Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Muito além do desejo


Cássio Gomes Neves
Do Diário do Grande ABC

17/04/2006 | 10:13


De Terrence Malick já disseram que é um diretor muito-gás-e-pouca- soda (daqueles que mais anunciam do que executam) e até que ele gostaria de ser o J.D. Salinger do cinema, pois, tal como o autor de O Apanhador no Campo de Centeio, realiza uma obra-prima para depois pedir asilo da arte. Mas, transcendendo os rótulos, é realmente complicado analisar sua filmografia. E o fato de ele, num intervalo de 33 anos, ter realizado somente quatro longas-metragens torna ainda mais cabeluda a tarefa, uma vezque os hiatos de produção sugerem a fragmentação de remetências e procedimentos artísticos.

Não custa tentar, contudo, encontrar correspondência entre Terra de Ninguém (1973), o primeiro filme, e O Novo Mundo (2005), o mais recente, em cartazem São Paulo.

O maior tempo de inatividade de Malick foram os 20 anos entre Cinzas no Paraíso (1978) e Além da Linha Vermelha (1998), seu segundo e terceiro longas respectivamente.

Não coincidentemente, a mesma distância entre a consagração do artista (ganhou o prêmio de melhor diretor em Cannes por Cinzas) e a celebração do retorno (Além da Linha Vermelha recebeu sete indicações ao Oscar). Um intervalo que estimula lendas que o diretor não faz questão de desmentir (é conhecida sua aversão a ser fotografado.

Apesar dos abismos cronológicos, O Novo Mundo confirma algumas prioridades autorais. E é impossível ignorar a composição de imagens, uma arquitetura sustentada por planos gerais que procuram embevecer (para não dizer embriagar) os olhos. O Colorado em cores de mormaço de Terra de Ninguém; os campos de batalha de Além da Linha Vermelha; a América virgemesmeralda de O Novo Mundo; e os tons crepusculares de Cinzas (cujas filmagens, para confirmar a bulimia estética de Malick, foram realizadas em horários específicos durante a aurora e o anoitecer). Apreensões épicas do pró-fílmico (o conjunto de elementos situados à frente da câmera) para contrastar com o lirismo contraditório dos personagens.

E, neste ponto, acessamos uma outra mecânica artística. Não são só a Pocahontas e o John Smith de O Novo Mundo que encontram-se divididos entre o desejo e as expectativas de seu meio social. No rosário de romeus e julietas de Malick estão os casais centrais de Terra de Ninguém e de Cinzas no Paraíso, que fazem do amor mútuo um distintivo para implodir as estruturas sociais na qual estão inseridos. O que parece draminha de Supercine ganha contornos de meditação sobre o desejo.

Simplesmente porque Malick evita explorar o amor como mera conclusão do ato; o que lhe interessa é descascar o sentimento, demonstrar quando deixa de ser desejo para tornar- se dever, débito ou a penhora para uma ação fora do círculo íntimo, uma ação social.

Curioso que a prova cabal disso seja Além da Linha Vermelha, filme sem uma única cena de romance. Na narrativa multifocal do longa, há o episódio do soldado que se corresponde com a mulher, separados por um oceano. O amor é restaurado como desejo, justamente porque está traduzido em saudade, justamente por causa da distância dos corpos, da bolha espacial que proíbe o ato. O paradoxo do amor em tempos de cólera. Isso fazMalick ser mais do que simples pintor de paisagens ou profeta do tédio, como costumam pregar por aí.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Muito além do desejo

Cássio Gomes Neves
Do Diário do Grande ABC

17/04/2006 | 10:13


De Terrence Malick já disseram que é um diretor muito-gás-e-pouca- soda (daqueles que mais anunciam do que executam) e até que ele gostaria de ser o J.D. Salinger do cinema, pois, tal como o autor de O Apanhador no Campo de Centeio, realiza uma obra-prima para depois pedir asilo da arte. Mas, transcendendo os rótulos, é realmente complicado analisar sua filmografia. E o fato de ele, num intervalo de 33 anos, ter realizado somente quatro longas-metragens torna ainda mais cabeluda a tarefa, uma vezque os hiatos de produção sugerem a fragmentação de remetências e procedimentos artísticos.

Não custa tentar, contudo, encontrar correspondência entre Terra de Ninguém (1973), o primeiro filme, e O Novo Mundo (2005), o mais recente, em cartazem São Paulo.

O maior tempo de inatividade de Malick foram os 20 anos entre Cinzas no Paraíso (1978) e Além da Linha Vermelha (1998), seu segundo e terceiro longas respectivamente.

Não coincidentemente, a mesma distância entre a consagração do artista (ganhou o prêmio de melhor diretor em Cannes por Cinzas) e a celebração do retorno (Além da Linha Vermelha recebeu sete indicações ao Oscar). Um intervalo que estimula lendas que o diretor não faz questão de desmentir (é conhecida sua aversão a ser fotografado.

Apesar dos abismos cronológicos, O Novo Mundo confirma algumas prioridades autorais. E é impossível ignorar a composição de imagens, uma arquitetura sustentada por planos gerais que procuram embevecer (para não dizer embriagar) os olhos. O Colorado em cores de mormaço de Terra de Ninguém; os campos de batalha de Além da Linha Vermelha; a América virgemesmeralda de O Novo Mundo; e os tons crepusculares de Cinzas (cujas filmagens, para confirmar a bulimia estética de Malick, foram realizadas em horários específicos durante a aurora e o anoitecer). Apreensões épicas do pró-fílmico (o conjunto de elementos situados à frente da câmera) para contrastar com o lirismo contraditório dos personagens.

E, neste ponto, acessamos uma outra mecânica artística. Não são só a Pocahontas e o John Smith de O Novo Mundo que encontram-se divididos entre o desejo e as expectativas de seu meio social. No rosário de romeus e julietas de Malick estão os casais centrais de Terra de Ninguém e de Cinzas no Paraíso, que fazem do amor mútuo um distintivo para implodir as estruturas sociais na qual estão inseridos. O que parece draminha de Supercine ganha contornos de meditação sobre o desejo.

Simplesmente porque Malick evita explorar o amor como mera conclusão do ato; o que lhe interessa é descascar o sentimento, demonstrar quando deixa de ser desejo para tornar- se dever, débito ou a penhora para uma ação fora do círculo íntimo, uma ação social.

Curioso que a prova cabal disso seja Além da Linha Vermelha, filme sem uma única cena de romance. Na narrativa multifocal do longa, há o episódio do soldado que se corresponde com a mulher, separados por um oceano. O amor é restaurado como desejo, justamente porque está traduzido em saudade, justamente por causa da distância dos corpos, da bolha espacial que proíbe o ato. O paradoxo do amor em tempos de cólera. Isso fazMalick ser mais do que simples pintor de paisagens ou profeta do tédio, como costumam pregar por aí.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;