Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

A grave doença da má-formação


Antonio Carlos Lopes

11/09/2017 | 07:00


Faz exatamente um mês que o governo federal promoveu mais um descalabro, atingindo em particular os que dependem exclusivamente do SUS (Sistema Único de Saúde). Em uma simples canetada, forneceu autorização legal para a abertura de 11 novas faculdades de medicina.

Quem vê a notícia de relance, sem se aprofundar no assunto, tem até a impressão de que pode ser algo benéfico. Afinal, o Brasil sofre sim com a carência de profissionais em áreas remotas e nas periferias. Ocorre que a permissão para o funcionamento desses cursos médicos nem de longe foca o problema da desassistência. Pior, não tem qualquer efetividade para combatê-lo e ainda estabelece cenário propício para o colapso do atendimento, em especial, como já citei, àqueles mais vulneráveis socialmente.

Há décadas a formação em medicina vem sendo manipulada como mero negócio por maus empresários e políticos sem menos compostura. Os primeiros abrem faculdades caríssimas, com mensalidades bem superiores a R$ 10 mil, sem a mínima preocupação em oferecer Educação de qualidade aos alunos.

Assim, praticamente todos os dias surgem escolas sem hospital para treinamento, com professores de baixo nível, sem preceptores, de grade pedagógica insuficiente e, inclusive, sem insumos básicos à aprendizagem. Sobre o resultado de tamanha sandice, deixo para colocar mais à frente.

Peguemos agora o que acontece no universo da política: abrir curso médico também não possui a menor conexão com as demandas de Saúde da população. A prova cabal é que diversas das cidades ‘contempladas’ com essas faculdades não possuem estrutura para receber uma massa de ‘turistas’ estudantes nem necessidade social. Há casos que chegam a ser escandalosos. Em Porto Velho, em Rondônia, existem três escolas de medicina. Nenhuma tem um local próprio para estágio. Imagine o tipo de profissional que sai desses locais diretamente para lidar com seres humanos, com vidas.

Temos hoje 294 cursos médicos no País. Cerca de 80% foram criados de 30 anos para cá. Agora, explico claramente o que se dá por trás do balcão de negócios em que se transformou abrir uma faculdade de medicina: lobbies de empresários ‘azeitam’ as mãos de alguns políticos, pois veem o ‘empreendimento’ como caminho seguro para faturar bilhões de reais.

De outro lado, muitos prefeitos e outros tantos políticos usam o estabelecimento de uma universidade em seu município como voto certo e eleição ganha.

Sobre o resultado dessa sandice toda, conforme prometi acima, só há uma definição: é estarrecedor. São estudantes examinando crianças na emergência sem nenhum professor acompanhando, só para citar um exemplo.

Depois da graduação, o risco é bem mais grave. A carreira de um médico gira em torno de 43 anos. Quem tem dinheiro suficiente para recorrer aos melhores profissionais talvez nem venha a sentir a dor na carne. Porém, os mais vulneráveis economicamente, ao entrar em um consultório para uma assistência pouco mais complexa do que uma gripe ou dor de barriga, jamais terão a convicção se estão caminhando em direção à vida ou à morte.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A grave doença da má-formação

Antonio Carlos Lopes

11/09/2017 | 07:00


Faz exatamente um mês que o governo federal promoveu mais um descalabro, atingindo em particular os que dependem exclusivamente do SUS (Sistema Único de Saúde). Em uma simples canetada, forneceu autorização legal para a abertura de 11 novas faculdades de medicina.

Quem vê a notícia de relance, sem se aprofundar no assunto, tem até a impressão de que pode ser algo benéfico. Afinal, o Brasil sofre sim com a carência de profissionais em áreas remotas e nas periferias. Ocorre que a permissão para o funcionamento desses cursos médicos nem de longe foca o problema da desassistência. Pior, não tem qualquer efetividade para combatê-lo e ainda estabelece cenário propício para o colapso do atendimento, em especial, como já citei, àqueles mais vulneráveis socialmente.

Há décadas a formação em medicina vem sendo manipulada como mero negócio por maus empresários e políticos sem menos compostura. Os primeiros abrem faculdades caríssimas, com mensalidades bem superiores a R$ 10 mil, sem a mínima preocupação em oferecer Educação de qualidade aos alunos.

Assim, praticamente todos os dias surgem escolas sem hospital para treinamento, com professores de baixo nível, sem preceptores, de grade pedagógica insuficiente e, inclusive, sem insumos básicos à aprendizagem. Sobre o resultado de tamanha sandice, deixo para colocar mais à frente.

Peguemos agora o que acontece no universo da política: abrir curso médico também não possui a menor conexão com as demandas de Saúde da população. A prova cabal é que diversas das cidades ‘contempladas’ com essas faculdades não possuem estrutura para receber uma massa de ‘turistas’ estudantes nem necessidade social. Há casos que chegam a ser escandalosos. Em Porto Velho, em Rondônia, existem três escolas de medicina. Nenhuma tem um local próprio para estágio. Imagine o tipo de profissional que sai desses locais diretamente para lidar com seres humanos, com vidas.

Temos hoje 294 cursos médicos no País. Cerca de 80% foram criados de 30 anos para cá. Agora, explico claramente o que se dá por trás do balcão de negócios em que se transformou abrir uma faculdade de medicina: lobbies de empresários ‘azeitam’ as mãos de alguns políticos, pois veem o ‘empreendimento’ como caminho seguro para faturar bilhões de reais.

De outro lado, muitos prefeitos e outros tantos políticos usam o estabelecimento de uma universidade em seu município como voto certo e eleição ganha.

Sobre o resultado dessa sandice toda, conforme prometi acima, só há uma definição: é estarrecedor. São estudantes examinando crianças na emergência sem nenhum professor acompanhando, só para citar um exemplo.

Depois da graduação, o risco é bem mais grave. A carreira de um médico gira em torno de 43 anos. Quem tem dinheiro suficiente para recorrer aos melhores profissionais talvez nem venha a sentir a dor na carne. Porém, os mais vulneráveis economicamente, ao entrar em um consultório para uma assistência pouco mais complexa do que uma gripe ou dor de barriga, jamais terão a convicção se estão caminhando em direção à vida ou à morte.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;