Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Em três horas, o mundo viveu em paz com Dalai Lama


Marisa Marega
Do Diário do Grande ABC

30/04/2006 | 09:27


Um sábado inesquecível. Mesmo para quem por dever de ofício evita adjetivos, foi o que aconteceu. A célebre Catedral da Sé – ponto de encontro da resistência à ditadura – voltou a reunir pessoas das mais diversas cores e credos. Tudo porque estava lá dentro o líder espiritual do Tibete, e do budismo, Dalai Lama.

E mais outros representantes de diferentes tradições religiosas. Rabino Henry Sobel, pela Congregação Israelita Paulista, Bispo Adriel de Souza, Presidente do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, Sheik Aramando Hussein Saleh, Missionário pela Paz Mundial, Swami Sumir Lanan Kama, pelos Hare Krishna, e o anfitrião. Dom Cláudio Hummes.

Fora, dezenas de pessoas tentavam entrar com diferentes argumentos: "Sou budista, vim do Mato Grosso." "E eu vim do interior. Estou revoltado. Tem muita gente aí dentro que nem sabe o que é budismo."

O fato é que a cerimônia chegou ao ápice quando Dalai Lama começou a falar. Foram momentos de emoção e devoção. Ao meu lado, uma senhora sentada em uma cadeira começou a fazer reverências seguidas. Todos em volta se comoveram. E acharam um jeito de ir empurrando a devota e a cadeira para a frente do altar.

E a pregação foi básica mas eficiente: tratou de amor, compaixão e tolerância. Seja em relação às religiões ou aos conflitos humanos.

A sra. Ategen Mong, de 88 anos – a que foi levada de cadeira para o centro do palco e que veio da Mongólia há cinco anos, finalmente falou com a ajuda da neta intérprete: "Eu vi Deus."

E a noite nasceu feliz!!!



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em três horas, o mundo viveu em paz com Dalai Lama

Marisa Marega
Do Diário do Grande ABC

30/04/2006 | 09:27


Um sábado inesquecível. Mesmo para quem por dever de ofício evita adjetivos, foi o que aconteceu. A célebre Catedral da Sé – ponto de encontro da resistência à ditadura – voltou a reunir pessoas das mais diversas cores e credos. Tudo porque estava lá dentro o líder espiritual do Tibete, e do budismo, Dalai Lama.

E mais outros representantes de diferentes tradições religiosas. Rabino Henry Sobel, pela Congregação Israelita Paulista, Bispo Adriel de Souza, Presidente do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, Sheik Aramando Hussein Saleh, Missionário pela Paz Mundial, Swami Sumir Lanan Kama, pelos Hare Krishna, e o anfitrião. Dom Cláudio Hummes.

Fora, dezenas de pessoas tentavam entrar com diferentes argumentos: "Sou budista, vim do Mato Grosso." "E eu vim do interior. Estou revoltado. Tem muita gente aí dentro que nem sabe o que é budismo."

O fato é que a cerimônia chegou ao ápice quando Dalai Lama começou a falar. Foram momentos de emoção e devoção. Ao meu lado, uma senhora sentada em uma cadeira começou a fazer reverências seguidas. Todos em volta se comoveram. E acharam um jeito de ir empurrando a devota e a cadeira para a frente do altar.

E a pregação foi básica mas eficiente: tratou de amor, compaixão e tolerância. Seja em relação às religiões ou aos conflitos humanos.

A sra. Ategen Mong, de 88 anos – a que foi levada de cadeira para o centro do palco e que veio da Mongólia há cinco anos, finalmente falou com a ajuda da neta intérprete: "Eu vi Deus."

E a noite nasceu feliz!!!

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;