Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Estudo aponta que publicidade da TV afeta nutrição das crianças


Da AFP

06/12/2005 | 21:29


Um estudo do Instituto de Medicina da Academia americana de Ciências apontou que a publicidade da televisão americana estimula as crianças pequenas a pedir e consumir desde cedo alimentos ricos em calorias, como refrigerantes e doces.

"As tendências dominantes atuais do mercado de produtos alimentícios e bebidas põem em perigo, em longo prazo, a saúde das nossas crianças", alertou o presidente do comitê encarregado de realizar o estudo, Michael McGinnis.

"Para que as crianças e os jovens possam desenvolver hábitos alimentares saudáveis, que previnam doenças crônicas como diabetes (tipo 2), devem comer menos alimentos com muitas calorias e baixos em nutrientes, como petiscos, refrigerantes e fast-food", acrescentou.

"Esses produtos representam a maior proporção das campanhas publicitárias", disse McGinnis, avaliando que a indústria alimentar e de restaurantes têm, junto com os pais, um papel central a desempenhar para que ocorra uma mudança radical.

As preferências e os hábitos alimentares são adquiridos nos primeiros anos de vida e são determinantes para a saúde dos indivíduos durante toda sua existência, explica a pesquisa.

De acordo com números oficiais, a proporção de crianças e adolescentes (entre os 6 e 19 anos) obesos triplicou nos Estados Unidos em 40 anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estudo aponta que publicidade da TV afeta nutrição das crianças

Da AFP

06/12/2005 | 21:29


Um estudo do Instituto de Medicina da Academia americana de Ciências apontou que a publicidade da televisão americana estimula as crianças pequenas a pedir e consumir desde cedo alimentos ricos em calorias, como refrigerantes e doces.

"As tendências dominantes atuais do mercado de produtos alimentícios e bebidas põem em perigo, em longo prazo, a saúde das nossas crianças", alertou o presidente do comitê encarregado de realizar o estudo, Michael McGinnis.

"Para que as crianças e os jovens possam desenvolver hábitos alimentares saudáveis, que previnam doenças crônicas como diabetes (tipo 2), devem comer menos alimentos com muitas calorias e baixos em nutrientes, como petiscos, refrigerantes e fast-food", acrescentou.

"Esses produtos representam a maior proporção das campanhas publicitárias", disse McGinnis, avaliando que a indústria alimentar e de restaurantes têm, junto com os pais, um papel central a desempenhar para que ocorra uma mudança radical.

As preferências e os hábitos alimentares são adquiridos nos primeiros anos de vida e são determinantes para a saúde dos indivíduos durante toda sua existência, explica a pesquisa.

De acordo com números oficiais, a proporção de crianças e adolescentes (entre os 6 e 19 anos) obesos triplicou nos Estados Unidos em 40 anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;