Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Fim de acordo automotivo reduzirá negócios, dizem revendas


Evando Nogueira
Da Redaçao

13/08/1999 | 22:01


O encerramento do acordo automotivo - que reduziu impostos e deixou os carros mais baratos -, no fim do de agosto, está fazendo com que as vendas de veículos na regiao apresentem um pequeno crescimento. No entanto, as concessionárias estao preocupadas com o mercado em setembro, uma vez que há uma previsao de reajuste de 4,5% nos preços dos carros populares e de 6,5% a 13% nos modelos médios.

O gerente de vendas da Savol, distribuidora Volkswagen, Mauro Menezes, disse que nos dez primeiros dias de agosto as vendas já superaram o desempenho do mesmo período de junho. "O consumidor está antecipando a compra, pois sabe que os carros ficarao mais caros a partir de setembro." Segundo ele, um aumento de 4,5% nos populares faz muita diferença porque o consumidor desse tipo de veículo deixa de fazer um negócio quando há até pequenas oscilaçoes de preço.

Outra revenda que está registrando aumento das vendas neste mês é a Anchieta, de bandeira General Motors. O gerente de vendas da empresa, Carlos Alberto Capellini, disse que o fim do acordo é o motivo principal para explicar o movimento. "Nós temos de dar desconto para vender. O que está ajudando muito sao os juros promocionais que o banco da montadora está adotando. Isso atrai muito o cliente." Os bancos das quatro maiores montadoras estao adotando promoçoes. Por conta disso, os financiamentos estao sendo responsáveis pela maior parte das vendas.

O gerente geral da Itavema ABC, concessionária Fiat, Paulo de Carvalho, disse que as vendas estao melhores do que em julho, mas os negócios só sao concretizados após desconto. "Por isso é que acho que o mês de setembro será ruim. Os aumentos de preços vao praticamente anular os descontos que estamos concedendo hoje." Segundo ele, a revenda trabalhará neste fim de semana com descontos que chegam a 12%.

O gerente de vendas da Revenda, distribuidora Ford, Paulo Tribuna, afirmou que o volume de negócios nao está apresentando muita diferença entre agosto e julho. Segundo ele, o que mudou mesmo é a maior procura por veículos mais caros. "Estou deixando de vender exclusivamente modelos populares. Cada Ranger que sai, por exemplo, corresponde a cerca de dois Kas. Por isso, o faturamento está o mesmo."

Para amenizar o pessimismo das concessionárias em relaçao ao mês de setembro, a Anfavea (Associaçao Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) está tentando negociar uma renovaçao do acordo com o governo. O presidente da entidade, José Carlos Pinheiro Neto, entretanto, sabe das dificuldades que encontrará, uma vez que já afirmou que "há pouca disposiçao em Brasília para se tratar do assunto".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fim de acordo automotivo reduzirá negócios, dizem revendas

Evando Nogueira
Da Redaçao

13/08/1999 | 22:01


O encerramento do acordo automotivo - que reduziu impostos e deixou os carros mais baratos -, no fim do de agosto, está fazendo com que as vendas de veículos na regiao apresentem um pequeno crescimento. No entanto, as concessionárias estao preocupadas com o mercado em setembro, uma vez que há uma previsao de reajuste de 4,5% nos preços dos carros populares e de 6,5% a 13% nos modelos médios.

O gerente de vendas da Savol, distribuidora Volkswagen, Mauro Menezes, disse que nos dez primeiros dias de agosto as vendas já superaram o desempenho do mesmo período de junho. "O consumidor está antecipando a compra, pois sabe que os carros ficarao mais caros a partir de setembro." Segundo ele, um aumento de 4,5% nos populares faz muita diferença porque o consumidor desse tipo de veículo deixa de fazer um negócio quando há até pequenas oscilaçoes de preço.

Outra revenda que está registrando aumento das vendas neste mês é a Anchieta, de bandeira General Motors. O gerente de vendas da empresa, Carlos Alberto Capellini, disse que o fim do acordo é o motivo principal para explicar o movimento. "Nós temos de dar desconto para vender. O que está ajudando muito sao os juros promocionais que o banco da montadora está adotando. Isso atrai muito o cliente." Os bancos das quatro maiores montadoras estao adotando promoçoes. Por conta disso, os financiamentos estao sendo responsáveis pela maior parte das vendas.

O gerente geral da Itavema ABC, concessionária Fiat, Paulo de Carvalho, disse que as vendas estao melhores do que em julho, mas os negócios só sao concretizados após desconto. "Por isso é que acho que o mês de setembro será ruim. Os aumentos de preços vao praticamente anular os descontos que estamos concedendo hoje." Segundo ele, a revenda trabalhará neste fim de semana com descontos que chegam a 12%.

O gerente de vendas da Revenda, distribuidora Ford, Paulo Tribuna, afirmou que o volume de negócios nao está apresentando muita diferença entre agosto e julho. Segundo ele, o que mudou mesmo é a maior procura por veículos mais caros. "Estou deixando de vender exclusivamente modelos populares. Cada Ranger que sai, por exemplo, corresponde a cerca de dois Kas. Por isso, o faturamento está o mesmo."

Para amenizar o pessimismo das concessionárias em relaçao ao mês de setembro, a Anfavea (Associaçao Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) está tentando negociar uma renovaçao do acordo com o governo. O presidente da entidade, José Carlos Pinheiro Neto, entretanto, sabe das dificuldades que encontrará, uma vez que já afirmou que "há pouca disposiçao em Brasília para se tratar do assunto".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;