Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Para OCDE, inclusão financeira ainda é desafio no Brasil



26/10/2020 | 13:47


A inclusão financeira ainda é um desafio no Brasil, na opinião da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Pesa, sobretudo, conforme a entidade, com sede em Paris, o fato de que 30% da população economicamente ativa não tem conta bancária e faz a maioria dos pagamentos em dinheiro.

Em relatório sobre o setor de telecomunicações no Brasil, a OCDE destaca que, a despeito dos avanços nos serviços digitais, sob a ótica financeira, ainda não há uma difusão ampla no País, o que também impacta o avanço do e-commerce. Como exemplo, cita, os boletos bancários são usados por metade dos compradores, o que lhes dá a liderança entre os métodos de pagamentos mais utilizados no e-commerce brasileiro.

"Os consumidores pagam em dinheiro nos bancos, farmácias conveniadas e caixas eletrônicos e, então, enviam o comprovante de pagamento para a empresa, com consequências no ritmo do negócio, uma vez que o boleto demora alguns dias para ser processado", enfatiza a Organização.

A população desbancarizada no Brasil, no entanto, serve de trampolim, conforme a OCDE, para startups do setor financeiro, as chamadas fintechs. O Organismo, com sede em Paris, cita plataformas como o Mercado Livre, que introduziu seu próprio sistema de pagamentos, o Mercado Pago.

Também faz menção ao novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, o PIX, que será implementado em novembro. "O pagamento instantâneo oferecerá uma alternativa rápida e segura para pagamentos e, portanto, espera-se que apoie o crescimento do e-commerce", avalia a OCDE.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Para OCDE, inclusão financeira ainda é desafio no Brasil


26/10/2020 | 13:47


A inclusão financeira ainda é um desafio no Brasil, na opinião da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Pesa, sobretudo, conforme a entidade, com sede em Paris, o fato de que 30% da população economicamente ativa não tem conta bancária e faz a maioria dos pagamentos em dinheiro.

Em relatório sobre o setor de telecomunicações no Brasil, a OCDE destaca que, a despeito dos avanços nos serviços digitais, sob a ótica financeira, ainda não há uma difusão ampla no País, o que também impacta o avanço do e-commerce. Como exemplo, cita, os boletos bancários são usados por metade dos compradores, o que lhes dá a liderança entre os métodos de pagamentos mais utilizados no e-commerce brasileiro.

"Os consumidores pagam em dinheiro nos bancos, farmácias conveniadas e caixas eletrônicos e, então, enviam o comprovante de pagamento para a empresa, com consequências no ritmo do negócio, uma vez que o boleto demora alguns dias para ser processado", enfatiza a Organização.

A população desbancarizada no Brasil, no entanto, serve de trampolim, conforme a OCDE, para startups do setor financeiro, as chamadas fintechs. O Organismo, com sede em Paris, cita plataformas como o Mercado Livre, que introduziu seu próprio sistema de pagamentos, o Mercado Pago.

Também faz menção ao novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, o PIX, que será implementado em novembro. "O pagamento instantâneo oferecerá uma alternativa rápida e segura para pagamentos e, portanto, espera-se que apoie o crescimento do e-commerce", avalia a OCDE.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;