Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Cobras & Lagartos', nova novela da Globo, não traz novidades


Dojival Filho
Do Diário do Grande ABC

25/04/2006 | 08:42


Não adianta esperar novidade quando o que está em jogo é a audiência. Ao menos no capítulo de estréia, que foi ao ar na noite de ontem, a nova novela das 19h da Rede Globo, Cobras e Lagartos, de João Emanuel Carneiro, apresentou muitas caricaturas, tanto de ricos quanto de pobres, e pouquíssimas novidades. Assim como qualquer folhetim da poderosa emissora carioca, os arquétipos foram bem delimitados, e mocinhos e bandidos já expuseram suas características logo nas primeiras cenas.

Os primeiros cinco minutos do capítulo foram gastos em um videoclipe que mostra imagens da vida do empresário Omar Pasquim (Francisco Cuoco), dono da Luxus, uma imensa galeria que é referência para os endinheirados do país. Tudo apresentado em um ritmo ágil e com uma edição que faz jus ao tal “padrão Globo de qualidade”. No local, é possível comprar jóias, obras de arte, roupas de alta costura, helicópteros, carros de corrida e outros objetos de alto valor.

Apesar de estar cercado de luxo e pessoas que o bajulam, Pasquim escolheu como herdeira a sobrinha, Bel (Mariana Ximenes), uma menina simples e romântica que não se apega a bens materiais.

Bel é noiva de Estevão (Henri Castelli), que tem um caso com a prima dela, a femme fatale Leona (Carolina Dieckmann). Ele usa como artifício uma doença incurável para fazer chantagem emocional com Bel e antecipar o casamento.

Os momentos mais interessantes ficaram por conta do “núcleo pobre”, com o estreante em novelas Lázaro Ramos, que interpreta o simpático malandro Foguinho. O ator brilhou em cenas hilárias. Mas o texto beirou o inverossímil em alguns momentos. Fica difícil acreditar que num país ainda preconceituoso como o Brasil, um negro seria tão bem tratado em uma loja de carros de luxo e entraria sem qualquer dificuldade em um lugar como a Luxus.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Cobras & Lagartos', nova novela da Globo, não traz novidades

Dojival Filho
Do Diário do Grande ABC

25/04/2006 | 08:42


Não adianta esperar novidade quando o que está em jogo é a audiência. Ao menos no capítulo de estréia, que foi ao ar na noite de ontem, a nova novela das 19h da Rede Globo, Cobras e Lagartos, de João Emanuel Carneiro, apresentou muitas caricaturas, tanto de ricos quanto de pobres, e pouquíssimas novidades. Assim como qualquer folhetim da poderosa emissora carioca, os arquétipos foram bem delimitados, e mocinhos e bandidos já expuseram suas características logo nas primeiras cenas.

Os primeiros cinco minutos do capítulo foram gastos em um videoclipe que mostra imagens da vida do empresário Omar Pasquim (Francisco Cuoco), dono da Luxus, uma imensa galeria que é referência para os endinheirados do país. Tudo apresentado em um ritmo ágil e com uma edição que faz jus ao tal “padrão Globo de qualidade”. No local, é possível comprar jóias, obras de arte, roupas de alta costura, helicópteros, carros de corrida e outros objetos de alto valor.

Apesar de estar cercado de luxo e pessoas que o bajulam, Pasquim escolheu como herdeira a sobrinha, Bel (Mariana Ximenes), uma menina simples e romântica que não se apega a bens materiais.

Bel é noiva de Estevão (Henri Castelli), que tem um caso com a prima dela, a femme fatale Leona (Carolina Dieckmann). Ele usa como artifício uma doença incurável para fazer chantagem emocional com Bel e antecipar o casamento.

Os momentos mais interessantes ficaram por conta do “núcleo pobre”, com o estreante em novelas Lázaro Ramos, que interpreta o simpático malandro Foguinho. O ator brilhou em cenas hilárias. Mas o texto beirou o inverossímil em alguns momentos. Fica difícil acreditar que num país ainda preconceituoso como o Brasil, um negro seria tão bem tratado em uma loja de carros de luxo e entraria sem qualquer dificuldade em um lugar como a Luxus.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;