Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolívia admite dificuldade em negociação com Petrobras


Da AFP

28/10/2006 | 14:59


O novo contrato que o governo boliviano negocia com a Petrobras para adequar as operações da empresa brasileira à nacionalização dos hidrocarbonetos é algo "complexo, mas não impossível", disse neste sábado o ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana.

"A negociação é complexa e difícil, mas não impossível", estimou Quintana ao exortar os executivos da Petrobras a compreender a atual conjuntura na Bolívia.

"Oxalá a Petrobras entenda, oxalá os executivos entendam que já não estão no reino das anomalias, que não estão diante de governos que renunciaram a seu patrimônio, a seus recursos naturais", disse Quintana, acrescentando que a Bolívia atravessa um novo ciclo histórico e político.

"Se querem ser sócios estratégicos a longo prazo, têm que se adaptar às fórmulas da negociação que estamos fazendo", destacou o ministro.

Quintana pediu paciência aos cidadãos e previu "boas notícias", como aconteceu na sexta-feira, quando o governo reformulou os contratos com a francesa Total e a americana Vintage.

Mais cedo, o ministro boliviano dos Hidrocarbonetos, Carlos Villegas, disse que a negociação com a Petrobras prosseguirá até o último minuto do prazo estabelecido pelo decreto de nacionalização, à meia-noite deste sábado.

"Estamos em um processo de negociação com as grandes petroleiras e vamos prosseguir até o último minuto do prazo estabelecido no decreto de nacionalização. Até o momento, não há qualquer decisão definitiva em relação à Petrobras", revelou Villegas.

Os novos acordos visam consolidar o decreto de nacionalização, pelo qual as multinacionais petroleiras "ficam obrigadas a entregar a estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) toda a produção de hidrocarbonetos".

A YPFB também assume plenamente a propriedade de todos os hidrocarbonetos produzidos na Bolívia, assim como sua comercialização, definindo as condições, volumes e preços, tanto para o mercado interno como para a exportação.

A Petrobras é a principal investidora na Bolívia e responsável pela exportação para o Brasil 26 milhões de metros cúbicos de gás por dia, volume que representa metade da demanda interna do país.

 


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolívia admite dificuldade em negociação com Petrobras

Da AFP

28/10/2006 | 14:59


O novo contrato que o governo boliviano negocia com a Petrobras para adequar as operações da empresa brasileira à nacionalização dos hidrocarbonetos é algo "complexo, mas não impossível", disse neste sábado o ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana.

"A negociação é complexa e difícil, mas não impossível", estimou Quintana ao exortar os executivos da Petrobras a compreender a atual conjuntura na Bolívia.

"Oxalá a Petrobras entenda, oxalá os executivos entendam que já não estão no reino das anomalias, que não estão diante de governos que renunciaram a seu patrimônio, a seus recursos naturais", disse Quintana, acrescentando que a Bolívia atravessa um novo ciclo histórico e político.

"Se querem ser sócios estratégicos a longo prazo, têm que se adaptar às fórmulas da negociação que estamos fazendo", destacou o ministro.

Quintana pediu paciência aos cidadãos e previu "boas notícias", como aconteceu na sexta-feira, quando o governo reformulou os contratos com a francesa Total e a americana Vintage.

Mais cedo, o ministro boliviano dos Hidrocarbonetos, Carlos Villegas, disse que a negociação com a Petrobras prosseguirá até o último minuto do prazo estabelecido pelo decreto de nacionalização, à meia-noite deste sábado.

"Estamos em um processo de negociação com as grandes petroleiras e vamos prosseguir até o último minuto do prazo estabelecido no decreto de nacionalização. Até o momento, não há qualquer decisão definitiva em relação à Petrobras", revelou Villegas.

Os novos acordos visam consolidar o decreto de nacionalização, pelo qual as multinacionais petroleiras "ficam obrigadas a entregar a estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) toda a produção de hidrocarbonetos".

A YPFB também assume plenamente a propriedade de todos os hidrocarbonetos produzidos na Bolívia, assim como sua comercialização, definindo as condições, volumes e preços, tanto para o mercado interno como para a exportação.

A Petrobras é a principal investidora na Bolívia e responsável pela exportação para o Brasil 26 milhões de metros cúbicos de gás por dia, volume que representa metade da demanda interna do país.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;