzamento", afirma a dona-de-casa Rosineide Campos de Lima, 33 anos. A principal preocupação da moradora é quanto à segurança das crianças de uma escola próxima ao cruzamento. "É perigoso para as crianças atravessarem a rua nos horários de entrada e saída das aulas", diz.

"Já foram atropeladas várias pessoas. Todo mundo que mo-ra por aqui reclama desse cruzamento", reforça a artista plástica Cathiane Alves Oliveira, 24 anos. Segundo ela, uma feira livre montada toda terça-feira nas imediações complica ainda mais o tráfego local, pois o trânsito é desviado. "O movimento de carros fica mais intenso na Presidente Castelo Branco. É quase impossível o pedestre atravessar", conta.

Acidentes com motociclistas e batidas de carros são corriqueiras no trecho. "Morreram quatro ou cinco motoqueiros no cruzamento, além dos atropelamentos serem constantes. Quase todo dia tem uma batida de carro, por menor que seja. Essa esquina é terrível", alerta o empresário Antônio Rubens de Souza, 51 anos. Ele afirma que todos os funcionários da empresa que dirige assinaram o documento pedindo um semáforo. "No horário de pico do trânsito, entrar nessa avenida é muito difícil, pois está sobrecarregada", conclui.

A ajudante de cozinha Maria da Paz Valério, 50 anos, é responsável pelo recolhimento das assinaturas. "Faz um mês que entrei em contato com a Prefeitura para que resolvesse o problema. Uma equipe veio fazer vistoria e foi prometida a colocação de um semáforo. Mas até agora nada fizeram." Cansada de esperar, ela recolheu mais de 1 mil assinaturas e pretende levar o documento para a Secretaria de Transporte e Trânsito nesta segunda-feira.

A Prefeitura de Mauá informa que vai providenciar um estudo na área em questão e promete instalar o semáforo. Mas não há previsão de quando o problema será resolvido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cruzamento no Zaíra representa perigo a pedestres e motoristas

Angela Martins
Especial para o Diário

11/02/2006 | 08:11


Por causa do grande número de acidentes que ocorrem no cruzamento da avenida Presidente Castelo Branco com a rua Bertolino Tomas, no Jardim Zaíra, em Mauá, mais de mil moradores organizaram um abaixo-assinado para pedir a instalação de um conjunto semafórico no local. "Tem acidente de carro toda semana. Também já houve casos de morte no cruzamento", afirma a dona-de-casa Rosineide Campos de Lima, 33 anos. A principal preocupação da moradora é quanto à segurança das crianças de uma escola próxima ao cruzamento. "É perigoso para as crianças atravessarem a rua nos horários de entrada e saída das aulas", diz.

"Já foram atropeladas várias pessoas. Todo mundo que mo-ra por aqui reclama desse cruzamento", reforça a artista plástica Cathiane Alves Oliveira, 24 anos. Segundo ela, uma feira livre montada toda terça-feira nas imediações complica ainda mais o tráfego local, pois o trânsito é desviado. "O movimento de carros fica mais intenso na Presidente Castelo Branco. É quase impossível o pedestre atravessar", conta.

Acidentes com motociclistas e batidas de carros são corriqueiras no trecho. "Morreram quatro ou cinco motoqueiros no cruzamento, além dos atropelamentos serem constantes. Quase todo dia tem uma batida de carro, por menor que seja. Essa esquina é terrível", alerta o empresário Antônio Rubens de Souza, 51 anos. Ele afirma que todos os funcionários da empresa que dirige assinaram o documento pedindo um semáforo. "No horário de pico do trânsito, entrar nessa avenida é muito difícil, pois está sobrecarregada", conclui.

A ajudante de cozinha Maria da Paz Valério, 50 anos, é responsável pelo recolhimento das assinaturas. "Faz um mês que entrei em contato com a Prefeitura para que resolvesse o problema. Uma equipe veio fazer vistoria e foi prometida a colocação de um semáforo. Mas até agora nada fizeram." Cansada de esperar, ela recolheu mais de 1 mil assinaturas e pretende levar o documento para a Secretaria de Transporte e Trânsito nesta segunda-feira.

A Prefeitura de Mauá informa que vai providenciar um estudo na área em questão e promete instalar o semáforo. Mas não há previsão de quando o problema será resolvido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;