Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Saúde inicia trabalho para mapear contaminação por rato em Sto.André


Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

15/02/2006 | 07:55


A Secretaria da Saúde de Santo André lançou nesta terça o programa de Vigilância Ambiental e Controle de Roedores, que consiste na elaboração de um mapa de risco à saúde da cidade. Embora o foco principal seja o combate aos ratos, o plano visa ainda apontar aspectos como perfil da mortalidade, de morbidade, locais de riscos ambientais, focos de leptospirose, dengue e outras enfermidades. Para desenhar o mapa, a partir do dia 22, agentes supervisores, membros de conselhos diretores de unidades de saúde, Defesa Civil e lideranças de bairros participarão de oficinas de territorialização em dez áreas da cidade, fazendo um diagnóstico das situações de risco em saúde. O mapa deve fica pronto no final de março. Foram destinados ao programa R$ 1,9 milhão (recurso municipal).

De acordo com a médica veterinária e gerente de Controle de Zoonoses da Prefeitura, Thaís Bruno Gutemann, o programa começou a ser elaborado há seis meses e, para colocá-lo em prática, serão usados 130 agentes. “Sempre tivemos um programa de controle aos roedores, mas a equipe era pequena e decidimos ampliá-la.”

A intensificação no combate aos ratos foi motivada pelo aumento das reclamações de alguns bairros quanto ao surgimento do chamado rato de telhado (Ratus ratus), menor em tamanho em relação à ratazana. Entre os bairros com mais queixas estão o Jardim do Estádio, Jardim Irene e Vila Linda. “Todos esses locais já foram desratizados. Desde o dia 31 de janeiro já gastamos cerca de 300 kg de raticida”, disse Thaís.

Segundo a gerente de Zoonoses, enquanto uma equipe vai atuar na elaboração do mapa da cidade, a outra já estará atuando no combate aos ratos e orientações à população. Antes de ir a campo os agentes passaram por cursos de capacitação entre os dias 13 e 27 de janeiro. Nas aulas teóricas, eles tiveram orientações sobre percepção de áreas com potencial de riscos à saúde, como aquelas sujeitas a inundações, com esgoto correndo a céu aberto e acúmulo de lixo. Agora, vão passar de porta em porta fazendo a pesquisa, prevista para ser concluída no mês que vem.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Saúde inicia trabalho para mapear contaminação por rato em Sto.André

Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

15/02/2006 | 07:55


A Secretaria da Saúde de Santo André lançou nesta terça o programa de Vigilância Ambiental e Controle de Roedores, que consiste na elaboração de um mapa de risco à saúde da cidade. Embora o foco principal seja o combate aos ratos, o plano visa ainda apontar aspectos como perfil da mortalidade, de morbidade, locais de riscos ambientais, focos de leptospirose, dengue e outras enfermidades. Para desenhar o mapa, a partir do dia 22, agentes supervisores, membros de conselhos diretores de unidades de saúde, Defesa Civil e lideranças de bairros participarão de oficinas de territorialização em dez áreas da cidade, fazendo um diagnóstico das situações de risco em saúde. O mapa deve fica pronto no final de março. Foram destinados ao programa R$ 1,9 milhão (recurso municipal).

De acordo com a médica veterinária e gerente de Controle de Zoonoses da Prefeitura, Thaís Bruno Gutemann, o programa começou a ser elaborado há seis meses e, para colocá-lo em prática, serão usados 130 agentes. “Sempre tivemos um programa de controle aos roedores, mas a equipe era pequena e decidimos ampliá-la.”

A intensificação no combate aos ratos foi motivada pelo aumento das reclamações de alguns bairros quanto ao surgimento do chamado rato de telhado (Ratus ratus), menor em tamanho em relação à ratazana. Entre os bairros com mais queixas estão o Jardim do Estádio, Jardim Irene e Vila Linda. “Todos esses locais já foram desratizados. Desde o dia 31 de janeiro já gastamos cerca de 300 kg de raticida”, disse Thaís.

Segundo a gerente de Zoonoses, enquanto uma equipe vai atuar na elaboração do mapa da cidade, a outra já estará atuando no combate aos ratos e orientações à população. Antes de ir a campo os agentes passaram por cursos de capacitação entre os dias 13 e 27 de janeiro. Nas aulas teóricas, eles tiveram orientações sobre percepção de áreas com potencial de riscos à saúde, como aquelas sujeitas a inundações, com esgoto correndo a céu aberto e acúmulo de lixo. Agora, vão passar de porta em porta fazendo a pesquisa, prevista para ser concluída no mês que vem.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;