Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Marinho usa verba pública para trazer ex-ministra

Arquivo/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Matilde Ribeiro, da Igualdade Racial, foi pivô do escândalo do uso indevido dos cartões corporativos


Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

15/04/2015 | 07:00


Administração do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), gastou verba pública para pagar viagem à ex-ministra-chefe da Secretaria Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial Matilde Ribeiro (PT), que foi alvo de investigação do MPF (Ministério Público Federal) por prática de gastos excessivos com cartões de créditos corporativos, entre 2007 e 2008, durante gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

À época, a então ministra efetuou despesas de R$ 14,3 mil mensais com o benefício, em média, enquanto seu salário era de R$ 10,7 mil. Em fevereiro de 2008, pediu demissão do cargo após repercussão negativa.

Marinho desembolsou dos cofres públicos R$ 1.257,85, para o pagamento de passagem área de Matilde (de Salvador, na Bahia, a São Paulo), que esteve em São Bernardo no dia 25 de março para comandar palestra no Teatro Cacilda Becker, intitulada Mulher Protagonista de sua História, referente a uma programação feita pela Prefeitura para homenagear as mulheres da cidade no mês de março.

Os números estão publicados no Portal Transparência, locado dentro do site da Prefeitura. O pregão 20073/14 cita aquisição de passagem área para Matilde – denominada por Marinho como hóspede oficial do município –, na qualidade de debatedora da mesa de debates. O convênio foi assinado com a empresa Selfe Air Tur Agência de Viagens e Turismo Ltda, utilizada rotineiramente pelo governo Marinho para compra de passagens áreas, inclusive para secretários (leia mais abaixo).
Por nota, a administração petista informou que pagou apenas pelo “traslado” da ex-ministra e evitou que tenha depositado “cachê” para Matilde Ribeiro.

HISTÓRICO
Ativista no movimento negro e feminista, Matilde ganhou notoriedade nacional ao ser nomeada por Lula ministra-chefe da Secretaria de Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, logo no início do primeiro mandato do ex-presidente, em março de 2003.

No fim de 2007 e começo de 2008, no segundo mandato de Lula, surgiram as primeiras denúncias ligando a ex-ministra a excessivas despesas nos cartões de crédito corporativos, distribuídos pela União a seus funcionários para custear gastos emergenciais.

Matilde liderou a lista das despesas, registrando faturas de R$ 171,5 mil em 2007, referentes a gastos com viagens, hotéis, restaurantes e aluguéis de automóveis. Seus números foram quase sete vezes maiores do que colegas da Esplanada. Na ocasião, Marinho formava com ela a equipe ministerial, já que o prefeito comandou as Pastas do Trabalho e Emprego e Previdência Social. 

Secretário pode levar acompanhante em voo

O governo do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), onera os cofres públicos, permitindo que seus secretários possam levar acompanhantes em viagens custeadas pela administração. No Portal Transparência, situado no site oficial da Prefeitura, os números mostram que a administração petista gastou somente neste ano R$ 8.283,98 com passagens áreas de servidores, num total de três viagens, uma realizada em fevereiro e duas em março.

Na descrição dos gastos estão explícitos que as despesas estão destinadas para viagens de servidores e eventuais acompanhantes. Os valores foram todos pagos à Selfe Air Tur Agência de Viagens e Turismo Ltda, a mesma utilizada para trazer a ex-ministra-chefe da Secretaria de Igualdade Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial Matilde Ribeiro (PT), que foi alvo de investigação por gastos excessivos com cartões de crédito corporativos do governo federal, durante gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A Prefeitura de São Bernardo não respondeu aos questionamentos do Diário em relação ao caso nem para explicar se há regras sobre os acompanhantes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Marinho usa verba pública para trazer ex-ministra

Matilde Ribeiro, da Igualdade Racial, foi pivô do escândalo do uso indevido dos cartões corporativos

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

15/04/2015 | 07:00


Administração do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), gastou verba pública para pagar viagem à ex-ministra-chefe da Secretaria Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial Matilde Ribeiro (PT), que foi alvo de investigação do MPF (Ministério Público Federal) por prática de gastos excessivos com cartões de créditos corporativos, entre 2007 e 2008, durante gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

À época, a então ministra efetuou despesas de R$ 14,3 mil mensais com o benefício, em média, enquanto seu salário era de R$ 10,7 mil. Em fevereiro de 2008, pediu demissão do cargo após repercussão negativa.

Marinho desembolsou dos cofres públicos R$ 1.257,85, para o pagamento de passagem área de Matilde (de Salvador, na Bahia, a São Paulo), que esteve em São Bernardo no dia 25 de março para comandar palestra no Teatro Cacilda Becker, intitulada Mulher Protagonista de sua História, referente a uma programação feita pela Prefeitura para homenagear as mulheres da cidade no mês de março.

Os números estão publicados no Portal Transparência, locado dentro do site da Prefeitura. O pregão 20073/14 cita aquisição de passagem área para Matilde – denominada por Marinho como hóspede oficial do município –, na qualidade de debatedora da mesa de debates. O convênio foi assinado com a empresa Selfe Air Tur Agência de Viagens e Turismo Ltda, utilizada rotineiramente pelo governo Marinho para compra de passagens áreas, inclusive para secretários (leia mais abaixo).
Por nota, a administração petista informou que pagou apenas pelo “traslado” da ex-ministra e evitou que tenha depositado “cachê” para Matilde Ribeiro.

HISTÓRICO
Ativista no movimento negro e feminista, Matilde ganhou notoriedade nacional ao ser nomeada por Lula ministra-chefe da Secretaria de Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, logo no início do primeiro mandato do ex-presidente, em março de 2003.

No fim de 2007 e começo de 2008, no segundo mandato de Lula, surgiram as primeiras denúncias ligando a ex-ministra a excessivas despesas nos cartões de crédito corporativos, distribuídos pela União a seus funcionários para custear gastos emergenciais.

Matilde liderou a lista das despesas, registrando faturas de R$ 171,5 mil em 2007, referentes a gastos com viagens, hotéis, restaurantes e aluguéis de automóveis. Seus números foram quase sete vezes maiores do que colegas da Esplanada. Na ocasião, Marinho formava com ela a equipe ministerial, já que o prefeito comandou as Pastas do Trabalho e Emprego e Previdência Social. 

Secretário pode levar acompanhante em voo

O governo do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), onera os cofres públicos, permitindo que seus secretários possam levar acompanhantes em viagens custeadas pela administração. No Portal Transparência, situado no site oficial da Prefeitura, os números mostram que a administração petista gastou somente neste ano R$ 8.283,98 com passagens áreas de servidores, num total de três viagens, uma realizada em fevereiro e duas em março.

Na descrição dos gastos estão explícitos que as despesas estão destinadas para viagens de servidores e eventuais acompanhantes. Os valores foram todos pagos à Selfe Air Tur Agência de Viagens e Turismo Ltda, a mesma utilizada para trazer a ex-ministra-chefe da Secretaria de Igualdade Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial Matilde Ribeiro (PT), que foi alvo de investigação por gastos excessivos com cartões de crédito corporativos do governo federal, durante gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A Prefeitura de São Bernardo não respondeu aos questionamentos do Diário em relação ao caso nem para explicar se há regras sobre os acompanhantes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;