Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Anistia denuncia EUA por tratamento aos presos em Guantánamo


Do Diário OnLine

15/04/2002 | 11:21


A entidade de defesa aos direitos humanos Anistia Internacional divulgou nesta segunda-feira um memorando condenando o governo norte-americano pelo tratamento dado aos militantes presos durante a operação no Afeganistão. Cerca de 300 combatentes da Al-Qaeda e do Talibã estão presos na base norte-americana em Guantánamo, em Cuba, e em bases na Ásia.

A Anistia diz que “o governo dos EUA se recusa a garantir aos presos do Afeganistão ou da baía de Guantánamo o status de prisioneiros de guerra, ou de levar qualquer caso duvidoso aos tribunais competentes, como determinam a Convenção de Genebra”.

Os EUA afirmam que apenas os combatentes do Talibã, que governava o Afeganistão, são prisioneiros de guerra. Os membros da Al-Qaeda, liderada pelo terrorista saudita Osama Bin Laden, são considerados combatentes ilegais- por essa razão, sem direito a serem tratados de acordo com a Convenção de Genebra.

Os detidos pelos EUA não têm direito a advogados ou contato com diplomatas de seus países. Eles também não terão direito a um julgamento em tribunal civil- todos serão julgados por tribunais militares, que poderão condenar os combatentes à morte.

O governo norte-americano se defendeu dizendo que, apesar de ser um tribunal militar, os julgamentos serão imparciais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Anistia denuncia EUA por tratamento aos presos em Guantánamo

Do Diário OnLine

15/04/2002 | 11:21


A entidade de defesa aos direitos humanos Anistia Internacional divulgou nesta segunda-feira um memorando condenando o governo norte-americano pelo tratamento dado aos militantes presos durante a operação no Afeganistão. Cerca de 300 combatentes da Al-Qaeda e do Talibã estão presos na base norte-americana em Guantánamo, em Cuba, e em bases na Ásia.

A Anistia diz que “o governo dos EUA se recusa a garantir aos presos do Afeganistão ou da baía de Guantánamo o status de prisioneiros de guerra, ou de levar qualquer caso duvidoso aos tribunais competentes, como determinam a Convenção de Genebra”.

Os EUA afirmam que apenas os combatentes do Talibã, que governava o Afeganistão, são prisioneiros de guerra. Os membros da Al-Qaeda, liderada pelo terrorista saudita Osama Bin Laden, são considerados combatentes ilegais- por essa razão, sem direito a serem tratados de acordo com a Convenção de Genebra.

Os detidos pelos EUA não têm direito a advogados ou contato com diplomatas de seus países. Eles também não terão direito a um julgamento em tribunal civil- todos serão julgados por tribunais militares, que poderão condenar os combatentes à morte.

O governo norte-americano se defendeu dizendo que, apesar de ser um tribunal militar, os julgamentos serão imparciais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;